Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Impresa reduz 74% dos prejuízos para 858 mil euros

Foi pelo lado da redução dos custos que a detentora da SIC conseguiu melhorar o resultado líquido do primeiro trimestre, já que as receitas se mantiveram em queda, nomeadamente no campo da publicidade e da circulação. A Impresa mantém-se, contudo, com prejuízos, apesar de ter registado uma melhoria dos resultados operacionais.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

A quebra dos custos foi mais acentuada do que a descida das receitas e, por isso, a dona da SIC conseguiu melhorar os resultados operacionais no primeiro trimestre de 2013. Contudo, a Impresa não foi capaz de apresentar lucros no referido período.

 

O prejuízo da empresa dirigida por Pedro Norton (na foto) foi de 857,8 mil euros nos primeiros três meses do ano, o que reflecte uma descida de 74% face ao resultado líquido negativo de 3,3 milhões de euros alcançado no período homólogo. A apresentação de prejuízos é “habitual no primeiro trimestre de cada ano”, segundo considera a companhia.

 

O resultado líquido da Impresa, divulgado pela empresa em comunicado emitido à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), é menos negativo do que antecipado pela casa de investimento do BPI, que esperava um prejuízo de 900 mil euros.


A apresentação de um prejuízo inferior ao do trimestre anterior foi conseguido numa altura em que os resultados operacionais da companhia detida por Francisco Pinto Balsemão melhoraram. O EBITDA (resultado antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) alcançou os 3,6 milhões de euros entre Janeiro e Março, mais do que triplicando o valor do mesmo período do ano anterior, 1,1 milhões. A margem de EBITDA avançou de 2% para 7%.

 

Jornais e revistas ajudam custos, SIC apoia receitas

 

A melhoria do EBITDA foi conseguida pelo desempenho da empresa a nível de custos operacionais, cuja descida compensou a queda das receitas. A empresa, que além da SIC é dona do “Expresso” e da “Visão”, registou uma descida de 6,7% dos custos operacionais para os 48 milhões de euros, “como consequência, principalmente, das medidas de reestruturação tomadas em 2011 e 2012”. Essas medidas envolveram o fecho de publicações e rescisões com vários trabalhadores. A maior parte do corte de custos ocorreu na secção de “publishing” (jornais e revistas).


“Deste modo, os custos variáveis caíram 5,2%, com os custos de produção e de programação a serem os principais responsáveis por esta descida, e os custos fixos desceram 9,4%, devido à redução dos custos com pessoal e de custos com fornecimento e serviços externos”, especifica o comunicado.

 

No campo das receitas, também houve uma descida, neste caso de 1,8% para 51,6 milhões de euros. O maior deslize, de 9,7%, foi sentido pelos proveitos com as vendas de publicações – a empresa considera que a comparação é afectada pelo facto de se estar a comparar com um período em que detinha mais publicações.

 

As receitas publicitárias não escaparam às quedas, com uma descida de 5,8%, sendo que os proveitos com a subscrição de canais temáticos recuaram 1,2%, “devido à retracção do mercado doméstico, não totalmente compensada pelo crescimento de 9,9% da área internacional”. O ponto positivo veio do aumento de 35,5% das receitas de multimédia, ajudadas sobretudo pela SIC.

 

Segundo o mesmo documento, “a dívida líquida, no final do primeiro trimestre de 2013, cifrava-se em 213,4 milhões de euros, uma redução de 10,1 milhões de euros face ao trimestre homólogo [4,5%]”.

 

Controlo de custos é para continuar

 

No comunicado emitido esta quarta-feira, a empresa liderada por Pedro Norton afirma ter-se preparado “para enfrentar uma conjuntura ainda muito adversa em 2013”.

 

“Neste sentido, e tendo como principais objectivos a melhoria dos resultados operacionais, a diversificação das receitas, a continuação do esforço de redução do passivo remunerado e o regresso aos resultados líquidos positivos, a Impresa vai continuar a manter um apertado controlo dos custos operacionais e a aposta na conquista de quota de mercado”, acrescenta o comunicado da empresa.

 

Em Março, aquando da apresentação dos resultados anuais, a empresa do grupo detido por Pinto Balsemão tinha antecipado a expectativa de regressar aos lucros em 2013. Nessa altura, foi afastada a intenção de se efectuarem novas reestruturações no grupo, além das que ocorreram nos anos anteriores.  

Ver comentários
Saber mais Impresa Pedro Norton Francisco Pinto Balsemão SIC Expresso Visão resultados
Mais lidas
Outras Notícias