Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ikea alerta que crise nas matérias-primas pode durar mais que um ano

O Ikea junta-se a outros gigantes do setor do retalho que temem um impacto generalizado na produção, provocado pela crise das matérias-primas e do setor do transporte de mercadorias.

Vítor Mota
Marta Velho martavelho@negocios.pt 14 de Outubro de 2021 às 18:48
  • Partilhar artigo
  • 3
  • ...
A crise no fornecimento de matérias-primas - que está a congestionar empresas um pouco por todo o mundo - veio para ficar, acredita Jesper Brodin, CEO do Ingka Group, que controla a maior parte das lojas Ikea. 

"Na verdade, prevemos que o desafio da disponibilidade e das matérias-primas continuará durante a maior parte, senão todo [do exercício financeiro até o final de agosto]. Vai demorar um período mais longo do que o que pensávamos no início desta crise", afirmou o responsável, citado pelo Financial Times.

Jesper Brodin acredita que o Ikea vai conseguir passar pela crise sem falhas de produção. Contudo, admite que a gestão de stocks vai ser muito mais apertada e que a marca vai ter que prioritizar os produtos mais populares.

O Ikea junta-se assim a outros gigantes do retalho que têm vindo a público recentemente alertar para o prolongamento da crise e para os impactos no setor, como a H&M e a Asos.

As retalhistas estão a ser particularmente afetadas pelos constrangimentos provocados pela crise pandémica, dos quais resultaram a atual crise energética, a falta de disponibilidade de matérias primas e os problemas no setor dos transportes de mercadorias.

Em Portugal, já esta quinta-feira, o alerta chegou também da Sonae. A dona dos hipermercados Continente acredita que "é inevitável" que haja aumentos de custos ao longo da cadeia de distribuição, mas trabalha para que o "impacto não seja sentido pelos clientes".

A APED, que representa o setor da distribuição, acredita mesmo que o Natal pode estar em risco., falando num "cocktail explosivo que pode vir a ter impacto" nas compras dos portugueses.

Ver comentários
Saber mais Ikea Jesper Brodin economia negócios e finanças bens de consumo crise matérias-primas transportes
Outras Notícias