Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

IMF – Eur/Usd falha tentativa de quebrar $1,2350. Mercado laboral dos EUA sob pressão no final de 2020

Testes de vacina contra Covid-19 no Brasil com 78% de eficácia; Eur/Usd recua após tocar $1,2350. Mercado laboral dos EUA sob pressão no final de 2020; Petróleo começa 2021 com ganhos semanais de 5%; Após atingir máximos de 2 meses, ouro recua e já está negativo em 2021.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

| Testes de vacina contra Covid-19 no Brasil com 78% de eficácia


A vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotech apresentou uma taxa de eficácia de 78% na prevenção contra a Covid-19 em ensaios de última fase final no Brasil, a prova mais definitiva até ao momento sobre a eficácia da vacina após dados anteriores terem suscitado dúvidas. A taxa de proteção, confirmada por funcionários do Estado de São Paulo, derivou dos ensaios de fase final mais avançados do Sinovac no Brasil, envolvendo cerca de 13 mil participantes. Vindo depois de os dados terem sido retidos numa atualização de progresso no final de dezembro, a taxa ainda está abaixo da eficácia de cerca de 95% verificada nas vacinas de ponta de mRNA desenvolvidas pela Pfizer e Moderna a serem implantadas nos EUA. Não obstante, é mais fácil de transportar e pode ser armazenada em temperaturas frigoríficas normais. A taxa de eficácia de 78% está também muito acima do valor de referência de 50% a 60% estabelecido pelas autoridades sanitárias mundiais para as vacinas em desenvolvimento no início da pandemia, dada a necessidade urgente.

Tecnicamente, o Eur/Brl tem vindo a lateralizar num intervalo entre os R$5,8 e R$6,8. Nas últimas semanas o par tem ganho ímpeto, podendo ser aguardado um teste ao limite superior deste intervalo.

 

| Eur/Usd falha tentativa de quebrar $1,2350. Mercado laboral dos EUA sob pressão no final de 2020


O Eur/Usd deu continuidade aos ganhos, chegando a testar níveis próximos de $1,2350. Não obstante, não obteve sucesso, acabando por corrigir ligeiramente em baixa. A última semana foi bastante preenchida. Os mercados não deram atribuíram grande importância aos protestos no capitólio, com a vitória democrata no Estado da Georgia a gerar otimismo. Tal acontece, pois, com esta vitória, o Partido Democrata dos EUA fica à frente das três principais instituições políticas do país: Casa Branca, Senado e Congresso. Esta maioria deverá facilitar a aprovação do pacote de estímulos na ordem de $900 mM para o combate à pandemia. Numa nota mais negativa, a economia norte-americana perdeu 140 mil postos de trabalho (Nonfarm Payrolls) em dezembro. Este foi o primeiro declínio em oito meses e sucede a um acréscimo de 336 mil empregos em novembro previsto. Desta forma, a economia norte-americana ainda só conseguiu recuperar metade dos 22,2 milhões de postos de trabalho perdidos entre março e abril. A taxa de desemprego manteve-se em 6,7%. Já na Zona Euro, a taxa de desemprego na Zona Euro, ajustada para a sazonalidade, desceu para 8.3% em novembro, de 8.4% em dezembro. Esta queda volta a afastar a taxa de desemprego dos máximos de mais de dois anos atingidos em julho, 8.7%. O número de desempregados caiu para 13.61 milhões, menos 172,000 em comparação com outubro.

A nível técnico, com as perdas das últimas sessões, o Eur/Usd dissipou ligeiramente a perspetiva bullish que vem a apresentar desde inícios de novembro de 2020, transacionando abaixo da linha de tendência ascendente (vermelho tracejado). O MACD também voltou a apresentar um ligeiro sinal de venda, podendo indicar que o par deverá continuar a recuar no curto-prazo, com o próximo suporte a situar-se nos $1,22.

 

| Petróleo começa 2021 com ganhos semanais de 5%


Os preços do petróleo encerraram a primeira semana de 2021 com ganhos de mais de 5%, renovando máximos de quase um ano. A contribuir para a forte valorização, no início da semana, a Arábia Saudita comprometeu-se a cortar a produção em cerca de 1 milhão de barris por dia entre fevereiro e março. Registou-se uma forte queda nos inventários de crude norte-americanos na semana passada, de 8,01 milhões de barris para os 485,5 milhões – a maior descida desde agosto. Para além disto, o controlo do Senado por parte do Partido Democrata também contribui para os ganhos da matéria-prima, visto que poderá ser implementada mais regulação no setor de produção de petróleo.

Tecnicamente, o crude quebrou a importante resistência dos $50. O "ouro negro" começa assim a apresentar uma perspetiva mais bullish para o curtíssimo-prazo, podendo ser aguardado um teste ao nível dos $55. No entanto, até ao momento não aparenta possuir a robustez necessária para o quebrar, existindo a possibilidade de uma lateralização entre os dois níveis.

| Após atingir máximos de 2 meses, ouro recua e já está negativo em 2021


Após atingir máximos de 2 meses nos primeiros dias do ano, em torno dos $1950, o ouro acabou por corrigir em baixa, estando já com uma performance negativa em 2021. A "blue wave" observada nos EUA, que está a levar os investidores a apostarem em ativos de maior risco, foi o principal fator a contribuir para as quedas do metal precioso. A valorização ligeira da moeda norte-americana, nas últimas sessões da semana, também contribui para a desvalorização do ouro.

Tecnicamente, nos finais de novembro, o ouro ressaltou perto dos $1750, dando seguimento aos ganhos nas semanas seguintes, renovando máximos dois meses, em torno dos $1950. Contudo, o metal precioso não consegui quebrar esta resistência e acabou por corrigir em baixa, seguindo a testar o suporte dos $1900. O MACD inverteu o sinal de compra, podendo indicar que o ouro irá dar seguimento às perdas, realizando um possível teste aos $1850 no médio-prazo.


As análises técnicas aqui publicadas não pretendem, em caso algum, constituir aconselhamento ou uma recomendação de compra e venda de instrumentos financeiros, pelo que os analistas e o Jornal de Negócios não podem ser responsáveis por eventuais perdas ou danos que possam resultar do uso dessas informações. Caso pretenda ver esclarecida alguma dúvida acerca da Análise Técnica, por favor contactar a IMF ou o Jornal de Negócios.

 

Ver comentários
Saber mais imf euro dólar edp crude ouro petróleo vacina Covid-19 Eur/Usd
Outras Notícias