Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Mercadona sugere apenas uma pessoa às compras e congela devoluções

Os supermercados passam a estar abertos das 9h às 20h, com um máximo de 80 clientes em simultâneo. Em “reconhecimento do esforço” para manter operação, a retalhista vai atribuir um prémio de 20% a todos os funcionários.

DR
António Larguesa alarguesa@negocios.pt 16 de Março de 2020 às 09:51
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A Mercadona está a recomendar aos clientes que evitem idas em família, com crianças ou em grupo aos supermercados. As compras devem ser feitas apenas por uma pessoa, que não pertença aos grupos de risco (como idosos e doentes crónicos) e ao longo do dia, não concentrando na hora de abertura dos estabelecimentos.

 

Na lista de recomendações aos clientes está também a conclusão das compras com "agilidade e rapidez", o pagamento preferencial com cartão para evitar o uso de dinheiro vivo e o aviso para "não armazenar produtos desnecessariamente", uma vez que está "totalmente garantido" o abastecimento de produtos de primeira necessidade.

 

Nos dez supermercados que já abriu em Portugal, a retalhista está a informar os clientes através dos funcionários, de cartazes e dos altifalantes da loja. O horário de abertura, que se irá "adaptando às circunstâncias", já foi encurtado para o período entre as 9h a as 20h. Nas linhas de caixas foram colocadas marcas no chão para informar sobre a distância mínima recomendada de um metro entre clientes.

 

No que toca ao acesso, e tendo em conta a área de vendas aproximada de 2.000 metros quadrados, apenas permite um máximo de 80 clientes em simultâneo. A responsabilidade de controlar esta capacidade interior, que segue as determinações do Governo, é do "encarregado do estabelecimento, ou da pessoa ou agente de segurança privada designado por este".

 

"As lojas permanecerão abastecidas, reforçando e garantindo o abastecimento de produtos básicos e de primeira necessidade, para que os nossos clientes possam fazer as suas compras diárias", assegurou a empresa de Valência, acrescentando que "com o objetivo de proteger a segurança alimentar, não se admitirão, em qualquer circunstância, devoluções de produtos".

 

Com quase mil trabalhadores em Portugal, onde faturou 32 milhões de euros no ano de estreia, a empresa liderada por Juan Roig determinou que todos os colaboradores espanhóis em Portugal ou portugueses em Espanha voltam para casa e anunciou um prémio equivalente a 20% do salário bruto para todos os funcionários, "em reconhecimento do esforço" que está a ser realizado para manter as operações.

As lojas da Mercadona estão situadas em Vila Nova de Gaia (Canidelo e Mafamude), Matosinhos, Maia, Gondomar, Porto, Barcelos, Braga, Ovar e São João da Madeira. Em 2020 prevê inaugurar mais uma dezena de unidades deste lado da fronteira. Paços de Ferreira, Aveiro (Matadouro e Silva Rocha), Trofa, Águeda, Penafiel, Santo Tirso, Ermesinde e Viana do Castelo são as localizações confirmadas.

Ver comentários
Saber mais comércio mercadona supermercados coronavirus covid-19
Mais lidas
Outras Notícias