Política  Reuters: "Geringonça" surpreendeu analistas

Reuters: "Geringonça" surpreendeu analistas

Uma análise feita pela agência noticiosa a governos minoritários europeus concluiu que o governo do PS com apoio à esquerda confundiu as expectativas ao conseguir equilibrar o rigor orçamental e a retirada de austeridade.
 Reuters: "Geringonça" surpreendeu analistas
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 20 de dezembro de 2016 às 16:47

Numa análise feita pela Reuters aos governos minoritários que surgiram nos últimos meses na Europa, o Executivo socialista português – constituído em Novembro do ano passado com o apoio parlamentar do Bloco de Esquerda, do PCP e d’Os Verdes – sai como tendo surpreendido os analistas, conseguindo um equilíbrio entre regras orçamentais e alívio da austeridade.


"De facto, esse tipo de negociação de bastidores permitiu ao Governo, com um ano de existência e apoiado pela extrema-esquerda, confundir as expectativas de alguns analistas de que iria lutar pela sobrevivência, conseguindo equilibrar os esforços para reduzir o défice orçamental enquanto retirava algumas medidas de austeridade," refere esta terça-feira, 20 de Dezembro, a agência noticiosa.


Além do Governo de António Costa – que tomou posse a 26 de Novembro de 2015 -, a análise abrange os executivos da Bulgária (que recentemente perdeu apoio de um partido), de Espanha, da Irlanda, focando-se sobretudo no país vizinho e no "tigre celta", concluindo que nestes dois casos a sua falta de força política vai impedir grandes iniciativas reformistas no próximo ano.  


Segundo os analistas consultados, uma Europa cada vez mais fragmentada politicamente vai reflectir-se mesmo nos governos historicamente moderados das grandes economias com eleições à porta – Alemanha, França, Itália ou Holanda – que terão de estar abertos a mais compromissos com a oposição.

No caso de Madrid, a Reuters refere as dificuldades que o Governo Rajoy – formado apenas ao fim de dois actos eleitorais que deram sempre maioria relativa ao PP - teve recentemente em tentar aprovar uma nova lei do arrendamento, necessitando de fazer concessões aos socialistas, que acabaram por permitir a formação do executivo pondo fim a meses de impasse.


"Embora não haja nenhum impulso para nenhuma grande reforma, há países como Espanha onde algumas mudanças podem acontecer uma vez que os objectivos dos grandes partidos estão alinhados," afirma Antonio Barroso, analista da Teneo Intelligence


Já na Irlanda o governo minoritário de Enda Kenny precisa do apoio do partido Fianna Fail, com o qual regressou ao poder, mas mais fragilizado e com "toda a responsabilidade mas nenhum poder", afirma o economista-chefe da Investec Irlanda, Philip O'Sullivan. Os partidos (Fianna Fail e Fine Gael) entenderam-se quanto ao primeiro orçamento, mas têm protagonizado episódios de discordância, com a oposição a aprovar legislação à revelia do governo.


O analista do Commerzbank, Peter Dixon, alerta para as dificuldades que os governos minoritários nestas circunstâncias têm em implementar a mudança pretendida pelo eleitorado ao mesmo tempo que levam a cabo uma política económica credível. Daí que, alerta, haja o risco de os executivos abrandarem o esforço reformista e de não conseguirem responder com medidas duras caso seja necessário, como aconteceu nos anos seguintes à crise económica e financeira.

"Estamos a assistir a uma reconfiguração da paisagem política. Não estamos inteiramente certos de qual a forma que tomará, mas estou seguro que não será a que existia antes de 2008," afirma Dixon.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI