Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Unitel garante ter poderes para negociar BFA com BPI

A Unitel garante que “tem os poderes necessários” para negociar o reforço no BFA e que o parecer do Tribunal de Paris, feito a pedido da Oi, não se aplica à operação. Empresa espera que negociação com BPI “se inicie iminentemente”.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

"O conselho de administração da Unitel tem os poderes necessários, de acordo com a lei angolana e com os estatutos da sociedade, para tratar de todas as matérias relacionadas com a participação no Banco de Fomento Angola (BFA)", sublinhou a operadora de telecomunicações angolana, cuja gestão é controlada por Isabel dos Santos, em comunicado emitido esta sexta-feira, 22 de Janeiro.

 

A posição da empresa surge depois de o Observador ter noticiado que, a 26 de Novembro, o Tribunal de Comércio de Paris emitiu um parecer que ordenava à Unitel que respeitasse o direito de veto da PT Ventures, detida pela Oi, em relação a qualquer aquisição ou movimentos de caixa. Este processo "impede qualquer nova aquisição accionária pela Unitel, até a decisão final sobre a causa", sustentou mesmo fonte oficial da Oi ao Negócios.

 

Para a Unitel, em que a Oi através da PT Ventures tem uma posição de 25%, "a decisão do Tribunal de Comércio de Paris não tem qualquer efeito no processo negocial de aquisição de uma participação suplementar no BFA" ao BPI. Aliás, a empresa angolana espera que "o respectivo processo negocial se inicie iminentemente", sublinha o comunicado.

 

O grupo controlado por Isabel dos Santos justifica a sua posição com o facto de, segundo o comunicado, "o processo não ser sequer abrangido pelo objecto da decisão (que é, aliás, anterior à própria apresentação da proposta)." Além disso, sublinha, "de acordo com o Código de Processo Civil angolano os efeitos de uma decisão com esta estariam sempre dependentes de revisão pelos Tribunais Angolanos".

Como o Negócios já avançou, as negociações entre a Unitel e o BPI para a compra de 10% do BFA pela operadora angolana deverão começar na próxima semana, uma vez que o prazo de validade da proposta feita por Isabel dos Santos termina a 31 de Janeiro. O objectivo desta oferta é permitir que o banco de Fernando Ulrich deixe de ter a maioria de capital da instituição angolana, cujo controlo passaria para a Unitel, e assim responder às exigências do Banco Central Europeu que obriga o BPI a reduzir a concentração de riscos a Angola.

Ver comentários
Saber mais Banco de Fomento Angola BFA Isabel dos Santos Tribunal de Comércio de Paris Código de Processo Civil Fernando Ulrich BPI Banco Central Europeu banca
Mais lidas
Outras Notícias