Empresas UPS coloca Bruxelas em tribunal e pede compensação de 1,7 mil milhões de euros

UPS coloca Bruxelas em tribunal e pede compensação de 1,7 mil milhões de euros

A United Parcel Service está a processar a União Europeia pelos danos que sofreu com o veto errado, diz, dos reguladores à sua proposta de compra parcial da TNT Express NV. Empresa de logística pede indemnização de 1,7 mil milhões de euros.
UPS coloca Bruxelas em tribunal e pede compensação de 1,7 mil milhões de euros
reuters
Ana Laranjeiro 26 de fevereiro de 2018 às 12:58

A United Parcel Service (UPS) colocou a União Europeia em tribunal e pede uma compensação de 1,7 mil milhões de euros. Em causa estão os danos que a empresa de logística sofreu na sequência do veto, dizem, errado dos reguladores europeus à compra, por parte da UPS, de uma parte da rival TNT Express NV, de acordo com a Bloomberg.

Em 2013, o regulador europeu decidiu bloquear a fusão parcial, que estava avaliada em sete mil milhões de dólares, entre a UPS e a TNT Express NV. Na altura, as autoridades comunitárias alegaram que a operação levantava questões em torno da concorrência. No ano passado, um tribunal europeu anulou a decisão dos reguladores com base em erros processuais por parte do regulador.

A firma de logística está a pedir agora ao Tribunal Geral da União Europeia para que a sua compensação inclua juros, segundo os documentos que deram entrada no tribunal, citados pela agência Bloomberg. A companhia "quer ser colocada na posição em que estaria se a decisão ilegal não tivesse sido adoptada".

É ainda considerado que bloquear a operação de compra de uma parte da TNT Express pela UPS evitou que a empresa "tenha materializado os benefícios associados com a transacção proposta".

Em comunicado, citado pela agência de informação, a empresa diz que a "compensação que está a ser solicitada corresponde ao que acreditamos, através de avaliações objectivas verificadas por especialistas terceiros, ser o valor da oportunidade erradamente proibida pela Comissão Europeia".

Bruxelas disse que vai defender-se em tribunal.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
Saber mais e Alertas
pub