Empresas Novo CEO da Lego vai combinar blocos de montar com aplicações

Novo CEO da Lego vai combinar blocos de montar com aplicações

O homem que está ao leme da Lego quer unir os blocos icónicos da fabricante de brinquedos com aparelhos digitais para reverter uma queda nas vendas.
Novo CEO da Lego vai combinar blocos de montar com aplicações
Reuters
Bloomberg 11 de março de 2018 às 11:00

"Nós vemos isto como uma maneira de manter o interesse das crianças por mais tempo, e para alargar o interesse a outras faixas etárias", afirmou o CEO da Lego, Niels B. Christiansen, numa entrevista. "Estamos fazendo muito nesta área e queremos fazer mais."

 

Christiansen, que se tornou CEO da Lego em Outubro, está a tentar manter a relevância da Lego para uma geração de crianças cuja obsessão com as telas diminuiu o interesse por brinquedos físicos. Até agora a Lego obteve resultados díspares com suas incursões digitais. O filme "Uma Aventura Lego", de 2014, e alguns dos videojogos da empresa tiveram sucesso, mas a sua grande aposta de 2010 num jogo de computador online para vários jogadores, o "Lego Universe", foi um fracasso.

 

Christiansen diz que os blocos de montar básicos continuarão a ser o foco à medida que a Lego projectar novos produtos. Christiansen deu como exemplo o "Lego Boost" (que permite que as crianças criem os seus próprios brinquedos e depois os programem para que se movam usando uma aplicação de smartphone) como um exemplo do tipo de coisa que ele quer ver mais.

 

"Precisamos de concentrar a Lego nas coisas certas", disse. "Precisamos ter produtos fortes e inovadores."

 

Christiansen assumiu o comando num momento em que a maior fabricante de brinquedos da Europa conheceu o fim de uma década de aumento de receitas e lucros. De 2010 a 2015 as vendas mais do que duplicaram e o então CEO, Jorgen Vig Knudstorp, entregou lucros recorde aos proprietários: a família milionária Kirk Kristiansen.

 

Mas o crescimento ocorreu a um ritmo que a empresa dinamarquesa classificou de "sobrenatural" e a organização tornou-se demasiado grande. Em 2017, as vendas e os lucros caíram quando a Lego teve de reduzir "stocks" com base em projecções excessivamente optimistas. A empresa eliminou 1.400 postos de trabalho, cerca de 8% da sua força laboral.

 

Christiansen diz que a reestruturação já acabou e espera que as vendas voltem a crescer novamente no próximo ano.

 

"Actualmente estamos a concentrarmo-nos em algumas prioridades e a usar a nossa nova estrutura organizacional para tomar decisões mais próximas dos consumidores e do mercado", realçou o CEO. "É óbvio que ganharemos a longo prazo se formos mais criativos."




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 11.03.2018

Inovar, empreender, investir, sempre orientados por e para o mercado. Só assim se cria valor. E para isso é necessário saber gerir os recursos de uma organização. A dinamarquesa Lego detectou em 2017 8% de excedentários a emperrar a organização. E já os despediu. Farão as organizações portuguesas pelo menos metade do esforço para gerir bem os seus recursos com vista à criação de valor numa óptica de mercado? Poucas ou nenhumas, porque querem que Portugal seja cada vez mais um Poortugal a criar alguns ricos, e não a criar riqueza como aquela que é criada nas economias e sociedades mais avançadas do verdadeiro Primeiro Mundo. "Jobs cuts at Lego Group are a ‘one-off, big move’, says Chairman" https://www.cnbc.com/2017/09/05/toymaker-lego-to-cut-8-percent-of-staff-as-sales-decline.html

comentários mais recentes
Anónimo 11.03.2018

Inovar, empreender, investir, sempre orientados por e para o mercado. Só assim se cria valor. E para isso é necessário saber gerir os recursos de uma organização. A dinamarquesa Lego detectou em 2017 8% de excedentários a emperrar a organização. E já os despediu. Farão as organizações portuguesas pelo menos metade do esforço para gerir bem os seus recursos com vista à criação de valor numa óptica de mercado? Poucas ou nenhumas, porque querem que Portugal seja cada vez mais um Poortugal a criar alguns ricos, e não a criar riqueza como aquela que é criada nas economias e sociedades mais avançadas do verdadeiro Primeiro Mundo. "Jobs cuts at Lego Group are a ‘one-off, big move’, says Chairman" https://www.cnbc.com/2017/09/05/toymaker-lego-to-cut-8-percent-of-staff-as-sales-decline.html

General Ciresp 11.03.2018

Cada vez mais se confirma o q eu disse em tempos neste jornal:a tecnologia avancada e nao para,vai acabar por secar tudo em seu redor.O caralho do bebe nasce tem logo smartphone para ligar ao primo a convidalo para brincar com ele.Ja me sinto analfabeto ao pe das geracoes tecnologicas.Vida a correr.

Saber mais e Alertas
pub