Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Eletricidade fica 35% mais cara em Portugal e Espanha na terça-feira

O preço médio por MWh para esta terça-feira é o sexto mais elevado de sempre e o valor mais alto desde 10 de março.

Em Portugal, as 920 mil famílias que estão no mercado regulado não vão pagar os valores de ajuste que resultarem do mecanismo ibérico.
Nuno André Ferreira
Negócios com Lusa 22 de Agosto de 2022 às 19:20
  • Partilhar artigo
  • 21
  • ...
A eletricidade em Portugal e Espanha vai aumentar 35% esta terça-feira, para um preço médio de 365,33 euros por megawatt-hora, o valor mais alto desde 10 de março, dias depois da invasão russa da Ucrânia, e o sexto mais caro de sempre, segundo dados oficiais.

Esta subida tem já conta o mecanismo ibérico que entrou em vigor a 15 de junho, depois de acordado por Portugal e Espanha com a Comissão Europeia, e que coloca um preço máximo ao gás usado pelas empresas de energia para produzir eletricidade (de 40 euros por MWh, apesar de nos mercados europeus estar a valer mais de 280 euros por MWh nos contratos de futuros).

Este "travão" prevê que as produtoras de energia elétrica sejam compensadas pela diferença entre o que lhes custa o gás no mercado grossista e o preço definido pelo mecanismo (valor de ajuste), sendo que o custo dessa compensação é dividido por todos consumidores com contratos indexados ao mercado spot, ou com contratos renovados depois de 26 de abril.

Em Espanha, o universo dos consumidores chamados a pagar este valor de ajuste do mecanismo é muito maior do que em Portugal. Isto porque 40% das famílias permanecem ainda na tarifa regulada, também ela exposta ao mercado grossista, com atualização mensal. Já em Portugal, o Governo deu conta que em julho apenas 29% dos consumidores estariam a pagar o ajuste do mecanismo ibérico.

O preço médio diário a praticar esta terça-feira no mercado ibérico (MIBEL) é de 182,93 euros por MWh, ao qual acresce ainda o custo do ajuste, que ascende a 182,40 euros. Assim, o custo final atinge os 365,33 euros, sendo os custos do ajuste responsáveis por praticamente metade desse valor.

Apesar da subida de 35% do preço de eletricidade na Península Ibérica esta terça-feira, segundo os operadores dos mercados ibéricos elétrico e do gás (OMIE e Mibgas) os consumidores poderiam pagar ainda mais cerca de 110 euros pelo MWh (476,77 euros por MWh) se não existisse o mecanismo ibérico, que está em vigor desde 15 de junho.

Para além do aumento dos preços do gás, agravado pelo impacto da guerra na Ucrânia, iniciada em 24 de fevereiro com uma invasão militar russa, há este ano maior quantidade de gás a ser usada para produzir eletricidade por causa da seca, que reduziu as capacidades de água armazenada em barragens e disponível para produzir energia.

Segundo os dados mais recentes do Governo espanhol, as reservas de água nas albufeiras espanholas estão em 37,9% da capacidade total, o nível mais baixo desde 1995.

Entre 01 de janeiro e 15 de agosto, a produção de eletricidade em centrais hidráulicas em Espanha registou o valor mais baixo desde 1992 e foi metade da média anual para estes meses do ano.

No ano passado, por exemplo, as centrais hidroelétricas espanholas tinham gerado o dobro de energia do que aconteceu este ano (22.6000 gigawatts por hora contra 11.400 este ano), segundo dados oficiais publicados hoje pelo jornal El Pais.

Apesar do aumento da capacidade instalada para usar fontes de energia renovável para produzir eletricidade (como a energia solar), a queda da capacidade das hidroelétricas tem sido substancialmente compensada com a utilização de gás, nas centrais com ciclo combinado.

Ainda assim, nas últimas duas semanas, o consumo de eletricidade em Espanha tem diminuído, tanto em comparação com o mesmo período de 2021 como em relação às semanas anteriores, coincidindo com a entrada em vigor de "medidas urgentes" de poupança aprovadas pelo Governo espanhol.

Na primeira semana em que esteve em vigor esse "plano de choque de poupança e eficiência energética na climatização", que terminou em 15 de agosto, o consumo de eletricidade diminuiu 3,7% em relação à semana anterior e 1,8% comparando com os mesmos dias de 2021.

Na segunda semana, a queda no consumo foi 9,5% em relação aos sete dias anteriores e 8,6% comparando com o ano passado, segundo dados divulgados hoje pelo Governo espanhol.

As medidas adotadas em Espanha para poupar eletricidade incluem a obrigação de o ar condicionado para refrigerar espaços públicos, culturais ou comerciais não poder estar abaixo dos 27 graus. Além disso, a iluminação das montras tem de estar apagada às 22:00 e o mesmo acontece com a de edifícios públicos que a essa hora não estejam a ser usados.

Estas medidas foram aprovadas n âmbito do acordo entre os países da União Europeia para haver uma poupança global no consumo de energia de 15% entre 01 de agosto e 31 de março de 2023, comparando com a média dos últimos cinco anos no mesmo período, atendendo à ameaça de corte de fornecimento de gás à Europa por parte da Rússia.

No caso de Espanha, menos dependente, como Portugal, do gás russo do que outros países da UE, o compromisso é uma poupança de 7%.
Ver comentários
Saber mais Eletricidade Portugal Espanha energia
Outras Notícias