Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Marcelo apressa formação do novo Governo por causa do Brexit

O Presidente da República quer que o primeiro-ministro, que ainda tem de ser indigitado formalmente, ouça os partidos eleitos este domingo antes de ir ao decisivo Conselho Europeu agendado para 17 e 18 de outubro.

A carregar o vídeo ...
António Larguesa alarguesa@negocios.pt 07 de Outubro de 2019 às 14:00
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Marcelo Rebelo de Sousa vai receber no Palácio de Belém as forças políticas que asseguraram representação parlamentar já esta terça-feira, 8 de outubro, e também "se for possível, em termos de tempo", também "o primeiro-ministro que vier a resultar em termos de indigitação da audição dos partidos".

 

Em declarações aos jornalistas à saída de uma iniciativa no Centro de Congressos do Estoril, citado pela Lusa, o chefe de Estado insistiu esta manhã que há "uma razão de urgência" para acelerar este processo: a realização de "um Conselho Europeu muito importante para discutir o Brexit antes do dia 31 de outubro", durante a próxima semana.

 

"Conviria que o primeiro-ministro indigitado ouvisse os partidos numa composição diferente do Parlamento, portanto, já deste Parlamento acabado de eleger, sobre os temas europeus, antes da tomada de posição no Conselho Europeu", acrescentou, segundo o jornal Público.

 

Do Livre matinal ao PS à hora do telejornal

A Presidência da República já divulgou a agenda pública para esta terça-feira, 8 de outubro, que arranca com a receção ao Livre, às 11h30. Com meia hora reservada para cada um dos partidos mais pequenos, antes do almoço ainda recebe a Iniciativa Liberal, o Chega, os Verdes e o PAN. Depois de uma curta deslocação ao Museu dos Coches para estar com Rosa Mota no programa "Desportistas no Palácio de Belém", Marcelo Rebelo de Sousa volta às audiências às 16h e reserva uma hora para cada um dos restantes partidos, os de maior expressão no panorama político português. Começa pelo CDS, prossegue com o PCP, BE, PSD e termina pelas 20h com o acolhimento ao PS e a António Costa.



Em poucas horas, esta é a segunda vez que Marcelo alude à necessidade de rapidez na escolha do novo chefe de Governo. Numa nota publicada no site da Presidência durante a madrugada, frisara já que, "dado que se realiza a 17 e 18 de outubro um importante Conselho Europeu, nomeadamente por causa do Brexit", irá receber os partidos em Belém apenas dois dias depois da ida às urnas.

Esta manhã, em Cascais, o Presidente da República, que ainda não revelou se se irá candidatar a um segundo mandato em Belém, antecipou ainda que "o que [tenciona] ouvir das forças políticas e dizer às forças políticas é que, tal como na legislatura anterior, o Presidente vai fazer tudo para que haja estabilidade".

O que vem aí?

Só depois de nomeado por Marcelo Rebelo de Sousa é que António Costa irá proceder à formação do Governo, apresentando a lista de ministros ao Presidente, que terá de dar o seu aval, uma vez que a Constituição prevê que são nomeados pelo chefe de Estado, por indicação do primeiro-ministro.

 

Depois de empossado, o novo Executivo enfrenta a primeira tarefa: a preparação do programa que terá de levar ao Parlamento até dez dias depois da data da tomada de posse. Um debate que dura, no máximo, três sessões plenárias. Por princípio, o programa de Governo não é submetido a votação, a menos que um dos partidos apresente uma moção de censura ou que o próprio Executivo peça uma moção de confiança.

Ver comentários
Saber mais política eleições marcelo rebelo de sousa primeiro-ministro brexit partidos parlamento
Mais lidas
Outras Notícias