Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

ADSE não tem pressa na cobrança das regularizações. “Primeiro quero fechar as tabelas”

A nova presidente da ADSE mostra-se empenhada em fechar as novas tabelas de preços com os privados, que estão em construção há vários anos, embora admita que o trabalho não esteja pronto logo no início do ano. Só depois será tratado o tema das regularizações, que ainda não foram cobradas.

A carregar o vídeo ...
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

A guerra aberta com a ADSE que marcou o início de 2019 tinha um obetivo imediato: a suspensão da cobrança das chamadas regularizações, ou seja, dos montantes que a ADSE exigia aos grandes grupos privados para corrigir a faturação de anos anteriores.

As novas tabelas de preços, que já estavam na altura a serem preparadas, foram em setembro apresentadas aos prestadores privados. Em entrevista ao Negócios e à Antena 1, a presidente da ADSE, Maria Manuela Faria, indica que primeiro tentará o acordo sobre as novas tabelas e que só depois se sentará a conversar sobre a cobrança das regularizações.

A cobrança das regularizações, que começaram por ser estimadas em 39 milhões de euros (para os anos de 2015 e 2016) e depois calculadas em 74 milhões (até 2019) "não tem sido tema neste momento", afirma a presidente da ADSE.

 

"Tanto a ADSE como os prestadores estamos muito focados neste assunto de vital importância, que é resolvermos o assunto das tabelas que, como disse, e bem, arrasta-se já há demasiado tempo".

 

"Primeiro quero fechar as tabelas", e "depois tratamos das regularizações com a mesma serenidade com que estamos a encarar a revisão de tabelas", diz Maria Manuela Faria.

 

Embora não dê detalhes, a presidente da ADSE confirma que as tabelas prevêem um aumento do preço das consultas e uma subida significativa de varios atos da medicina dentária, tal como o Negócios tem noticiado nos últimos meses.

"Toda a gente sabe que os preços na ADSE não eram revistos há mais de vinte anos", justifica.

 

Quanto aos medicamentos, próteses e cirurgias "estamos a tentar fechar o máximo de preços possível e isso traz uma coisa muito boa a ambas as partes que é a previsibilidade. Quanto ao resto, como digo, ainda estamos a conversar".

 

Maria Manuela Faria refere que as faturas estão a ser conferidadas – como já estavam aliás no início de 2019 – e admite que a verba de cerca de 70 milhões de euros, valor que não confirma, possa ser revista em baixa.

 

Ver comentários
Saber mais ADSE regularizações grandes grupos privados novas tabelas regime convencionado
Outras Notícias