Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Rui Moreira acusa TAP de impor "confinamento ao Porto e Norte" e "abandonar país"

O presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, acusou hoje a TAP de "impor um confinamento ao Porto e Norte" e de "abandonar o país" neste momento de pandemia em que Portugal "mais precisa" da transportadora aérea.

Lusa 26 de Maio de 2020 às 15:12
  • Assine já 1€/1 mês
  • 11
  • ...
"A realidade é simples: a TAP está a tentar impor um confinamento ao Porto e Norte e fá-lo na senda daquilo que tem sido a sua história. A TAP nunca perdeu o vínculo de ser uma empresa de caráter colonial e a sua estrutura nunca pensou de outra maneira", afirmou Rui Moreira, em conferência de imprensa, na Maia, no distrito do Porto, na qual vários autarcas da região e o presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal anunciaram, numa posição pública conjunta, que vão pedir a intervenção do Governo na TAP, cujo plano de retoma prevê para junho apenas três voos entre Porto e Lisboa.

Ao lado do presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) e dos presidentes de Câmara Municipal da Maia, Viana do Castelo e Vila Real, Rui Moreira pediu ao Governo e aos governantes que demonstrem "unidade nacional", lembrando que a região Norte foi "particularmente fustigada pelo novo coronavírus, "exatamente porque é uma região aberta", porque as empresas continuaram a "funcionar, porque exporta" e "porque trabalha".

"Se querem dar uma ajuda apenas para uma companhia de caráter regional, façam o favor e incorporem a TAP na Carris e façam o que quiserem. Não façam é de nós tontos, não façam, por favor, de nós loucos, porque esta região (...) foi aquela que mais contribuiu para o crescimento de produtividade nacional", disse, afirmando que o Norte não aceita a nova estratégia da TAP para a retoma da sua atividade.

"Não podemos aceitar esta situação. Se o Governo entender apoiar a TAP, só tem uma forma de o fazer, é exigir que a TAP retome, no momento em que retomar os voos, a mesma percentagem entre Lisboa, entre o Porto, entre Faro, entre a Madeira e os Açores", sublinhou.

Rui Moreira acrescentou que, no caso da TAP, o Governo tem uma "responsabilidade acrescida", porque decidiu retomar a "paridade no capital da TAP", revertendo uma decisão que tinha sido tomada anteriormente.

"O Governo tem de decidir mesmo. Das duas uma: ou [a TAP] é uma empresa privada que não serve o país, e então tem de encontrar meios de mobilizar financiamento onde quiser, ou é uma empresa participada pelo Governo, em que o Governo vai ter de lhe dar provavelmente mil milhões e então vai ter de ser tomada como um ativo estratégico nacional", acrescentou.

Rui Moreira considerou que a "TAP não é nem carne, nem peixe" e acusou a transportadora aérea de estar no Aeroporto Sá Carneiro "por oportunismo" e não "por estratégia", e que agora, num momento em que se encontra numa "situação de debilidade" e "na altura em que o país mais precisa, a TAP abandona o país.

"Porque estar só em Lisboa representa abandonar o país. Porque abandona Faro, e abandona o Funchal, e abandona os Açores e abandona o Norte. Esta é a realidade", disse o independente.

O presidente da Câmara do Porto disse que "a TAP é uma empresa privada quando quer tomar decisões e é uma empresa pública quando quer que os portugueses paguem os seus vícios, vícios esses criados não apenas em Portugal, mas também na operação ruinosa do Brasil", que "levou a TAP à situação atual".

Os pedidos para o Governo intervir na TAP alargaram-se no decorrer da conferência de imprensa, pelas vozes dos presidentes das câmaras da Maia, Silva Tiago, Viana do Castelo, José Maria Costa, Vila Real, Rui Santos, e do presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), Luís Pedro Martins.

"Acho que o senhor primeiro-ministro deve intervir neste processo. Já o fez há umas semanas quando veio ao Porto andar de metro e disse, claramente, que a TAP e o aeroporto estavam unidos e estavam numa comunhão frutuosa e, portanto, eu espero que ele intervenha e que ponha ordem nesta desordem que é concomitante com uma crise sanitária que nos avassala a todos", declarou o social-democrata Silva Tiago.

Também o presidente de Vila Real, Rui Santos, lembrou que o Aeroporto Sá Carneiro é uma "porta de entrada no Norte da Península Ibérica com impacto muitíssimo importante na atividade turística e económica na Área Metropolitana do Porto, Galiza, Interior Norte e Douro" , criticando a TAP por se dar ao "desplante de ignorar uma parte tão significativa do país" e lembrando que 50% dos acionistas representam o povo português.

"Importa agora instar o Governo de Portugal e em particular o seu primeiro-ministro a não ceder um milímetro na defesa nos melhores interesses da região Norte de Portugal e da Península Ibérica, impedindo mais um erro clamoroso do Conselho de Administração da TAP", disse o socialista Rui Santos.

o autarca socialista de Viana do Castelo, por seu turno, disse que esperava que "o bom senso voltasse" às decisões e que o Governo continuasse a pensar "que a TAP é uma companhia para todo o Portugal".

O presidente da TPNP criticou a TAP por ter anunciado apenas três voos semanais Porto/Lisboa dos 27 anunciados para junho, considerando que se trata de "uma humilhação para a região Norte" e para Portugal.

"Em vésperas de uma intervenção pública anunciada, após recentes discussões, tomadas de posições de entidades públicas, dos autarcas, dos partidos, do Governo, esta atitude da TAP é absolutamente inadmissível e é mesmo uma humilhação para a região Norte, uma humilhação para o país", afirmou Luís Pedro Martins.

Para o presidente da TPNP, a TAP só tem sentido enquanto "companhia bandeira, enquanto agregadora de todas as regiões do país, enquanto empresa que presta um serviço a todo o país".

"O contrário não faz sentido nenhum e desaguará numa autofagia totalmente incompreensível", concluiu.

A TAP publicou na segunda-feira o seu plano de voo para os próximos dois meses, que implica 27 ligações semanais em junho e 247 em julho, sendo a maioria de Lisboa.

No seu 'site', a companhia aérea avisa que as rotas podem vir a ser alteradas caso as circunstâncias o exijam.

A TAP tem a sua operação praticamente parada desde o início da pandemia, à imagem do que aconteceu com as restantes companhias aéreas, prejudicadas pelo confinamento e pelo encerramento de fronteiras apara conter a covid-19.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.
Ver comentários
Saber mais Viana do Castelo Rui Moreira Silva Tiago Conselho de Administração da TAP Norte de Portugal Península Ibérica
Mais lidas
Outras Notícias