Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Nova plataforma vai agilizar o cancelamento de contratos de comunicações

Instrumento, a ser lançado em breve, será gerido pela Direção Geral do Consumidor e destina-se a cancelar contratos que estão a chegar ao fim e o titular não quer renovar, mas também para casos de resolução antecipada, por exemplo por desempregados ou emigrantes ou para a cessação de contrato por caducidade.

iStock
Lusa 19 de Novembro de 2022 às 10:31
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...
Pedidos de cancelamento de contratos de telecomunicações vão passar a ser possíveis numa nova plataforma, já desenvolvida e que vai ser gerida pela Direção Geral do Consumidor (DGC), cujas funcionalidades vão ser publicadas "em breve", segundo a DGC.

A plataforma vai abranger a resolução antecipada (dentro do período de fidelização) sem encargos de contratos, nomeadamente por desempregados ou emigrantes, a cessação de contrato por caducidade (como a morte do titular) e ainda a denúncia de contratos (quando não querer renovar findo o período de fidelização).

Numa resposta à Lusa, a DGC adianta que a plataforma já está desenvolvida, mas ainda a ser objeto de "pequenos ajustes tecnológicos de acordo" com as revisões e recomendações da Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD), que deu este mês o seu parecer sobre o projeto de portaria que define as funcionalidades da plataforma.

"Trata-se de um projeto evolutivo, visando disponibilizar uma ferramenta de informação útil sobre os contratos de comunicações eletrónicas em execução e facilitar a sua cessação por parte dos consumidores. A regulamentação da plataforma será publicada em breve", adianta a direção-geral liderada por Ana Catarina Fonseca.

A criação desta plataforma ficou prevista na Lei das Comunicações Eletrónicas, aprovada em agosto pela Assembleia da República e que transpôs o Código Europeu das Comunicações Eletrónicas (CECE), aprovado em julho pelo parlamento europeu, definindo nomeadamente as situações em que os operadores não podem exigir ao consumidor o pagamento de encargos por incumprimento da fidelização.

Entre essas situações estão o desemprego ou baixa médica, alteração de residência para fora do território nacional ou ausência da residência por incapacidade, doença prolongada ou estado de dependência de cuidados prestados ou a prestar por terceira pessoa.

No parecer da CNPD ao projeto de portaria, lê-se que o desenvolvimento da plataforma vai ser realizado em duas fases, a primeira para implementar as funcionalidades de cessação do contrato através de denúncia e comunicação do óbito do titular do contrato, e a segunda para a funcionalidade de suspender o contrato e cessar por caducidade ou resolução.

O projeto de portaria descreve as finalidades da plataforma "em termos que causam alguma perplexidade" à CNPD, por referir que a plataforma vai possibilitar a comunicação com outros sistemas informatizados "já existentes ou que venham a ser criados", um teor que a comissão diz ser vago e indeterminado, e "inadmissível", recomendando alterar.

A CNPD salienta ainda que é preciso ficar expresso na portaria que a DGC intervém na plataforma como responsável pelo tratamento de dados pessoais, e que a Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), que tem competências fiscalizadoras, e os operadores de comunicações eletrónicas intervêm apenas como terceiros, recomendando ainda que sejam definidos os procedimentos para o acesso e transmissão de dados entre a plataforma e os operadores de comunicações.

A associação de defesa do consumidor Deco, que também deu parecer sobre o projeto de regulamentação da nova plataforma, em declarações à Lusa, defendeu que a nova plataforma deveria facilitar a mudança de operador e facultar informação sobre as condições de cessação do contrato, antes de pedido pelo cliente, e não ser apenas mais uma forma de comunicar a cessação do contrato.

"Já demonstramos ao Governo as nossas preocupações" sobre a nova plataforma, disse a jurista da Deco Ana Sofia Ferreira.

A associação também referiu que enviou ao Governo e aos grupos parlamentares de uma proposta, intitulada 'Sobreviver à inflação', com 26 medidas para "evitar" que as famílias entrem em rutura financeira, e na qual defende a proibição do aumento em 2023 das mensalidades das comunicações eletrónicas.
Ver comentários
Saber mais Direção Geral do Consumidor DGC CNPD Deco Governo economia negócios e finanças
Outras Notícias