Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Atentado em Nice deixa Hollande debaixo de fogo

Sondagem para o Le Figaro diz que franceses não confiam no Presidente para combater o terrorismo. Luta contra o jihadismo será hoje tema da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia.

Reuters
André Veríssimo averissimo@negocios.pt 17 de Julho de 2016 às 21:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...
O espírito de união entre os políticos franceses que prevaleceu após os atentados terroristas de Paris, em Novembro, caiu com Nice. O Presidente e o Governo francês estão debaixo de fogo da oposição. As sondagens responsabilizam François Hollande.

De acordo com um estudo de opinião da Ifop para o Le Figaro, realizado após o atentado em Nice na sexta-feira e divulgado este domingo, 67% dos inquiridos afirmam não ter confiança na capacidade do Presidente e do seu Governo para lutar de forma eficaz contra a ameaça terrorista. Na sondagem anterior, realizada em Janeiro, a percentagem era de 51%.

François Hollande tem sido o alvo da oposição. No sábado, Marine Le Pen acusou o Governo de falta de acção e pediu a demissão do ministro do Interior, Bernard Cazeneuve. Nicolas Sarkozy, presidente do partido Os Republicanos, disse que em breve chegará "o momento de dizer o que é preciso". "Não podemos estar a chorar vítimas a cada seis meses".

A luta antiterrorista vai estar na agenda da reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, a pedido do Governo francês, com o objectivo de afinar a estratégia europeia após o atentado que fez 84 vítimas em Nice.

O pedido foi formulado logo na sexta-feira à noite depois de Lahouaiej-Bouhlel ter atropelado com um camião mais de uma centena de pessoas no Promenade des Anglais, em Nice, até ser morto pela polícia. As autoridades francesas continuam a tentar traçar o perfil do franco-tunisino de 31 anos e perceber o que o levou a cometer o atentado.

Para o Governo francês tratou-se de um atentado terrorista de inspiração jihadista. "A investigação vai fornecer os factos, mas sabemos agora que o assassino se radicalizou de forma muito rápida", afirmou o primeiro-ministro Manuel Valls, citado pelas agências. O autoproclamado Estado Islâmico veio no sábado reclamar a autoria do atentado, através da agência Amaq. Até ao momento não foram divulgadas provas que confirmem a radicalização de que fala Valls.

Segundo relatos de amigos e familiares recolhidos pela Reuters, Lahouaiej-Bouhlel tinha problemas psicológicos e foi seguido por um especialista ainda na Tunísia. Mas o seu comportamento não era o de um muçulmano ferveroso, bebendo álcool e consumindo carne de porco.

As autoridades francesas detiveram no domingo um homem e uma mulher próximos de Lahouaiej-Bouhlel. Outros três suspeitos continuavam detidos, tendo sido libertada a ex-mulher. Segundo a AFP, o franco-tunisino passou com o camião no local dias antes do atentado. Camião que, segundo o Le Figaro, foi alugado a 4 de Julho.

Apelo aos reservistas

O Governo francês prolongou por mais três meses o estado de emergência, decretou três dias de luto nacional e anunciou mais militares nas ruas. O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, apelou ainda a "todos os franceses patriotas que o desejem" para se juntarem à reserva operacional, que conta com 12 mil efectivos. 

Ver comentários
Saber mais Paris Governo François Hollande Marine Le Pen Bernard Cazeneuve Nicolas Sarkozy União Europeia Manuel Valls Estado Islâmico política terrorismo
Mais lidas
Outras Notícias