Indústria Promoção da auto-estima da fundição: “Ficámo-nos ou vamos a isto?”

Promoção da auto-estima da fundição: “Ficámo-nos ou vamos a isto?”

Fazer da fundição o paradigma da economia circular em Portugal e promover a auto-estima de quem investe e labora nesta indústria são duas das linhas orientadoras do plano estratégico do sector, que tem apenas 40 empresas e exporta 90% das vendas de mais de 600 milhões de euros.
Promoção da auto-estima da fundição: “Ficámo-nos ou vamos a isto?”
Indústria portuguesa de fundição deverá ter como ambição corporizar "o paradigma da economia circular em Portugal".
Rui Neves 17 de maio de 2018 às 18:34

"Uma indústria com uma expressão económica não muito significativa, se se quiser afirmar, precisa de uma estratégia que é tão mais necessária quanto o número de empresas for diminuto e a diversidade entre elas, de especialização ou dimensão, grande. É o caso da fundição", começou por afirmar o economista Alberto Castro, no Congresso Nacional de Fundição, que decorre esta quinta-feira, 17 de Maio, no edifício da Alfândega do Porto.

 

"Se quiser ser protagonista, a fundição tem de construir um desígnio comum", defendeu Alberto Castro, director do Centro de Estudos de Gestão e Economia Aplicada da Universidade Católica e responsável pela equipa que elaborou o plano estratégico desta indústria.

 

Numa pequena análise SWOT, identificou, como fraquezas do sector, a sua "pequena dimensão" - com cerca de 40 empresas, na sua maioria PME -, "reduzida visibilidade e influência, fragilidade da imagem, multiplicidade de especializações e dificuldade em reter e captar trabalhadores". Entre as ameaças, destaca-se a "intensificação da concorrência internacional.

 

No capítulo das forças, estamos perante um sector "angular", com "algumas unidades de referência" e uma "estrutura financeira razoavelmente sólida", reconhecido pela sua "tradição e resiliência, bem como com "capacidade de competir e exportar".

 

Já a economia circular encabeça a lista de oportunidades do sector. "Fazer da fundição portuguesa o paradigma da economia circular em Portugal" é, aliás, a grande "ambição" do plano estratégico desta indústria.

 

"Promover a auto-estima de quem investe e labora no sector, dar visibilidade ao que de bem e bom já se faz e comunicar melhor e melhorar a imagem" desta actividade são três dos vectores a precisar de ser trabalhados.

 

"Bandeira única: Uma indústria exemplar"

 

Tendo como "bandeira única: Uma indústria exemplar", a Associação Portuguesa de Fundição (APF), que encomendou o documento, deverá agora dar sequência a um plano de acção para concretizar a ambição traçada.

 

De acordo com as orientações apresentadas por Alberto Castro, o plano de acção deverá conter, entre outras, "iniciativas no plano da ‘inteligência económica e análise de conjuntura, comunicação e imagem, formação e recrutamento, condições de produção e trabalho".

 

Ambição excessiva? "Há quem se tenha tornado na indústria mais sexy da Europa", atirou Alberto Castro, numa alusão ao sector português do calçado.  

 

"Houve várias estratégias ambiciosas que falharam. Mas nunca houve uma estratégia ‘modestinha’ que tenha produzido grandes resultados", alertou.

 

E terminou a sua apresentação com um toque a reunir dos industriais portugueses da fundição: "Como se diz cá por cima: ficámo-nos ou vamos a isto?"  

 

De acordo com a APF, a indústria portuguesa de fundição fechou 2017 com "uma facturação de 602 milhões de euros", mais 21 milhões do que no ano anterior, com as exportações a valer perto de 90% do total, e "emprega mais de 6.200 mil trabalhadores".

 

A indústria automóvel, com destaque para o mercado europeu, é o principal cliente do sector, representando quase 80% da facturação.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo Há 6 dias

É que está aí uma m@rda de português!

pub