Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Atentado em França: Hollande fala em 50 feridos "entre a vida e a morte"

Após novo ataque em solo gaulês, a França garante que não "cederá" ao terror e já prometeu o reforço do combate ao terrorismo, na Síria e no Iraque. Nesta altura já estão confirmados pelo menos 84 mortos. Há um português entre os feridos.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 17
  • ...
Tiros
Tiros

O presidente da região Provence-Alpes-Côte d'Azur, Christian Estrosi, escreveu na sua conta no Twitter que dezenas de pessoas morreram no ataque deliberado desta noite na cidade de Nice, no sul de França, quando um camião avançou contra uma multidão de pessoas que celebravam o 14 de Julho, feriado nacional que assinala a tomada da Bastilha.

O ataque deu-se na Promenade des Anglais, quando a multidão assistia a um espectáculo de fogo-de-artifício, e o camião terá abalroado centenas de pessoas ao longo de dois quilómetros, ziguezagueando para provocar o máximo de vítimas possível. 


O efeito foi devastador, já que as pessoas se encontravam todas alinhadas no passeio, a assistirem ao espectáculo de pirotecnia.

Segundo o The Washington Times, há também relatos de que terão sido disparados tiros. Uma testemunha disse à Associated Press que viu o condutor do camião sair do veículo com uma arma e começar a disparar depois de o ter lançado sobre as pessoas. Outras testemunhas referiram que o condutor se debruçou na janela enquanto conduzia, ao mesmo tempo que disparava sobre a multidão.

Há informações de que terão sido encontradas várias armas e granadas no interior do camião.

 

As autoridades estão a pedir às pessoas que se mantenham em casa e há relatos de que existe uma situação de tomada de reféns no hotel Méridien.

Hollande

O presidente François Hollande já reuniu o gabinete de crise.

Abrigos em Nice
O jornal local Nice-Matin escreveu na sua página da rede social Twitter que quem precisar de local para se abrigar deve usar a hastag #PortesOuvertesNice (Portas Abertas em Nice), à semelhança do que aconteceu aquando do atentado de Novembro do ano passado em Paris.


Condutor do camião está morto
Condutor do camião está morto

O Ministério francês do Interior anunciou que o condutor do camião responsável pelo atentado foi abatido. 

"Não propaguem falsos rumores"
Na sua conta de Twitter, o Ministério francês do Interior tem estado a pedir para não se partilharem imagens chocantes nem divulgar informações que não estejam confirmadas.

O referido Ministério desmentiu que haja uma situação de tomada de reféns no hotel Méridien em Nice, tendo também sublinhado num outro tweet que não há qualquer incêndio na Torre Eiffel. Os rumores sobre este incêndio surgiram após um incêndio acidental de um camião junto à Ponte de Iéna, que está já extinto, segundo a mesma fonte oficial.

Trump adia anúncio do seu candidato a vice-presidente

Donald Trump, mais do que provável candidato republicano às eleições presidenciais dos EUA em Novembro próximo, lamentou na sua conta de Twitter o atentado em Nice.

O magnata do imobiliário anunciou também que, devido a este ataque em França, decidiu adiar o anúncio de quem será o seu candidato a vice, que estava previsto para esta sexta-feira, 15 de Julho.

Condolências de todo o mundo
Condolências de todo o mundo
Estão a ser enviadas, de todo o mundo, mensagens de condolências perante este atentado em Nice.

O ex-presidente francês Nicolas Sarkozy expressou uma "emoção profunda e tristeza infinita" face a este ataque, dizendo estar solidário com os habitantes de Nice e da região dos Alpes Marítimos.

A presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, "tweetou" que "em nome de todos os parisienses, todo o nosso apoio fraternal vai para a população de Nice. As nossas cidades estão unidas".

Um porta-voz de Downing Street fez saber, citado pelo The Telegraph, que a nova primeira-ministra britânica, Theresa May, está a ser mantida a par do desenrolar dos acontecimentos. "Os nossos pensamentos estão com todos os afectados por este terrível incidente naquele que era um dia de celebração nacional", acrescentou.

Hillary Clinton, a provável candidata presidencial pelos Democratas nas eleições de Novembro próximo, disse à CNN que está profundamente triste com o que aconteceu ao povo francês, chamando-lhe um "ataque horrendo".

O Presidente interino do Brasil, Michel Temer, também lamentou o atentado desta quinta-feira, na celebração de um "dia que eternizou a fraternidade", e qualificou a acção de "abjecta e ultrajante".

 

"É lamentável que no dia que eternizou a fraternidade como lema do povo francês um atentado destrua a vida de tantos cidadãos", escreveu o chefe de Estado brasileiro na sua conta na rede social Twitter, citado pela Lusa.




Costa e Marcelo repudiam atentado

O Governo português "repudia e condena veementemente" o atentado ocorrido quinta-feira à noite em Nice, França, e o primeiro-ministro, António Costa, já enviou mensagens de condolências ao Presidente francês, François Hollande, e ao seu homólogo, Manuel Valls.

 

Num comunicado do Governo português , assinado pelo primeiro-ministro, António Costa, o Executivo "repudia e condena veementemente este atentado que, mais uma vez, ataca a França e todos os europeus".

 

"Lamentamos as vítimas e manifestamos total solidariedade para com França e os franceses nesta luta contra o terrorismo. A embaixada e consulados portugueses estão a trabalhar com autoridades francesas e disponíveis para ajudar todos os que necessitem", refere-se no mesmo comunicado, citado pela Lusa.

Por seu lado, o Presidente da República enviou ao chefe de Estado francês um telegrama de condolências e solidariedade.

 

Segundo fonte oficial de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa enviou a François Hollande "um telegrama de condolências e ao mesmo tempo de solidariedade pelo bárbaro atentado acabado de cometer em Nice, exprimindo o pesar de todos os portugueses ao Presidente francês".

 

Na mensagem enviada ao Presidente francês, a que a Lusa teve acesso, o chefe de Estado português afirma que "foi com grande consternação" que recebeu a notícia "do hediondo atentado ocorrido esta noite em Nice, que teve lugar, para mais, num dia tão especial para França" - o feriado nacional em que se evoca a Tomada da Bastilha, que marcou o início da Revolução Francesa, em 1789.



Capas dos jornais
As capas dos jornais desta sexta-feira começam já a surgir. O horror perante o atentado.







Conselho de Segurança e Defesa reúne-se a partir das 8h

O presidente francês, François Hollande, reunirá às 9h locais (8h em Lisboa) um conselho restrito de segurança e defesa, anunciou o Eliseu num comunicado citado pelo jornal Le Figaro.

Ataque está a ser analisado

Pierre-Henri Brandet, porta-voz do Ministério do Interior, diz que o ataque está a ser cuidadosamente analisado e que se está a determinar se houve mais pessoas envolvidas além do condutor do camião.


Obama condena "horrível ataque terrorista"

O presidente norte-americano também já expressou o seu pesar, condenando "o que parece ser um horrível ataque terrorista".

 

Barack Obama manifestou toda a sua solidariedade para com França e disse-se "pronto a colaborar com os investigadores franceses para levar os responsáveis perante a Justiça".


100 pessoas resgatadas do mar

Diz o jornal francês Le Figaro, citando uma fonte próxima do gabinete de crise, que cerca de 100 pessoas foram resgatadas do mar.

 

Estas pessoas lançaram-se à água quando o camião avançou sobre a multidão que assistia à beira-mar ao espectáculo de fogo-de-artifício.

 

Nice, que pertence ao departamento dos Alpes Marítimos, na região de Provence-Alpes-Côte d'Azur, está situada na costa do Mar Mediterrâneo.

Hotel Negresco recebe feridos e testemunhas

O hall de entrada do hotel Negresco está transformado num hospital. É lá que estão também muitas testemunhas a ser ouvidas pelos investigadores.


Hollande e Cazeneuve
Hollande e Cazeneuve

François Hollande já saiu de Avignon, rumo a Paris, para presidir de manhã a um conselho de emergência de Segurança e Defesa.

 

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, está a caminho de Nice, refere o The Guardian.

Também a ministra da Saúde, Marisol Touraine, já deixou Paris esta noite, rumo aos hospitais de Nice para falar com os feridos.

Facebook activa verificação de segurança

Como vem sendo habitual, o Facebook activou a verificação de segurança, com a hastag #SafetyCheck, para tranquilizar os familiares e amigos de quem estava em Nice no momento do ataque, refere o Le Monde.

É a terceira vez em cinco semanas que a rede social activa esta ferramenta que permite que os utilizadores que estejam perto do local de um desastre natural ou de um ataque terrorista informem os seus amigos e familiares sobre se estão em segurança.

Foi também activado no passado dia 12 de Junho, na sequência do ataque à discoteca Pulse no estado norte-americano de Orlando, e a 28 de Junho com o atentado bombista no aeroporto turco de Ataturk, em Istambul.



Hollande fala às 2h30 da manhã

François Hollande vai falar à nação pelas 03h30, hora de Paris (02h30 em Lisboa). Hollande manifestará nesta alocução na TV o seu "apoio e solidariedade" à população de Nice, refere o Le Figaro citando um comunicado do Palácio do Eliseu [residência oficial do Presidente de França]

Condutor do camião era de origem tunisina

Segundo o jornal Nice-Matin e a agência noticiosa AFP, o condutor do camião tinha 31 anos, era de Nice e tinha origem tunisina, sendo que tinha também dupla nacionalidade (francesa e tunisina).  

O britânico The Telegraph acrescenta que o condutor terá gritado ‘Allahu Akbar’ – Deus é grande, em árabe – antes de ser morto pela polícia.

O ataque não foi ainda reivindicado mas José Manuel Alves, especialista em segurança, disse na SIC Notícias que foi um atentado "jihadista" porque "tem essa marca". O especialista acredita que terá sido um ataque levado a cabo pelo Daesh.


Bandeiras a meia-haste e vários eventos cancelados em Nice

O presidente da região Provence-Alpes-Côte d'Azur, Christian Estrosi, anunciou o cancelamento de vários eventos e disse que as bandeiras vão estar a meia-haste.

 

O concerto de Rihana, agendado para esta sexta-feira na Allianz Arena, bem como o Festival de Jazz de Nice, que decorreria de 16 a 20 de Julho, foram cancelados após o atentado, escreveu Estrosi numa mensagem na sua conta de Twitter.

França prolonga estado de emergência
França prolonga estado de emergência

François Hollande falou há pouco na televisão e disse que há 77 mortos confirmados, entre os quais crianças, estando 20 pessoas feridas.

 

"França foi atacada no seu dia… o dia que é símbolo da liberdade", declarou o presidente francês, frisando que as vítimas e famílias têm toda a sua solidariedade. "Estão a ser activados todos os meios para ajudar os feridos", acrescentou.

 

Hollande recordou ainda que França está sob ameaça do terrorismo islâmico e salientou que "temos de demonstrar absoluta vigilância e determinação". O chefe de Estado disse também que França irá reforçar as suas operações na Síria e no Iraque.

 

Além disso, o presidente francês anunciou que o estado de emergência, decretado aquando dos ataques de 13 de Novembro em Paris, irá ser prolongado até 26 de Outubro. 

Desde os atentados de há oito meses em Paris - que fizeram 130 mortos em ataques coordenados à sala de espectáculos Bataclan, ao Stade de France e a vários restaurantes e bares da capital francesa - que o país está sob estado de emergência e estava previsto que este fosse levantado no dia 26 deste mês.

"Decidi que o estado de emergência, que deveria terminar a 26 de Julho, será prolongado em três meses", afirmou Hollande.

Este já tinha sido prolongado por duas vezes, para abranger o período do Europeu de Futebol de 2016 e o fim da Volta a França em Bicicleta (Tour de France).

Hollande apelou também aos militares e polícias na reserva para que se ergam e ajudem as forças de segurança, esgotadas depois de oito meses de estado de emergência.

Número de mortos sobe para 80

Os mais recentes números saldam em 80 o número de vítimas mortais deste atentado em Nice.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, divulgou há minutos o mais recente balanço deste ataque: 80 mortos, 18 feridos em estado crítico nos cuidados intensivos, e inúmeros feridos sem gravidade.

 

Cazeneuve, que já chegou a Nice, onde terminou há instantes uma conferência de imprensa, disse que a polícia está a ser mobilizada no sentido de identificar o homem por detrás dos ataques e determinar se teve cúmplices. 



Identificação do condutor do camião está em curso
Identificação do condutor do camião está em curso

O Ministério francês do Interior, que tem estado em permanente actividade também na sua conta de Twitter, acaba de informar que a identificação do autor deste crime está em curso. "Será o Procurador da República quem falará sobre este assunto", acrescentou.

Segundo alguns meios de comunicação social, como o jornal Nice-Matin e a agência France Presse, o condutor do camião era de Nice e tinha ascendência tunisina, de acordo com documentos encontrados no interior do veículo. No entanto, Cazeneuve não quis confirmar a existência qualquer documento de identificação no camião.



70 técnicos a caminho de Nice para identificar as vítimas
70 técnicos a caminho de Nice para identificar as vítimas

Bernard Cazeneuve disse que vão ser enviados para Nice 70 funcionários da polícia técnica e científica e da polícia judiciária para que se possam identificar as vítimas o mais rapidamente possível e restituir os corpos às suas famílias. 

Não há ainda informações oficiais sobre as vítimas mortais, numa altura em que estão também muitos turistas em Nice. Nas redes sociais Facebook e Twitter circulam já muitas mensagens de familiares e amigos de pessoas de inúmeras nacionalidades que estão naquela cidade a passar férias. 

O ministro francês do Interior afirmou ainda que foi já colocado um dispositivo de acompanhamento psicológico à disposição das famílias afectadas e da restante população de Nice.

Nações Unidas condenam ataque "bárbaro"

Numa declaração unânime, os 15 países membros do Conselho de Segurança da ONU apresentaram as suas condolências às famílias das vítimas e ao governo francês, condenando o "ataque terrorista bárbaro".


Minuto de silêncio pelas vítimas
Minuto de silêncio pelas vítimas

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o ministro francês dos Negócios Estrangeiros, Jean-Marc Ayrault, estão entre as personalidades que observaram um minuto de silêncio em memória das vítimas no início da cimeira Ásia-Europa que está a decorrer em Ulan Bator, na Mongólia.

A vida, muito simplesmente

"Nice antes do atentado", escreve a correspondente da AFP em Banguecoque, Marion Thibaut, partilhando uma foto da agência onde se vê o espectáculo de fogo-de-artifício que atraiu uma multidão para o local onde se deu o atentado, à beira-mar daquela cidade do sul de França.

 

"As férias de Verão, um feriado, a festa, a vida… muito simplesmente", diz Thibaut na sua mensagem no Twitter.

Não, não e não

A cartoonista e ilustradora francesa Louison_A já se expressou perante o horror deste atentado, com inúmeros "nãos" em torno de Nice.

Número de vítimas mortais ascende a 84
O ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, actualizou para 84 o número de vítimas mortais do ataque desta noite na cidade de Nice. Há ainda 18 feridos em estado crítico.  

O ataque ainda não foi reivindicado.
Autoridades apelam a dadores de sangue
Os serviços de saúde estão a apelar aos dadores de sangue que se dirijam a partir das 9:30 locais (8:30 em Lisboa) aos centros de dádiva daquela cidade. 

Foram também disponibilizadas duas linhas telefónicas para informações relacionadas com o ataque (0493722222) e apoio às vítimas e suas famílias (0143175646).

Nas redes sociais, está a ser utilizada a hashtag #RechercheNice para ajudar na busca por pessoas que poderão ter sido atingidas pelo atentado e de quem se desconhece o paradeiro.
Boris Johnson "chocado" com atentado
O recém-nomeado ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, reagiu com pesar à notícia do ataque de Nice.

"Chocado e triste pelos horríveis acontecimentos em Nice e a terrível perda de vidas", disse o governante através da sua conta no Twitter.

Juncker diz-se determinado em lutar contra o terrorismo
O presidente da Comissão Europeia disse na manhã desta sexta-feira que a França pode contar com a instituição e com os outros países-membros da União Europeia contra o terrorismo, após o atentado em Nice, que fez pelo menos 84 mortos.

"A nossa determinação [em lutar contra o terrorismo], dentro e fora da UE, permanece firme, tal como a nossa unidade", assinalou Jean-Claude Juncker, em comunicado citado pela Lusa.

Juncker mostrou-se "profundamente afectado" pelo atentado ocorrido naquela cidade do sul de França e expressou ainda a sua "grande solidariedade" para com as vítimas, os seus familiares e para com todos os franceses, após o "acto de terrorismo".
Hollande reúne conselho de defesa
A reunião do Conselho de Defesa do Presidente francês já se iniciou no Palácio do Eliseu, dão conta os meios de comunicação social franceses. A reunião estava prevista começar às 9:00 locais, menos uma hora em Lisboa. 

Além do primeiro-ministro Manuel Valls, Hollande terá no encontro também o ministro dos Negócios Estrangeiros Jean-Marc Ayrault, da Defesa Jean-Yves Le Drian, Justiça (Jean-Jacques Urvoas) e estará ao telefone com o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, que se encontra em Nice.

O encontro deverá demorar uma hora e precedido de um encontro a sós entre o Presidente e o primeiro-ministro.

Rajoy envia condolências e oferece ajuda para "punir" os terroristas
O primeiro-ministro espanhol em funções expressou em nome do Governo espanhol as condolências ao povo francês pelo ataque terrorista da última noite em Nice. Mariano Rajoy fez questão de salientar o compromisso de Espanha em relação "aos nossos vizinhos, parceiros, aliados e amigos franceses".

Rajoy ofereceu ainda "total cooperação para ajudar França a encontrar, perseguir e punir terroristas e aqueles que os suportam e protegem". O presidente do PP disse ainda ter noção de que "ninguém está completamente a salvo das atrocidades da última noite, que até há pouco tempo seriam inimagináveis". Rajoy conclui dizendo que Espanha está "activa" no sentido de uma "resposta global" à ameaça do terrorismo.

Chris Froome mostra simpatia para com as vítimas do ataque
O camisola amarela da Volta a França também já se pronunciou sobre o ataque de Nice. Chris Froome diz que os seus pensamentos estão com todas as vítimas do ataque horroroso de Nice. 

Hollande anunciou reforço das "acções" militares no Iraque e na Síria
Hollande anunciou reforço das 'acções' militares no Iraque e na Síria
No discurso feito durante a madrugada, além de prolongar o estado de emergência por um período adicional de três meses, o presidente francês anunciou que a França vai também reforçar as "acções" militares na Síria e no Iraque. 

O Le Monde refere que apesar de não o ter dito directamente, Hollande deixou subentendido que o Estado Islâmico (EI) estará por detrás da preparação deste novo ataque terrorista em solo gaulês.
Kerry considera que ataque em Nice mostra que é preciso reforçar luta contra o terrorismo
John Kerry considera que o mais recente ataque terrorista em território francês mostra a importância de a comunidade internacional incrementar rapidamente esforços para combater o terrorismo, "especialmente na Síria". Horas antes François Hollande já tinha anunciado o reforço das "acções" militares na Síria e no Iraque. Para John Kerry a Síria continua a ser um país com as condições ideias para albergar terroristas. 

O secretário de Estado norte-americano tinha conversado com o presidente russo, Vladimir Putin, na quinta-feira sobre o problema do terrorismo, uma conversa que Kerry disse ter sido "extremamente franca e muito séria". 

Camião utilizado no ataque era alugado
De acordo com o Le Figaro, o camião frigorífico utilizado no ataque terá sido alugado dois dias antes em Saint-Laurent-du-Var, uma zona limítrofe de Nice. 

Conselho de Segurança condena ataque de Nice
O Conselho de Segurança das Nações Unidas "condenou com a maior firmeza o ataque terrorista bárbaro" em Nice. A comunicação assinada pelos 15 países que actualmente integram o CS reafirmaram "a necessidade de todos os estados combaterem" a ameaça terrorista recorrendo a "todos os meios". 

Mais de 50 crianças deram entrada no hospital
Segundo o jornal Nice-Matin, desde a última madrugada deram entrada no hospital 54 crianças Lanval, em Nice. Entre os mais de 80 mortos já confirmados constam também vários menores. 
Manuel Valls: "A França não cederá à ameaça terrorista"

O primeiro-ministro francês garantiu que "a França não cederá à ameaça terrorista", com Manuel Valls a garantir que o país se manterá "fiel ao espírito de 14 de Julho", o dia nacional de França. Valls pede "uma França unida em torno desses valores", os valores que fundaram o país. O governante francês assegura que "vamos fazer frente a esta guerra contra o terrorismo".

A mensagem de Valls centrou-se na garantia de que a França não cederá nem se deixará desestabilizar com mais este ataque terrorista. Valls confirmou ainda que os ministros franceses do Interior e da Saúde já se encontram em Nice.

Atacante tinha cadastro
A BFM TV avança que o franco-argelino responsável pelo ataque da última noite em Nice tinha cadastro, tendo o seu nome registado pela polícia devido a eventos violentos com posse de armas, violência conjugal e ameaças. O atacante forçou passagem em várias das barreiras metálicas que enquadravam o perímetro das comemorações da tomada da Bastilha. 

Homenagem do Tour
Antes da partida de mais uma étapa da Volta a França foi realizado um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do ataque em Nice.  

Vaticano envia mensagem
O Vaticano também emitiu um comunicado de condenação ao ataque terrorista desta noite em França. "Em nome do Papa Francisco, juntamo-nos em solidariedade para com o sofrimento das vítimas e de toda a população de França", pode ler-se na mensagem. 
Merkel condena ataque
A chanceler alemã também já condenou o ataque de Nice garantindo depois que o ocidente vai vencer esta "guerra contra o terrorismo". 

"A Alemanha continua firme na luta contra o terrorismo e ao lado da França, unidos com muitos, muitos outros. Estou convencida de que, apesar de todas as dificuldades, vamos vencer esta luta", proclamou Angela Merkel. 
Putin envia condolências
Sucedem-se as mensagens de condolências. Também Vladimir Putin, presidente russo, já enviou as condolências ao presidente Hollande. Foi o porta-voz do Kremlin quem divulgou a informação. 
Governo francês decreta três dias de luto nacional
Governo francês decreta três dias de luto nacional
O Executivo francês já decretou que a França cumprirá três dias de luto nacional enquanto homenagem às vítimas do ataque de Nice. O Governo gaulês também prolongou por mais três meses o estado de emergência no país.
Alemanha reforça controlo fronteiriço na fronteira com a França
A agência Reuters noticia que as autoridades alemãs decidiram reforçar o controlo na fronteira com a França como resposta a mais um ataque terrorista em solo gaulês. Um comunicado da política federal germânica, citado pela Reuters, refere que "em coordenação com as forças de segurança francesas, a polícia federal [da Alemanha] está a reforçar o controlo na área fronteiriça junto à França".

Esta é uma medida cautelar que já tinha também sido adoptada depois dos ataques terroristas em Paris, no final de 2015, e em Bruxelas, já este ano. 

Em que consiste o estado de emergência decretado em França
A primeira medida do Governo francês de resposta a mais um ataque terrorista no país foi o anúncio do prolongamento, por um período de três meses, do estado de emergência no país. Esta decisão surge na mesma semana em que o ministro francês da justiça havia confirmado que o estado excepcional seria levantada no próximo dia 26 deste mês.

No dia 19 de Maio o estado de emergência tinha sido prolongado (dessa vez por apenas dois meses) de forma a assegurar a segurança no país durante a realização do Europeu de futebol e da Volta a França, ainda em curso. 

A lei francesa estipula que o estado de emergência pode ser declarado em "casos de perigo iminente resultantes de perturbações graves à ordem pública", e se estas medidas de carácter securitário excepcional podem somente vigorar por um período de até 12 dias, este período pode ser prolongado mediante aprovação pelo Parlamento gaulês. O anúncio feito por François Hollande na última madrugada deverá em breve ser confirmado em sede parlamentar. 

Medidas que as autoridades podem adoptar quando é invocado o estado de emergência:  - Proibição da circulação de pessoas e veículos nos locais e horários previamente determinados

- Instituir por decreto zonas de protecção, ou de segurança, onde a permanência passa a estar regulamentada

- Interdição do acesso a toda ou qualquer parte do território a todas as pessoas que, de qualquer forma, coloquem entraves à acção dos poderes públicos

- Encerramento das fronteiras

- Encerramento, sempre que se justificar, de escolas, universidades, locais de diversão ou proibição de manifestações e greves


CDS condena ataque "bárbaro"
O CDS-PP disse hoje que "condena e lamenta profundamente o atentado" ocorrido quinta-feira na cidade francesa de Nice, que fez 84 mortos e mais de 100 feridos, quando milhares de franceses celebravam o Dia de França.

"São actos bárbaros, intoleráveis, indesculpáveis e injustificáveis e só podem ser repudiados por todos aqueles que respeitam o valor da vida, da liberdade e da tolerância", referiu hoje o CDS-PP, num comunicado enviado à agência Lusa. Os 'centristas' expressam ainda as suas "sentidas condolências às famílias das vítimas, às autoridades e ao povo francês, nesta hora de profunda dor, consternação e pesar".
Londres vai rever medidas de segurança 
O mayor de Londres, Sadiq Khan, anunciou esta sexta-feira que vai passar em revista as medidas de segurança vigentes na capital britânica. 

"Quero assegurar aos londrinos que reveremos hoje as nossas medidas de segurança depois deste ataque. O director da polícia municipal e eu próprio faremos todos os possíveis para garantir a segurança dos londrinos", disse o mayor durante uma visita ao aeroporto de Londres-Gatwick.
Mohamed Lahouaiej Bouhlel será o nome do atacante
Órgãos de comunicação regionais franceses estão a avançar que o franco-argelino identificado como o condutor do camião que causou pelo menos 84 mortes em Nice na noite passada é Mohamed Lahouaiej Bouhlel, de 31 anos, e que seria motorista de profissão. É também referido que o alegado autor do atentado de ontem era casado e pai de três filhos. 

Procurador francês fala às 17:00 de Lisboa
O procurador francês, François Molins, já agendou para esta tarde às 17:00 (16:00 em Lisboa) uma conferência de imprensa, em Nice. Prevê-se que Molins possa confirmar a identidade do autor do ataque da última noite na principal rua daquela cidade do sul de França. 
Governo português "repudia" atentado de Nice
Em comunicado enviado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, "o Governo português repudia e condena veementemente o atentado ocorrido no dia 14 de Julho, em Nice, que manchou de terror e dor um dia de celebração da liberdade e da fraternidade".

Às autoridades francesas e às famílias das vítimas o Governo Português transmitiu o seu profundo pesar pela perda de vidas de entes queridos e a sua solidariedade para com os feridos e o povo francês", pode ainda ler-se no comunicado em que Lisboa "reitera a sua firme condenação do terrorismo sob todas as suas formas".

O Governo acrescenta estar "ao lado da França na defesa da paz" e "empenhado na prossecução de acções colectivas de prevenção e repressão de actos terroristas atrozes". Por fim o MNE revela que "a Embaixada e os Consulados portugueses em França, em coordenação com as autoridades francesas, estão a acompanhar a situação e a prestar os esclarecimentos e o apoio necessários aos cidadãos portugueses".
Alemães, norte-americanos e inglês entre as vítimas

A imprensa francesa garante que entre os mortos resultantes do ataque desta noite há pelo menos três cidadãos de nacionalidade alemã, enquanto a Associated Press, numa informação já confirmada pelas autoridades norte-americanas, refere que estavam dois cidadãos dos Estados Unidos. 

Entretanto o agora ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, já confirmou que há um cidadãos britânico entre as centenas de feridos.

António Costa sublinha que toda a Europa foi atacada
António Costa sublinha que toda a Europa foi atacada

O primeiro-ministro, António Costa, sublinhou hoje que o atentado de quinta-feira à noite em Nice, França, não atingiu apenas aquele país, mas todos os europeus e que a Europa deve focar-se nos "problemas reais e concretos" dos cidadãos.

 

Durante a cerimónia de apresentação do investimento do grupo franco-japonês Howa Tramico em Viana do Castelo, Costa dirigiu-se em francês aos presentes para transmitir não só as suas condolências, mas também "amizade e solidariedade".

 

"E sobretudo esta mensagem de que o atentado de [quinta-feira] não é apenas um atentado à cidade de Nice. Foi um atentado que tocou todos os europeus e isso significa que é uma mensagem muito clara. Porque o que é que deve fazer a Europa no futuro? Deve centrar-se sobre os problemas reais e concretos das pessoas e isso quer dizer a solidariedade da Europa para combater a ameaça terrorista transnacional a que fazemos frente e que ameaça a civilização europeia", afirmou o primeiro-ministro.

 

António Costa disse já ter transmitido as condolências ao Presidente da República de França, François Hollande, e ao primeiro-ministro, Manuel Valls, e realçou que hoje todos os europeus partilham mais do que "os grandes valores da Liberdade, Igualdade e da Fraternidade" que se celebravam na quinta-feira em França. "Hoje todos os europeus partilham também o sofrimento da França e dos franceses", declarou o primeiro-ministro.

Já terminou reunião do Conselho de Defesa
O encontro do Conselho de Defesa do Presidente gaulês já terminou, tendo durado pouco mais de uma hora. Além do presidente François Hollande, estiveram presentes o primeiro-ministro Manuel Valls, o ministro dos Negócios Estrangeiros Jean-Marc Ayrault, da Defesa Jean-Yves Le Drian, Justiça (Jean-Jacques Urvoas) e também, através de videoconferência, o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, que se encontra em Nice.

Tunísia "condena fortemente ataque terrorista cobarde"
A Tunísia "condenou fortemente o ataque cobarde" cometido por um franco-tunisino, que fez pelo menos 84 mortos em Nice, com o presidente tunisino, Béji Caïd Essebsi, a apelar à "solidariedade" na luta contra o terrorismo.

"A Tunísia condena fortemente o ataque terrorista cobarde que visou a cidade de Nice" e "expressa as sentidas condolências à França e ao seu povo", indicou num comunicado citado pela agência France Press o Ministério dos Negócios Estrangeiros tunisino.
Governo confirma que para já não há vítimas portuguesas
O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, anunciou que até ao momento não há qualquer informação que aponta para a existência de vítimas portuguesas no atentado de Nice.
Le Pen aproveita ataque para criticar Hollande
A líder da Frente Nacional (FN), Marine Le Pen, lamentou que "nada daquilo que nós (FN) propusemos foi feito, absolutamente nada". Em declarações ao Le Figaro, Le Pen defendeu que tendo em conta "a nova natureza do terrorismo" é fundamental basear a resposta no "ataque à ideologia em que este terrorismo se fundamenta". 

Le Pen critica o presidente François Hollande e o governo liderado por Manuel Valls por não terem chegado a colocar em prática medidas anunciadas na sequência dos ataques múltiplos nas ruas de Paris, em Novembro do ano passado, tais como a "perda de nacionalidade ou o encerramento de mesquitas salafistas".

A um ano das presidenciais gaulesas, Le Pen não poupou nas críticas a Hollande: "Na verdade não estamos em guerra. Para já estamos numa guerra de palavras".
Theresa May
A recém-nomeada primeira-ministra britânica, Theresa May, já enviou condolências ao governo francês, garantindo que o Reino Unido permanecerá "ombro com ombro" com a França. A agora ex-ministra britânica do Interior defendeu a importância de redobrar esforços para derrotar estes "brutais" terroristas.

Theresa May anunciou ainda ter dado instruções para que um contingente da força militar especial britânica (Cobra) fique completamente à disposição para ajudar as autoridades francesas naquilo que for considerado necessário.
Itália também reforçou controlo fronteiriço junto a França

As autoridades italianas também decidiram incrementar os controlos fronteiriços junta a França. A cidade de Nice, no sudeste francês, fica situada próximo do extremo noroeste de Itália. 

Nice Jazz Festival foi cancelado
O conhecido festival Nice Jazz Festival, que se iria realizar entre os dias 16 e 20 de Julho, foi cancelado devido ao atentado da última noite. Estava previsto que a artista norte-americana Rihanna actuasse no sábado.

Surge também a informação de que estão a ser canceladas várias reservas nos hóteis de Nice. 


Autoridades revistam apartamento do alegado autor do ataque
A jornalista da Agência France Presse partilhou na sua conta de Twitter imagens de um apartamento que foi alvo de buscas da polícia esta manhã.

O nome na caixa do correio do apartamento visado corresponde ao do alegado suspeito que tem vindo a ser veiculado pela imprensa francesa nas últimas horas, Lahouaiej-Bouhlel . Permanece por confirmar oficialmente a identidade.  

Espanha elevou nível se segurança na fronteira com a França
O ministério do Interior espanhol anunciou que elevou o nível de segurança na fronteira entre Espanha e França. Anunciou ainda que vai aumentar as medidas de segurança nas zonas de maior afluência turística e deu indicações de que os serviços de informações de Espanha acreditam que o ataque de Nice teve uma origem jihadista.

Clérigo saudita pede que ataque de Nice não distraia o mundo "dos crimes do regime sírio"
A Reuters cita um clérigo de topo da Arábia Saudita que depois de condenar o ataque terrorista de Nice pediu que este evento não contribua para distrair o mundo "dos crimes do regime sírio".

Marcelo condena "atentado bárbaro" em Nice
"Trata-se de um bárbaro atentado contra pessoas e os seus direitos, numa dimensão brutal, incluindo um número impressionante ao que parece de crianças, e que não pode deixar de chocar todos aqueles que acreditamos num Estado de direito democrático", disse esta sexta-feira o Presidente da República, referindo-se aos ataques desta quinta-feira que fizeram até ao momento 84 mortos. 
Aeroporto de Nice está a ser evacuado
A zona das chegadas do aeroporto de Nice foi evacuada ao início da tarde desta sexta-feira. De acordo com relatos de um jornalista canadiano no local, citado pelo jornal Libération, terá sido encontrado um pacote suspeito. 

O jornalista da CBC publicou na sua conta de Twitter o que diz ser uma imagem de pessoas à porta do aeroporto à espera para voltar a entrar.


A SIC Notícias, que também tem uma jornalista no local, refere que os passageiros foram impedidos de recolher bagagens. Há pelo menos 10 militares fortemente armados e polícias no local. As autoridades pediram às pessoas que saíssem da zona das chegadas.

Também uma jornalista da AP no aeroporto confirmou, no Twitter, o início da evacuação.

Polícia francesa identifica autor do ataque

A AFP reporta que as autoridades francesas identificaram o franco-tunisino Mohamed Lahouaiej Bouhlel, de 31 anos, como o autor do ataque da última noite em Nice.

A polícia francesa terá identificado o presumível autor do atentado com recurso aos documentos de identificação encontrados no habitáculo do camião utilizado como arma na comemoração do Dia da Bastilha.


Vizinhos de Bouhlel descreveram-no como uma pessoa solitária e que raramente falava quando se cruzava com pessoas no prédio onde residia. A BFM TV acrescenta que o franco-tunisino apresentava sinais de depressão nos últimos tempos, provavelmente decorrente de um alegado processo de divórcio.

Bloco quer responder ao terror com "liberdade e igualdade"

O Bloco de Esquerda enviou uma mensagem de condolências ao embaixador de França em Portugal no seguimento do "brutal massacre" desta quinta-feira que teve lugar em Nice e que provocou a morte de pelo menos 84 pessoas. O partido defende que a resposta ao terror deve ser dada com base nos ideais da Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade.

 

"O Bloco de Esquerda exprime o seu sentido pesar pelo brutal massacre ontem perpetrado em Nice que vitimou homens, mulheres e crianças que celebravam a festa da liberdade, da igualdade e da fraternidade. É com a prática reforçada destes princípios basilares – que unem os nossos dois povos – que cabe responder a quem atenta contra esses valores. 227 anos depois da tomada da Bastilha e da conquista que ela deu ao povo francês e ao mundo, o Bloco de Esquerda associa-se à dor das famílias de quem foi vítima deste crime e associa-se à vontade de todos os franceses de contrapor à brutalidade a luta pela liberdade e pela igualdade".

Governo confirma existência de um português entre os feridos
Afinal há, para já, pelo menos um português entre as centenas de feridos resultantes do ataque terrorista da passada noite, em Nice. Segundo confirmou à Lusa o Governo português através do assessor de imprensa do secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, trata-se de um homem que permanece hospitalizado e que será operado a uma perna ainda esta tarde. 

Este cidadão luso estava acompanhado da sua mulher "que escapou ilesa e está livre de perigo", adiantou a mesma fonte, confirmando que "tem havido muitos contactos" de cidadãos portugueses, sobretudo junto dos consulados.
EI não reivindicou autoria do ataque

A BBC escreve que no habitual boletim diário radiofónico do auto-proclamado Estado Islâmico desta sexta-feira a organização extremista sunita não fez qualquer menção ao ataque da última noite, em Nice. 

É habitual o EI fazer referência aos ataques terroristas que leva a cabo no programa difundido através da rádio Al-Bayan. 

Interpol envia equipa para França
A Interpol mobilizou uma equipa especial de resposta para ajudar as autoridades francesas no processo de identificação das vítimas do atentado da última noite.

Hollande revela que há 50 feridos "entre a vida e a morte"
O presidente francês fez uma breve declaração, já em Nice, anunciando que para além dos 84 mortos confirmados há nesta altura 50 feridos "entre a vida e a morte". François Hollande notou ainda que há diversas nacionalidades entre os mortos confirmados.

Hollande classificou de "desprezível" o atentado de ontem e realçou o papel desempenhado pelas forças de segurança gaulesas, o "orgulho de França". Deixou ainda uma palavra de agradecimento aos funcionários de saúde, cujo serviço considerou exemplar.

Segundo um comunicado da Direcção-Geral de Saúde, dos feridos em estado muito crítico, há 25 que estão "em reanimação".


ex-mulher

A ex-mulher do autor do atentado está sob custódia para interrogatório, diz a AFP citando fonte policial. Os investigadores estão a tentar determinar as motivações do homem de 31 anos e estão a ouvir os que lhe eram mais próximos, na tentativa também de perceberem se teve ou não a ajuda de algum cúmplice.

A investida do condutor do camião aconteceu pouco antes das 23h locais (22h em Lisboa), no Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses), onde cerca de 30.000 pessoas assistiam ao espectáculo de fogo-de-artifício à beira-mar, em comemoração do feriado nacional que assinalava a tomada da Bastilha.

Torre Eiffel iluminada com as cores da bandeira francesa
Torre Eiffel iluminada com as cores da bandeira francesa

Em homenagem às vítimas de Nice, a Torre Eiffel estará iluminada com as cores da bandeira francesa – azul, branco e vermelho – durante os três dias de luto nacional, anunciou a câmara de Paris.

Bouhlel tinha sido condenado a seis meses de prisão com pena suspensa

O franco-tunisino responsável pelo ataque tinha sido condenado, em Março passado, a seis meses de prisão com pena suspensa, após uma altercação em Janeiro com um automobilista, referiu o ministro da Justiça, Jean-Jacques Urvoas.

Agora, o referido automobilista, Jean-Baptiste Ximenes, mostrou a sua indignação no Facebook. "O terrorista que cometeu este atentado em Nice foi o que me agrediu com um bastão de basebol. Ele deveria ter cumprido seis meses de prisão. Onde está a justiça?", questionou-se, citado pelo Le Figaro.

Mohamed Lahouaiej Bouhlel não estava referenciado como tendo ligações a células terroristas, mas sim como estando associado a pequenos delitos.

25 pessoas nos cuidados intensivos

O Procurador-Geral de Paris, François Molins, falou há instantes à imprensa, tendo apresentado um novo balanço do atentado.

 

Além de 84 mortos confirmados, há 202 pessoas feridas, sendo que 52 delas estão em estado mais crítico – e, dessas, 25 estão nos cuidados intensivos, disse.

Negócios Estrangeiros da UE analisam terrorismo na segunda-feira
Negócios Estrangeiros da UE analisam terrorismo na segunda-feira

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia vão reunir-se na segunda-feira em Bruxelas, a pedido de França, para analisarem as formas de combate ao terrorismo, avança a BBC News.

Novo Conselho de Segurança e Defesa agendado para sábado

O presidente francês presidirá no sábado, 16 de Junho, às 9h locais (8h em Lisboa), a um Conselho restrito de Segurança e Defesa, no Palácio do Eliseu em Paris.

François Hollande reuniu também ontem este conselho após convocar o gabinete de crise. Em seguida rumou a Nice para ir ao encontro das autoridades e das vítimas hospitalizadas.

Entretanto, o Le Figaro e a BBC referem os ministros e secretários de Estado são esperados no Eliseu às 10h locais.


Vizinha confirma identidade do atacante

O atacante de origem tunisina, que vivia em Nice, foi identificado por uma vizinha como sendo Mohamed Lahouaiej Bouhlel.




Filme ‘Dia da Bastilha’ mantém-se nos cinemas

O thriller "Bastille Day", com Idriss Elba, sobre uma jovem francesa que prepara um atentado em vésperas do 14 de Julho, dia de França que celebra a tomada da Bastilha e simboliza a liberdade, mantém-se em exibição nas salas de cinema. No entanto, a distribuidora do filme – Studiocanal – disse à AFP que os cinemas poderão decidir retirá-lo de cartaz. 


Histórias "felizes"

Com o decorrer das horas, vão sendo conhecidos os nomes das vítimas mortais deste ataque em Nice, havendo 10 crianças e adolescentes entre os 84 mortos, sendo que muitos deles são estrangeiros.

Mas no meio desta tragédia vão surgindo também algumas histórias que, atendendo ao contexto de horror que ontem se viveu naquela cidade do sul de França, são consideradas de "final feliz".


Foi o caso de uma grávida de nove meses, que com os nervos começou a ter contracções e entrou em trabalho de parto. Enquanto na estrada e no passeio um camião investia contra a multidão que ali se encontrava a festejar o 14 de Julho, mais abaixo na praia esta mulher era ajudada pelos funcionários de um restaurante e por um médico que ali estava. O bebé nasceu e ambos foram depois levados em segurança para o hospital.


Uma outra história é a de uma mãe que, no meio do arrastão de uma multidão em pânico, perdeu o filho de 8 meses. Lançou imediatamente um apelo no Facebook e a mulher que tinha visto a criança e a tinha agarrado e colocado em segurança viu o post na rede social e rapidamente fez saber que o menino estava bem, tendo o reencontro acontecido pouco depois. 

Valls diz que atacante tinha ligações ao islamismo radical
Valls diz que atacante tinha ligações ao islamismo radical
O primeiro-ministro francês está a falar no 'Journal de 20h' (Noticiário das 20h) da France 2. Manuel Valls diz que o atacante de Nice estava ligado, de uma ou outra forma, a círculos islamitas radicais.

"Ganharemos esta guerra contra o terrorismo", sublinhou Valls, mas dizendo recear que possa haver "outras réplicas".

Questionado sobre se terá havido uma falha no dispositivo de segurança, o primeiro-ministro respondeu que não. "Foram abortados 15 projectos de atentados nos últimos três anos, um deles de particular envergadura nesta Primavera", revelou.

Obama: Não desistiremos de combater o terrorismo

O presidente norte-americano também está a falar sobre este atentado em Nice. Barack Obama considerou-o um ataque "medonho" contra a liberdade.

"O mundo inteiro, e não apenas os EUA, está hoje do lado dos franceses. O ataque foi uma ameaça para todos nós", frisou.

"Não desistiremos de combater o terrorismo", acrescentou Obama, reiterando a sua determinação em destruir o grupo Estado Islâmico.

Ver comentários
Mais lidas
Outras Notícias