Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Negociações salariais na Altice evoluiram enquanto decorria protesto

Sindicalistas representantes dos trabalhadores da MEO/Altice concentraram-se esta segunda-feira junto à empresa, enquanto ali decorria uma reunião negocial em que os sindicatos baixaram a sua proposta de aumentos salariais e a empresa "subiu ligeiramente" a sua.

Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, lançou um novo programa de rescisões.
Vitor Mota
Lusa 06 de Dezembro de 2021 às 20:29
  • Partilhar artigo
  • ...


Dirigentes e delegados sindicais do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisuais (SINTTAV), do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações (SNTCT) e do Sindicato dos Trabalhadores de Telecomunicações e Comunicação Audiovisuais (STT), que representam os trabalhadores da Altice, realizaram um plenário frente às instalações da empresa, à mesma hora que se realizava mais uma reunião de negociação com a administração, para exigir o aumento real dos salários.

"O plenário foi muito participado, reafirmámos a necessidade de aumentos salariais generalizados e que compensem o congelamento dos últimos anos, e na reunião mostrámos a nossa disponibilidade negocial baixando bastante a nossa proposta enquanto a empresa subiu ligeiramente a sua", disse à agência Lusa Paulo Gonçalves, dirigente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), uma das estruturas que integra a frente sindical que negoceia com a MEO/Altice.

A Altice Portugal apresentou em meados de outubro aos sindicatos uma proposta de aumentos salariais entre os 0,5% e 1%, que hoje reformulou, passando a propor aumentos de 1,5% para quem ganha até 760 euros, de 1% para quem ganha entre 761 euros e 1.500 euros e de 0,5% para quem ganha até 3.000 euros.

Para os trabalhadores com salários acima dos 3.000 euros não estão previstos aumentos por parte da empresa.

A proposta da 'Frente Sindical' prevê um aumento para todos os trabalhadores, de 40 euros, e a fixação do salário mais baixo da empresa nos 800 euros.

A melhoria dos critérios da avaliação de desempenho, das progressões e promoções são outras das reivindicações dos sindicatos.

Os sindicatos vão reunir-se esta semana para analisar a nova proposta da empresa e decidir o que fazer.



Ver comentários
Outras Notícias