Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Letta: “Acabar com este Governo seria um crime”

Em Itália temem-se as eventuais repercussões políticas e económicas decorrentes da condenação de “Il Cavaliere”. Sinais ambíguos não apontam para um cenário concreto. O primeiro-ministro garante que “acabar com este Governo seria um crime.”

Bloomberg
David Santiago dsantiago@negocios.pt 02 de Agosto de 2013 às 18:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

Depois da condenação de Silvio Berlusconi sucedem-se declarações, algumas mais inflamadas do que outras. O actual primeiro-ministro italiano, Enrico Letta, já veio a público tentar minimizar quaisquer estragos que a decisão dos juízes italianos pudesse causar na, por ora, relativamente estável grande coligação à frente dos destinos de Itália.

 

Segundo Letta, “acima de tudo está o país, só depois vêm outros interesses”, até porque “acabar com este Governo seria um crime” disse no final do conselho de ministros, que esteve esta sexta-feira reunido.

 

Apesar de “consciente do momento delicado”, Enrico Letta sublinha que “é necessário aplicar a lei”, afastando-se, desta forma, de qualquer tipo de crítica à decisão tomada pelo Supremo Tribunal Italiano.

 

O anterior secretário e líder do PD, Pier Luigi Bersani, vencedor das últimas eleições legislativas italianas, já veio a público defender que é impreterível questionar o PdL (partido de Berlusconi) sobre se “pretende continuar a ser liderado por alguém condenado por evasão fiscal”. De acordo com Bersani, é chegado o momento para o PdL “mostrar se é uma formação política ou um agrupamento sob o jugo do seu líder”, aconselhando, por fim, à “reflexão de todos”.

 

De acordo com o jornal “la Repubblica”, fontes do PdL já fizeram saber, e sobre este ponto todos estarão de acordo, que Berlusconi “continua a ser o líder indiscutível”.

Ver comentários
Saber mais Berlusconi Letta Itália política justiça
Outras Notícias