Transportes Terminal Vasco da Gama em Sines deverá ser concessão a 50 anos

Terminal Vasco da Gama em Sines deverá ser concessão a 50 anos

Ana Paula Vitorino garante que existem vários interessados no novo terminal de Sines,  alguns dos quais são empresas chinesas. A ministra do Mar diz que a concessão do Vasco da Gama deverá ter mais 20 anos do que as atuais por causa dos prazos de amortização do investimento.
Terminal Vasco da Gama em Sines deverá ser concessão a 50 anos
Tiago Petinga/Lusa
Maria João Babo 08 de maio de 2019 às 12:21

A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, adiantou esta quarta-feira no Parlamento que o concurso para o novo terminal Vasco da Gama, em Sines, "prevê um prazo substancialmente superior aos 30 anos que têm sido usados" nas concessões portuárias "porque o investimento que vai ser feito aponta para prazos de amortização substancialmente superiores".

"O prazo em princípio será de 50 anos. Não porque é número redondo, mas foi o que resultou das avaliações económico financeiras", afirmou Ana Paula Vitorino, que garantiu ainda aos deputados que o concurso "vai ter exigências que não havia antes".

Em fevereiro passado, a OCDE, num estudo sobre a economia portuguesa, criticou a duração "excessiva" das concessões portuárias, defendendo que os contratos devem determinar um nível mínimo de investimento em que o operador deve incorrer, além de que as concessões existentes não devem ser renovadas sem a abertura de concurso público.


"Nas novas concessões vamos fazer exigência de prestação de mais informação, inclusive em termos laborais", garantiu.

Segundo a ministra, o terminal Vasco da Gama, que tem previsto um investimento da ordem dos 600 milhões de euros por parte de privados, "só é lançado depois de termos a confirmação nacional e interessados que há interessados e que os estudos ambientais estão todos feitos".


Ana Paula Vitorino escusou-se a indicar nomes de empresas interessadas no projeto, mas garantiu que "existem vários interessados no novo terminal de Sines", sendo que "alguns desses interessados são empresas chinesas de várias naturezas".

A ministra do Mar disse ainda que na sua última visita foi-lhe "garantido que a ‘rota da seda’ marítima atinja também o sistema portuário nacional, preferencialmente em Sines".




Saber mais e Alertas
pub

Marketing Automation certified by E-GOI