Turismo & Lazer Portugal lança centro de inovação para dinamizar start-ups do turismo

Portugal lança centro de inovação para dinamizar start-ups do turismo

O Centro de Inovação do Turismo vai lançar 11 programas de aceleração e incubação de start-ups, num total de 250 novas empresas espalhadas "por todo o país".
Portugal lança centro de inovação para dinamizar start-ups do turismo
Bruno Simão
Wilson Ledo 22 de maio de 2017 às 19:02

"Com grande dinâmica", Portugal viu surgir 1.500 novas start-ups no sector do turismo em 2016, apontou a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho (na foto) esta segunda-feira, 22 de Maio.

Para fazer crescer essa tendência, no âmbito do programa Turismo 4.0, foi lançado agora o Centro de Inovação do Turismo.

A nova entidade terá como um dos seus objectivos o apoio a ideias e start-ups, afirmando-se como uma "academia". Porque foi "identificada a necessidade de contagiarmos a indústria tradicional com a inovação", explicou Ana Mendes Godinho.


Aqui serão também monitorizadas tendências e lançados novos produtos e serviços que venham responder a essas necessidades referenciadas, sem esquecer a vertente da internacionalização e da captação de empresas estrangeiras.


Uma das primeiras acções deste Centro de Inovação do Turismo, aproveitando protocolos já existentes, é o lançamento de 11 programas de aceleração e incubação de start-ups, num total de 250 novas empresas espalhadas "por todo o país".


Constituído como uma associação de direito privado, o novo centro deverá ter portas abertas no segundo semestre de 2017, depois de encontrados os parceiros "dentro e fora do sector", que serão também responsáveis pelo seu financiamento. "Não queremos que seja um centro exclusivo do turismo. A ideia é que o Centro de Inovação lidere todas as iniciativas", explicou Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal.


Nesses parceiros poderão contar-se empresas. Na apresentação do projecto esteve presente o grupo Pestana. "O wi-fi é a água quente do passado", comparou o CEO José Theotónio para demonstrar que a vertente "digital tem de trespassar toda a organização". Prova disso é o facto da administração do maior grupo hoteleiro dedicar um dia por mês a ouvir propostas de start-ups.

Atitude elogiada pelo ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, que definiu o novo centro como "mais um passo, uma alavanca para este sector".


O digital tem também um benefício na hora de receber os apoios previstos para o sector, estando prevista uma majoração de 10% no âmbito do programa Indústria 4.0, onde se integra esta abordagem para o turismo. Segundo Jaime Andrez, residente do programa Compete 2020, o sector do turismo já apresentou candidaturas a 526 projectos, com um investimento elegível de 359 milhões de euros. Desses, 216 milhões foram apoiados.


(Notícia actualizada às 20:31 com mais informação)

 

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI