Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Bancos juntam-se e pedem regulação comum para fintech

Paulo Macedo, da CGD, sublinha que os bancos não podem ficar apenas com os depósitos, que obriga a supervisão, e as fintech atraírem apenas a parte rentável.

Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 29 de Novembro de 2017 às 12:53
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os bancos podem vir a ter mais concorrentes, mas sublinham que a regulação e supervisão não podem ser distintas, segundo indicaram os responsáveis das principais instituições financeiras no Fórum Banca, que ocorreu esta quarta-feira, 29 de Novembro, em Lisboa.

 

"Acho absolutamente essencial e justa" que haja um campo de supervisão comum ao sistema financeiro, opinou Nuno Amado, presidente executivo do BCP. A afirmação é feita depois de ter pedido um "momento de paragem" nas novas regras de supervisão europeia que têm vindo a pender sobre os bancos.

 

Paulo Macedo, que se disse "claramente" favorável às fintech, mostrou que não faz sentido manter a regulação e supervisão no campo da concorrência das empresas tecnológicas como está: "As fintech querem concorrer na parte de pagamentos ou crédito, porque fogem dos depósitos porque implicam capital e supervisão. Querem concorrer na parte que não tem exigências", afirmou o presidente executivo da CGD.

 

No Montepio, José Félix Morgado tem a mesma opinião: "A banca precisa de ter as mesmas condições de negócio que têm alguns potenciais concorrentes". O líder da caixa económica afirmou que a resposta dos bancos tem de passar, também, por "atitude". Licínio Pina, do Crédito Agrícola, defendeu a posição dos bancos tradicionais: podem existir criptomoedas, como a bitcoin, mas haverá sempre dinheiro físico, defendeu. O que o levou a dizer que "a entrada das fintech só será possível se houver bancos".

 

O modelo de negócio dos bancos está a mudar. E com a directiva de pagamentos, que irá abrir a porta de parte da operação bancária a concorrentes, o modelo de negócios vai mudar ainda mais. "É uma reinvenção do modelo de negócio, que seguramente não é o que é até hoje", afirmou António Ramalho. A questão é perceber como será a relação entre os bancos, novos concorrentes e a supervisão.

 

O presidente do Novo Banco crê que a evolução tecnológica "vai permitir aproximar" os bancos, numa altura de redução de margem, de "respostas mais entusiasmantes" que poderão gerar maior encaixe.

 

Antes das declarações dos líderes dos bancos, a vice-governadora do Banco de Portugal, Elisa Ferreira, defendeu que a banca ainda estão está suficientemente preparada para a entrada no sector dos concorrentes tecnológicos.

Ver comentários
Saber mais Paulo Macedo CGD Fintech Fórum Banca Nuno Amado BCP Montepio José Félix Morgado Licínio Pina Crédito Agrícola António Ramalho Novo Banco Elisa Ferreira banca
Outras Notícias