Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

NB: Stock da Cunha rejeita ideia de "bando de malandros" e lembra que banco sobreviveu

Eduardo Stock da Cunha, que esteve à frente da instituição entre 2014 e 2016, foi hoje ouvido na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução.

Mário Cruz
Lusa 04 de Maio de 2021 às 22:17
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
O antigo presidente do Novo Banco Stock da Cunha destacou hoje a sobrevivência do banco até ao dia da venda, apesar do "falhanço sério" do BES, lamentando o tratamento da instituição, incluindo trabalhadores, como "um bando de malandros".

Eduardo Stock da Cunha, que esteve à frente da instituição entre 2014 e 2016, foi hoje ouvido na Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução.

"É importante distinguir o trigo do joio. Fico um bocadinho melindrado quando ao nível público se decidiu tratar todo o Novo Banco, incluindo os seus trabalhadores, como um bando de malandros", disse, durante o período de respostas à deputada do BE Mariana Mortágua.

Segundo Stock da Cunha, tal como em outras atividades - incluindo deputados - "em nove mil pessoas haverá algumas maçãs podres".

"Mas dizer que nove mil pessoas, que sofreram ameaças de integridade física, que perderam muito com o que aconteceu ao BES e pô-los todos no mesmo cesto pareceu-me mais do que injusto, incorreto" apontou, deixando claro que "a esmagadora maioria dos trabalhadores do Novo Banco era de altíssima qualidade".

O antigo presidente da instituição foi mais longe. "Não sei se todos os bancos portugueses que passaram por aquilo que passou o BES e posteriormente o Novo Banco seriam capazes de resistir como resistiu o Novo Banco", enalteceu.

Apesar de tudo, de acordo com Stock da Cunha, "o Novo Banco sobreviveu até ao dia em que foi vendido", o que considera ser "é o mais importante".

"O BES é um falhanço sério na capacidade empresarial de Portugal, numa certa forma de fazer negócio", afirmou, considerando claro que "a própria supervisão" podia "ter feito mais".

O antigo presidente do Novo Banco defendeu a necessidade de fazer uma "reflexão positiva" do facto de o "terceiro maior banco do sistema financeiro português ter falido e apesar de tudo o que lhe sucedeu, com todos as alterações e dificuldades que houve no caminho, o banco foi capaz de dar a volta".

"O Novo Banco continuou a ser um banco de referência para as empresas e para os particulares portugueses e as pessoas voltaram a ter confiança no Novo Banco", enfatizou.

Ver comentários
Saber mais Eduardo Stock da Cunha Novo Banco BES
Outras Notícias