Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Tencent com recuo nas receitas pela primeira vez desde entrada em bolsa

A maior tecnológica chinesa registou uma diminuição de 3% nas receitas para 134 mil milhões de renminbis (19,4 mil milhões de euros), algo que não sucedia desde a sua estreia na bolsa de Hong Kong, em 2004.

David Kirton/Reuters
  • Partilhar artigo
  • ...
A tecnológica chinesa Tencent, registou o primeiro trimestre com uma diminuição nas receitas em termos de vendas desde a sua entada em bolsa, há 18 anos. As contas da empresa entre abril e junho ficaram abaixo das expectativas dos analistas.

Entre as justificações apontadas para os resultados estão os confinamentos na China devido à pandemia de covid-19, resultado da política de "covid-zero" de Pequim. A empresa tem cerca de um terço dos lucros resultantes das vendas de videojogos e tem assistido a um aumento da regulação no país, aspetos que têm levado a menos vendas.

Este é um golpe de peso para a gigante de "gaming" e dona da aplicação WeChat, que regista crescimentos nos lucros na casa dos dois dígitos desde que entrou em bolsa, em 2004.

Nos resultados divulgados esta quarta-feira a Tencent explica que as receitas recuaram 3% para 134 mil milhões de renminbis (19,4 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual).

De acordo com fontes citadas pela Reuters, a tecnológica tem vindo a reduzir o portfólio de participações em empresas, seguindo as imposições do regulador chinês, e diminuir, assim, os lucros exorbitantes. O grupo baseado na cidade de Shenzhen perdeu quase 60% do valor bolsista desde fevereiro de 2021.

Ainda com objetivos de satisfazer o regulador do país, esta terça-feira a Reuters avançou, em exclusivo, que a Tencent estava a estudar a hipótese de vender toda ou quase toda a participação de cerca de 17% que detém na empresa de entregas de comida Meituan, no valor de 24 mil milhões de dólares (23,6 mil milhões de euros).
Ver comentários
Saber mais Tencent Reuters economia negócios e finanças Informação sobre empresas mercado e câmbios macroeconomia regulamentação
Outras Notícias