Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Acções da RWE e da EON disparam com fusão entre gigantes alemães de energia

A compra pela EON da empresa de energias renováveis Innogy que pertence à RWE vai permitir criar duas grandes energéticas alemãs capazes de competirem com as suas rivais europeias.

Bloomberg
André Cabrita-Mendes andremendes@negocios.pt 12 de Março de 2018 às 12:33
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...
Duas das maiores empresas do sector energético alemão estão prestes a fundir-se. A EON vai comprar a Innogy, empresa de energia renovável da RWE, um negócio avaliado em 22 mil milhões de euros.

A EON vai ficar assim com as unidades de retalho e de transporte de energia das duas empresas, enquanto a RWE vai ficar com o negócio de renováveis assim como parte da EON, avança a Bloomberg esta segunda-feira, 12 de Março.

O acordo está avaliado em 43 mil milhões de euros. A transacção implica que a EON passa a deter 76,8% da Innogy, com a RWE a receber 16,7% da EON. A EON também vai pagar cerca de cinco mil milhões de euros para comprar as acções detidas por minoritários, enquanto a RWE vai pagar 1,5 mil milhões à EON, empresa que chegou a estar na corrida à compra de 21% da EDP que foram privatizados em 2011.

Deste negócio vai assim nascer uma grande comercializadora e transportadora de energia, e uma empresa somente de produção de electricidade com um portefólio importante de energias renováveis.

Com os activos da Innogy, a EON vai ficar com capacidade de competir face às suas rivais europeias como a Enel, Iberdrola e Engie, empresas que tinham a intenção de avançar para a compra da Innogy.

As acções da Innogy dispararam 16% em Frankfurt, atingindo 40 euros. Já a EON sobe 6,3%, enquanto a RWE registou a maior subida desde Dezembro de 2015, apreciando mais de 14%.

A fusão acontece sete anos depois do acidente nuclear de Fukushima, altura em que a energia nuclear começou a ser bastante criticada na Alemanha. Pressionada pela opinião pública, Angela Merkel anunciou o encerramento das centrais nucleares do país até 2022. Ao mesmo tempo, o Governo alemão lançou o programa de transição energética "Energiewende", que promoveu as energias renováveis no país.

Apanhadas no meio desta transição energética, tanto a EON como a RWE viram o seu valor de mercado cair, registaram milhões de perdas, e perderam peso face às suas grandes rivais europeias, como a italiana Enel e a Electricite de France.

"Esta é uma hipótese para duas empresas-chave alemãs de energia", disse o deputado Joachim Pfeiffer do partido CDU/CSU, a força de Angela Merkel. "Há 15 anos, estas empresas eram actores globais. Agora olhem para elas, são uma sombra do que foram. Agora têm a oportunidade de se tornarem importantes de novo, tanto na Alemanha como na Europa".

No entanto, empresas do sector energético já estão a alertar para os riscos de concentração no mercado com esta operação. "Uma mega-empresa está a ser criada, sem paralelo no mercado. Isto é um perigo para a concorrência no mercado energético e pode levar a preços mais elevados para os consumidores. Esta fusão deve ser escrutinada", defendeu Wilfried Gillrath, director da Lichtblick SE, empresa que comercializa energia renovável.
Ver comentários
Saber mais EON RWE Innogy Governo EDP energia electricidade
Mais lidas
Outras Notícias