Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Inteligência artificial: 40.ª mais poderosa diz que Portugal “não tem medidas de ação”

Daniela Braga, que faz parte, a convite do presidente dos Estados Unidos, da restrita equipa que vai definir a estratégia para a inteligência artificial nos EUA, diz que em Portugal é preciso “muito mais investimento” nesta área, a começar pelo Estado.

Daniela Braga, fundadora e diretora-executiva da DefinedCrowd.
Negócios com Lusa 18 de Setembro de 2021 às 10:22
  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...

A especialista em inteligência artificial Daniela Braga classifica como "uma declaração de intenções" a estratégia definida para o setor em Portugal, onde é preciso "muito mais investimento", a começar pelo Estado.

Daniela Braga, fundadora e diretora-executiva da DefinedCrowd, empresa com sede nos Estados Unidos que produz dados para sistemas de inteligência artificial e aprendizagem automática, faz parte de um grupo de trabalho que vai definir a estratégia para a inteligência artificial neste país, e entrou este ano para o "ranking" dos 50 Mais Poderosos de Portugal, lista elaborada anualmente pelo Negócios.

 

A empresária de 43 anos considera que, na área da inteligência artificial, Portugal pode liderar o polo dos chamados serviços cognitivos, processos computacionais baseados em algoritmos bastante complexos de inteligência artificial e aprendizagem automática.

"Temos uma tradição académica muito forte, pessoas de renome internacional, e empresas", justificou, em declarações à agência Lusa.

Contudo, para colocar o país no mapa nesta área, será preciso "muito mais investimento, e focado em inteligência artificial". Investimento público e privado, com este último a ser impulsionado necessariamente pelo Estado, realçou.

No grupo de trabalho para o qual foi designada em junho, de um dia para o outro, em representação das pequenas e médias empresas tecnológicas, Daniela Braga tem a seu cargo os recursos de dados.

Ficou "muito surpreendida" com a nomeação, não obstante trabalhar com dados para sistemas de inteligência artificial há 21 anos.

A sua "experiência global", que se estendeu por três continentes (Europa, Ásia e América), onde trabalhou, e o facto de ser das poucas mulheres a liderar uma empresa na área terão valido como "ingredientes únicos" para fazer parte de uma estrutura que pretende "democratizar o acesso a dados e a ferramentas" de inteligência artificial, um setor a progredir a grande velocidade e em que "o mercado está mais competitivo", sublinhou.

Sobre a estratégia portuguesa para a inteligência artificial, que se propõe "promover a investigação e a inovação nesta área específica, em prol do seu desenvolvimento e aplicação em campos como a administração pública, o ensino, a formação e as empresas", Daniela Braga entende que é "mais uma declaração de intenções".

"Não tem medidas de ação", criticou.

Ver comentários
Saber mais inteligência artificial ia daniela braga definedcrowd
Outras Notícias