Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Jerónimo desafia Presidente da República: Avante, Marcelo!

O secretário-geral comunista desafiou o Presidente da República a visitar a 44.ª Festa do Avante e "ver para crer", em vez de "dar uma mãozinha" ao PSD no rol de críticas ao evento devido à pandemia de covid-19. E considerou que um acordo escrito com o Governo é "claramente dispensável".

Lusa
Negócios com Lusa 05 de Setembro de 2020 às 17:52
  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

"O Presidente da República deveria fazer aquilo que [já] fez e visitar a festa - não é novidade, como é sabido -, e ver para crer, em vez de fazer juízos de valor que eu considero precipitados", afirmou Jerónimo de Sousa, este sábado, 5 de setembro, de visita a duas exposições no espaço central do certame político-cultural anual dos comunistas, no Seixal, distrito de Setúbal.

Em setembro de 2015, meses antes de ser eleito chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa passeou pelo recinto das quintas da Atalaia e do Cabo da Marinha, protagonizando inclusive uma reportagem especial em que foi seguido a par e passo pela TVI.

"Talvez queira dar uma mãozinha ao seu partido, que tem encabeçado esta campanha violenta contra a Festa do Avante. Não vou aqui abrir nenhuma guerra, mas gostaríamos de ver o Presidente a ver com os seus olhos e tirar as conclusões desta realidade que é a Festa do Avante", afirmou o líder comunista.

Na sexta-feira, o Presidente da República confessou-se "menos otimista" do que a Direção-Geral da Saúde e do que o PCP quanto à realização do evento, acrescentando tratar-se de um problema de "avaliação política".

Acordo escrito com o Governo "é claramente dispensável"

O secretário-geral comunista considerou que um acordo escrito com o Governo minoritário socialista é "claramente dispensável", ressalvando que o PCP aguarda pelo próximo Orçamento do Estado e está disponível para "dar a sua contribuição".

De visita a uma das exposições da 44.ª Festa do Avante, e questionado sobre um possível acordo escrito entre o partido e o executivo socialista, Jerónimo de Sousa considerou essa formalização - registada em 2015 - desnecessária.

"Por nós o papel seria perfeitamente dispensável. Só aconteceu [em 2015] devido à insistência do então Presidente da República, que queria o papel, queria o papel, queria o papel, queria o papel", argumentou o secretário-geral, referindo-se a Cavaco Silva.

Para o PCP, resta saber qual a proposta orçamental que o Governo de António Costa irá levar a discussão na Assembleia da República, estando o partido disponível para "dar a sua contribuição".

"Venha a proposta e o PCP está disponível para dar a sua contribuição, numa perspetiva de rutura com o passado e de encontrar as oportunidades de investimento e de desenvolvimento do nosso país", afirmou Jerónimo.

Questionado sobre as declarações do primeiro-ministro relativas a uma possível crise política caso não exista acordo com a esquerda parlamentar, o dirigente comunista considerou que "procurar uma posição de ameaça não ajuda em nada" e "não contribui para solução nenhuma".

"Creio que isso é uma posição pouco sustentável e era importante que o Governo se disponibilizasse para encarar as respostas para o país, para os trabalhadores, para os reformados e pensionistas, para os pequenos e médios agricultores e empresários, esse é que deve ser o caminho", sustentou.

Jerónimo de Sousa confessou ainda estar "preocupado" com matérias orçamentais, como o aumento "poucochinho" do salário mínimo nacional, insistindo na proposta comunista de 850 euros.

O secretário-geral comunista revelou que "é perante os assuntos concretos" que o PCP tomará a sua posição, sublinhando que o partido não está "numa posição meramente reivindicativa, pelo contrário".

Em julho, o primeiro-ministro lançou o desafio a BE, PCP, "Os Verdes" e PAN, no debate parlamentar sobre o estado da Nação, para entendimentos de longo prazo, à semelhança do sucedido em 2015, com as inéditas posições conjuntas com bloquistas, comunistas e ecologistas.

Ver comentários
Saber mais avante pcp comunistas jerónimo de sousa covid-19
Outras Notícias