Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CEO da TAP reitera que integrar grande grupo de aviação contribuirá para resiliência futura

"Fazer parte de um grande grupo seria uma fonte de resiliência para o futuro", considerou Ourmières-Widener, durante um encontro com imprensa estrangeira, em Lisboa.

Mariline Alves
Lusa 22 de Setembro de 2022 às 19:23
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...
A presidente executiva (CEO) da TAP, Christine Ourmières-Widener, disse esta quinta-feira que a integração da companhia num grande grupo de aviação contribuirá para a sua resiliência futura, embora não tenha adiantado prazos para o processo de reprivatização.

"Fazer parte de um grande grupo seria uma fonte de resiliência para o futuro", considerou Ourmières-Widener, durante um encontro com imprensa estrangeira, em Lisboa, no qual garantiu que a administração da TAP "dará apoio em qualquer processo".

Vários meios de comunicação têm noticiado que o Governo prevê lançar o processo de reprivatização da TAP, no qual estariam interessadas a Lufthansa, a Air France/KLM e o grupo IAG (British Airways e Iberia), embora este último fosse o pior posicionado porque poderia prejudicar a plataforma de conexão ('hub') da empresa no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Segundo a EFE, a gestora considerou que seria "inadequado" fazer comentários sobre os potenciais compradores e não adiantou prazos para uma eventual venda, mas defendeu que a companhia aérea é uma "oportunidade fantástica" dentro da Europa.

"Temos uma das frotas mais modernas da Europa", sublinhou.

A presidente executiva da TAP reconheceu que as previsões macroeconómicas que apontam para uma possível recessão são motivo de preocupação para a companhia aérea, mas apontou que a situação não é igual em todos os países.

"Dos destinos para onde viajamos vemos que ainda há um apetite significativo", explicou, embora admitindo que existe uma preocupação particular com o mercado britânico.

Este ano, os custos com combustíveis vão aproximar-se de 1.000 milhões de euros, um valor superior ao orçamentado pela companhia aérea.

A empresa está especialmente comprometida com o mercado brasileiro, onde já tem "grande presença", e vê potencial para aumentar as frequências dos 11 destinos que já opera naquele território.

Por isso, as iminentes eleições presidenciais no Brasil "são de relevante importância" para a companhia aérea.

A TAP foi altamente afetada pela pandemia, tendo recebido auxílios estatais de cerca de 3.200 milhões de euros e passado a ser totalmente detida pelo Estado.

Ver comentários
Outras Notícias