Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bloco e PCP defendem alternativas à TSU e culpam PSD

No debate em que a redução da TSU para os patrões vai morrer, os parceiros do Governo fizeram tiro ao alvo ao PSD e rejeitaram a ideia de que a concertação social se possa sobrepor ao poder político.

A carregar o vídeo ...
  • Assine já 1€/1 mês
  • 10
  • ...

O Bloco de Esquerda e o PCP defenderam esta quarta-feira a redução do Pagamento Especial por Conta (PEC) e dos custos energéticos como forma de ultrapassar o chumbo da Taxa Social Única (TSU) no Parlamento. No debate que vai servir para pôr fim a esta medida, os parceiros do Governo atacaram o PSD e recusaram que a concertação social possa sobrepor-se ao poder político.

O debate sobre o fim da redução da TSU começou pelas 15 horas no Parlamento e resultou de iniciativas do Bloco de Esquerda e do PCP, que rejeitam essa medida. No entanto, nas intervenções iniciais, ambos os parceiros do Executivo deixaram a porta aberta a outras medidas para as empresas que, na opinião do Bloco e do PCP, não configuram compensações pelo aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), já em vigor desde 1 de Janeiro.    

"As linhas que se podem justificar de estímulo às micro e PME como a redução e eliminação do PEC ou a baixa dos custos de energia, entre outros, têm a sua ponderação e justificação própria e não podem ser considerados como contrapartidas pelo aumento de salários", disse a deputada comunista Rita Rato, durante o debate na Assembleia.


Também antes, José Soeiro tinha abordado as alternativas ao fim da redução da TSU. "Do que não precisam é de uma fatura energética excessiva, do abusivo pagamento especial por conta ou de uma política de crédito que lhes cobra juros acima do que podem pagar", afirmou o deputado bloquista. 

Tanto o Bloco de Esquerda como o PCP guardaram parte da sua intervenção para falar sobre o salário mínimo nacional - que aumentou em Janeiro de 530 para 55 euros - e acusaram o PSD de fazer mudar de posição. "A única novidade foi mesmo a pirueta do PSD", disse José Soeiro. Também o PCP virou os holofotes para cima dos sociais-democratas. A comunista Rita Rato acusou o PSD de "o
portunismo", ao ir votar ao lado da esquerda para travar a descida da TSU, o que "não apaga a verdadeira motivação do PSD contra o SMN".

Na sua intervenção, o deputado bloquista rejeitou que este debate seja sobre a maioria de esquerda. "Este não é pois, um debate sobre o Bloco de Esquerda, sobre o PCP, sobre os Verdes, sobre as posições conjuntas que assinaram com o Partido Socialista", disse José Soeiro, antecipando assim que o PSD e CDS fossem explorar logo de seguida eventuais divergências entre os parceiros que sustentam o Governo.    

Rita Rato e José Soeiro foram também críticos da sobreposição da concertação social. A deputada comunista considerou que a decisão do Governo com patrões e UGT "limita a AR" e dá "direito de veto" às confederações patronais. E o deputado bloquista lembrou que o facto de o acordo deixar de fora alguns parceiros sociais "fragiliza enormemente a sua legitimidade". 

   

(Notícia actualizada com mais declarações)

Ver comentários
Saber mais Parlamento Rita Rato PCP BE Bloco de Esquerda José Soeiro TSU taxa social única SMN salário mínimo nacional
Mais lidas
Outras Notícias