Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

PPR para mim, PPR para ti

Perderam grande parte do charme fiscal que tinham, mas os PPR ainda são sinónimo de reforma mais ou menos desafogada. É preciso saber escolher.

Bruno Simão/Negócios
Deco Proteste 27 de Dezembro de 2017 às 11:29
  • Partilhar artigo
  • 2
  • ...
Ir ao banco e subscrever o primeiro plano de poupança-reforma (PPR) que o seu gestor de conta lhe apresentar, normalmente embrulhado numa linguagem técnica e hermética, e numa argumentação sedutora e sólida, é o equivalente a - perdoe-nos a liberdade de comparação - ir à praça comprar um pargo e perguntar à peixeira se o peixe é fresquinho. A única diferença é que o funcionário do banco não lhe vai responder: "É à confiança, freguês!"

Há centenas de PPR no mercado. No site da PROTESTE INVESTE, disponibilizamos uma ferramenta que permite comparar a rentabilidade de mais de 600 PPR e simular quanto podem os investidores ganhar ao transferirem o seu produto para outro mais rentável (ganhemaisnoppr.pt). A conclusão dos especialistas é que 99% dos PPR contratados não são a melhor aposta em termos de investimento. Grande parte, senão a maioria, dos portugueses desconhece o rendimento da sua aplicação, afinal de contas, um dos produtos de poupança mais populares.

Prova desta falta de conhecimento sobre a arquitetura dos PPR é o facto de mais de 90% do dinheiro aplicado em planos de poupança-reforma estar em produtos sob a forma de seguro, ou seja, de capital garantido, apontam os técnicos da PROTESTE INVESTE. Mas o PPR ideal para um pode não ser a escolha mais acertada para outro. O plano de poupança certo para cada um de nós varia ao longo da vida. Além de que há grandes diferenças na rentabilidade destes produtos. Os PPR sob a forma de seguro renderam em média 1,9% ao ano, nos últimos três anos, mas o mais rentável obteve 4,6 por cento. Nos PPR sob a forma de fundo (sem capital garantido), a diferença é ainda maior. O mais lucrativo registou uma rentabilidade de 9,2% ao ano, nos últimos três anos, mas a média foi de 2,3 por cento.

PPR antes dos 40 anos?

Aos 20, 30 anos, a idade da reforma parece tão longínqua como a cura da calvície. Mas se há verdade, na vida, é que ela vai chegar. Vale a pena subscrever um PPR nesta fase? Há vários motivos que um consumidor desta faixa etária pode invocar para não o fazer. Os planos de poupança-reforma têm pouca liquidez, implicam fortes penalizações no caso de o dinheiro investido ser resgatado fora das condições previstas na lei e já não oferecem benefícios fiscais atrativos. E, de facto, falta muito tempo para a reforma. Quem é que, antes dos 40, já está a projetar pescarias com os netos?

Não sendo a opção de investimento de eleição para esta fase da vida, pode, ainda assim, revelar-se uma escolha avisada e lucrativa. Elegendo um PPR sob a forma de fundo de investimento com parte aplicada em ações (ou seja, com maior potencial de valorização, ainda que a rentabilidade não esteja garantida), pode conseguir um bom pé-de-meia. A rentabilidade obtida nos últimos anos pelo Alves Ribeiro PPR, a nossa Escolha Acertada, é o argumento para pôr trintões a sonhar com a reforma. Investindo 50 euros por mês durante 36 anos, pode amealhar 156 mil euros... Se - e este é daqueles ses mesmo, mesmo, mesmo importantes - o PPR mantiver o rendimento dos últimos três anos durante todo esse período. E se o investidor conseguir ter folga no orçamento mensal para poupar aquele valor. E se não resgatar o dinheiro antes dos 66 anos.

Cheguei aos 40: é agora

Faltam 26 anos para a reforma. Comece a pensar no que vai fazer à poupança que pode conseguir com o Alves Ribeiro PPR, que também é Escolha Acertada para esta altura. Agora já não há como fugir à necessidade de subscrever um plano de poupança-reforma. Pode é dar-se ainda ao luxo de optar por um que case segurança com risco. Aplicando 50 euros por mês durante 26 anos, há a probabilidade de calçar as pantufas com 61 mil euros amealhados. Se - lá vamos nós outra vez - a rentabilidade dos últimos três anos se mantiver, já que os ganhos do passado não são garantia de riquezas futuras.

Não fuja já do risco. A máquina de calcular diz-lhe porquê: com um depósito a prazo ou um PPR sob a forma de seguro, que rendem 2% ao ano, teria no máximo 20 mil euros quando chegasse aos 66 anos...

Faltam 10 anos: adeus, risco

Este é o momento em que transfere o seu PPR mais volátil para um de maior segurança (nota extra: transferir um PPR sob a forma de fundo não implica custos; se o PPR tiver a forma de seguro, terá de pagar uma comissão máxima de 0,5 por cento). Nesta fase, já não tem margem para perder dinheiro. Agora quer é sopas e capital garantido. A nossa Escolha Acertada, o Lusitania Poupança Reforma PPR, permite-lhe juntar perto de 7500 euros, pondo de lado 50 euros por mês, durante 10 anos (mantendo a rentabilidade dos últimos três anos). Um depósito a prazo com um juro de 1% ao ano render-lhe-ia 6311 euros, ou seja, cerca de 1200 euros a menos. Se conseguir encontrar um depósito com esta taxa, porque a maioria não rende nem metade.

Reforma. Olá, dinheiro poupado!

Chegou o dia em que pode resgatar o seu PPR. Só tem de pagar 8% de imposto sobre o rendimento obtido. Porque é que isto é uma boa notícia? Porque o rendimento obtido com a maior parte dos produtos financeiros é taxada a 28 por cento. Se tivesse ganhado dez mil euros com um depósito, teria de entregar ao Fisco 2800 euros. Com um PPR, pagaria apenas 800 euros. Sempre são dois mil euros a mais para comprar canas de pesca.


Clique na imagem para ampliar

Este artigo foi redigido ao abrigo do novo acordo ortográfico.


Ver comentários
Saber mais PPR reforma Deco Proteste
Outras Notícias