Pharol propõe Maria Modesto para a administração e passa a cumprir quotas de género

O nome de Maria Leonor Modesto para administradora da Pharol vai ser votado no próximo dia 7 de Setembro em AG. Com esta nomeação, a Pharol passa a cumprir as quotas de género.
Bruno Simão/Negócios
pub
Sara Ribeiro 30 de agosto de 2018 às 13:11

A Pharol anunciou que vai propor o nome de Maria Leonor Modesto para administradora. A nomeação da professora catedrática na Católica Lisbon School of Business and Economics vai ser votada em assembleia geral de accionistas no próximo dia 7 de Setembro. Este será o ponto um da ordem de trabalhos, de acordo com o comunicado enviado esta quinta-feira, 30 de Agosto, à CMVM.

A entidade liderada por Luís Palha da Silva, explica que esta nomeação decorre no seguimento das recentes eleições do "board" para o triénio 2018/2020. A 18 de Maio a empresa anunciou o nome dos 9 administradores eleitos, faltando a eleição de um nome.

O décimo administrador tinha que ser necessariamente mulher, para que o género subrepresentado garanta os 20% exigidos a partir de 1 de Janeiro de 2018 pela lei para as empresas cotadas.

O conselho eleito na AG de 25 de Maio tinha apenas uma representante feminina: Maria do Rosário Pinto Correia isto porque um dos elementos inicialmente propostos - Maria Rita Sousa Coutinho – pediu para o seu nome ser retirado da lista poucos dias antes da assembleia electiva.

Nessa mesma reunião, Palha da Silva viu renovado o seu mandato como presidente da empresa, ficando como seus vogais Jorge Cardoso (Novo Banco), Nelson Tanure, Aristóteles Drummond, Bryan Schapira (pela Adar), Maria do Rosário Pinto Correia, Pedro Morais Leitão, Jorge das Neves e João de Castro (Visabeira). Bryan Schapira é a grande novidade destes nomes, já que a Adar ao atingir 10% quis um assento na administração.

pub

pub