Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Oi agrava prejuízos para 655 milhões de euros até Junho

A Oi, que tem a Pharol como maior accionista, teve prejuízos de 2,3 mil milhões de reais (655 milhões de euros), um aumento de 168,6% face ao semestre homólogo. A dívida subiu 19,5% para 41,3 mil milhões de reais.

oi brasil operadora
Reuters
Sara Ribeiro sararibeiro@negocios.pt 11 de Agosto de 2016 às 12:37
  • Assine já 1€/1 mês
  • 7
  • ...

A Oi registou prejuízos de 2,3 mil milhões reais (655 milhões de euros) no primeiro semestre do ano. Um valor que representa um aumento 168,6% face ao registado pela operadora, que está em recuperação judicial, no mesmo período do ano passado.

De acordo com as contas divulgadas esta quinta-feira, 11 de Agosto, tendo em conta só o segundo trimestre, a Oi registou um resultado negativo de 656 milhões de reais (187 milhões de euros), um valor que representa um agravamento de 60% face ao mesmo período de 2015.

A Oi justifica esta evolução com a diminuição dos resultados operacionais, bem como com "o aumento das despesas com imposto de renda e contribuição social, explicado principalmente pela redução do IR/CS diferido (sem efeito caixa) sobre a variação cambial das operações financeiras". Ou seja, como resultado da desvalorização do dólar e do euro no final do trimestre.

A operadora sublinha ainda que a comparação do lucro consolidado está impactada pelo resultado das operações descontinuadas relativas à PT Portugal no segundo trimestre de 2015. A dona da Meo passou para as mãos da Altice a 2 de Junho desse ano.

O EBITDA (resultados antes de juros, impostos, amortizações e depreciações) recuou 18,1% para 3,2 mil milhões de reais (cerca de 900 milhões de euros), com a margem EBITDA também a encolher 4,2 pontos percentuais para 24,1%.

As receitas totais caíram 3,9% para 13,2 mil milhões de reais (3,7 mil milhões de euros). A operadora, que tem a Pharol como maior accionista, explica que as receitas no Brasil caíram 3,5% devido "à deterioração macroeconómica", que teve especial impacto no segmento móvel na modalidade pré-paga.

Já a dívida líquida no final de Junho situou-se em 41,3 mil milhões de reais (11,7 mil milhões euros), um aumento de 19,5% face ao mesmo período do ano anterior.

A Oi explica que no segundo trimestre houve uma redução do montante em caixa devido às amortizações de dívidas e pagamento de juros, bem como do pagamento da última parcela da licença 3G. Além disso, o valor das rescisões dos trabalhadores e o pagamento de depósitos judiciais também icontribuíram para aumentar a dívida da operadora.


O investimento (Capex) aumentou 19,7% para 2,5 mil milhões de reais (cerca de 700 milhões de euros). A Oi explica que no último trimestre os investimentos forma concentrados " na modernização e ampliação da capacidade da rede", nomeadamente nas infra-estruturas ma rede móvel.


(Notícia actualizada às 13:00 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Rio de Janeiro Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro Portugal Telecom Anatel Pharol Oi dívida recuperação judicial dívida
Mais lidas
Outras Notícias