Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

"Lesados" do BES podem vir a ter dedução fiscal

Os clientes do antigo BES só vão receber entre 50% e 75% das aplicações feitas em papel comercial. Está em estudo a "possibilidade" de as perdas na recuperação do investimento serem alvo de dedução fiscal.

Miguel Baltazar/Negócios
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 20 de Dezembro de 2016 às 17:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • 29
  • ...

Está em aberto a possibilidade de os clientes do antigo BES poderem deduzir em sede de imposto as perdas que vão enfrentar com a solução promovida pelo Governo e pelos reguladores para o papel comercial das empresas do Grupo Espírito Santo em insolvência no Luxemburgo.

 

O memorando de entendimento assinado em Março passado entre Governo, Banco de Portugal, Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, BES "mau" e AIEPC (Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial) resultou num modelo de solução para os investidores não qualificados em que essa "possibilidade" é assumida.

 

"A presente solução poderá ainda eventualmente ser complementada por propostas comerciais a obter junto dos bancos, bem como pela possibilidade, que se encontra em análise, de assegurar aos investidores não qualificados do papel comercial a dedução fiscal das perdas sofridas até ao montante do capital investido", assinala o modelo de solução disponibilizado apenas esta terça-feira, 20 de Dezembro, apesar de António Costa ter ontem revelado "os resultados" do diálogo.

 

No documento final, publicado no site da associação (versão fechada, onde é exigida palavra-chave) a que o Negócios teve acesso, não são dados mais pormenores sobre que tipo de dedução para efeitos fiscais será promovida, nomeadamente se haverá tectos máximos à dedução. 

A dedução fiscal em causa, explica fonte ligada ao processo, corresponde a uma isenção tendo em conta que diz respeito ao dinheiro a ser recuperado com a solução (entre 50% a 75% da aplicação). Com o pagamento através do fundo que será criado, a legislação pode consagrar o montante como novo rendimento e tributá-lo como tal. O que a solução prevê é que não haja uma nova tributação. A faltar está uma portaria que aprove tal dedução. 

 

À partida, os clientes do antigo BES, Best e BES Açores assumem perdas de pelo menos 25% do seu investimento inicial. Na transferência para o fundo (veículo) que será criado, os investidores signatários da solução admitem a perda: quem tem aplicações até 500 mil euros receberá, no máximo, 75% do seu investimento mas até um limite de 250 mil euros. Já as aplicações superiores a 500 mil euros prevêem o reembolso de 50% da colocação inicial.

 

Além das deduções fiscais, poderá haver uma proposta comercial de instituições financeiras com os lesados, com condições mais vantajosas de eventuais produtos com o montante recebido pelos investidores.

 

Primeiro pagamento do fundo em Maio
Os clientes que assinem a solução recebem o montante em três parcelas (uma de 30% do valor global, estima o grupo de trabalho, até Maio de 2017, e duas outras partes, iguais entre si, em 2018 e 2019). Em troca, cedem o papel comercial e os créditos de reclamação ao fundo que vai ser constituído.

O fundo terá como missão reclamar os créditos juntos na liquidação da ESI e Rioforte mas também colocar processos judiciais (em busca de indemnizações junto de membros de órgãos sociais do BES e das sociedades). Será também para ele que transitam os créditos a obter na liquidação do BES "mau" (é ao veículo que será pago um eventual montante que assegure o reembolso de até 31,7% do investimento inicial a estes credores se tal valor não for obtido no processo de liquidação do BES, como apurou a Deloitte à luz das regras de resolução).


(Notícia actualizada às 18:52 com mais pormenores sobre o tipo de dedução fiscal no quinto parágrafo) 



O que se sabe da solução para os "lesados":

Negócios explica o que se conhece da solução para os lesados do BES
A carregar o vídeo ...
Diogo Cavaleiro, jornalista do Negócios, explica o que se sabe da solução para os lesados do BES patrocinada pelo Governo.


 

Ver comentários
Saber mais BES Governo Grupo Espírito Santo Banco de Portugal Comissão do Mercado de Valores Mobiliários AIEPC Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial AIEPC
Mais lidas
Outras Notícias