Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Novo bastonário dos médicos reafirma intenção de fixar tempos mínimos de consultas

O novo bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, reafirmou esta quarta-feira o programa de reformas que se propôs fazer, nomeadamente a fixação de tempos mínimos de consultas, preservar a qualidade da medicina e dignificar a classe.

Lusa 08 de Fevereiro de 2017 às 23:32
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

Miguel Guimarães tomou hoje posse numa cerimónia que encheu o salão nobre da Academia das Ciências de Lisboa e na qual compareceram, além de muitos médicos, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

 

A "relação médico-doente está fortemente ameaçada", com os médicos com excessivas tarefas burocráticas e administrativas, e a Ordem dos Médicos (OM) "não pode permitir esta situação", disse o novo bastonário, acrescentando que a fixação de tempos mínimos de consulta é uma determinação que "pode e deve ser assumida pelos colégios de especialidade da OM".

 

Miguel Guimarães pediu a cooperação do Ministério da Saúde no novo cargo que hoje iniciou e o ministro foi de colaboração que falou também, afirmando mesmo que as prioridades apresentadas pelo bastonário são em muita medida as mesmas do Governo.

 

"Estamos com o bastonário para dignificar o tratamento médico e a qualidade da relação com o doente", disse no final da cerimónia, aos jornalistas, Adalberto Campos Fernandes, quando questionado sobre se aceitava a fixação de tempos mínimos de consulta.

 

José Miguel Guimarães, que venceu expressivamente as eleições e que era até agora o presidente do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos, frisou que o médico de família tem de ter mais tempo para acompanhar os doentes, mas também para fazer investigação e formação.

 

E disse depois que é preciso que o Governo assegure a eficiência da gestão dos recursos tecnológicos e que é necessário aperfeiçoar as aplicações informáticas.

 

O bastonário criticou depois medidas como a equiparação do ato médico às terapêuticas não convencionais e a proibição dos apoios da indústria farmacêutica, que são importantes para a investigação.

 

Em resumo, exigiu mais qualidade na formação médica e propôs a revisão dos internatos médicos e a criação de uma bolsa de apoio à formação médica especializada, e pediu apoio para os médicos jovens e para as zonas longe dos grandes centros.

 

O bastonário foi aplaudido de pé e elogiado pelo ministro e também pelo Presidente da República, que elogiou o bastonário cessante e a classe médica em geral. O médico, disse Marcelo Rebelo de Sousa, é "um factor de inclusão e de justiça social" e sem ela a democracia em Portugal não seria a mesma.

 

José Manuel Silva, que hoje deixou o cargo que ocupou por seis anos, um período que apelidou de "incessante montanha russa", passou em revista o que de mais importante a Ordem fez (novos estatutos ou o acordo de cooperação com países de língua portuguesa, por exemplo), disse que era necessário melhorar a investigação clínica e lamentou "o esmagamento da pequena medicina privada".

 

Lamentou também os "pouco éticos interesses que gravitam" à volta do Orçamento da Saúde e as "ameaças à qualidade da formação médica". Um discurso igualmente aplaudido de pé.

Ver comentários
Saber mais Marcelo Rebelo de Sousa Adalberto Campos Fernandes Ordem dos Médicos José Miguel Guimarães José Manuel Silva Ordem Orçamento da Saúde
Mais lidas
Outras Notícias