Bolsa Jerónimo Martins puxa pelo PSI-20 com subida acima de 1%

Jerónimo Martins puxa pelo PSI-20 com subida acima de 1%

A bolsa nacional alinha-se no verde com a Europa, face ao aparente alívio de tensões entre os Estados Unidos e Irão. A Jerónimo Martins está no pódio dos ganhos a impulsionar, com uma subida de mais de 1%.
A carregar o vídeo ...
Ana Batalha Oliveira 09 de janeiro de 2020 às 08:27

A bolsa nacional abriu em alta, com o principal índice, o PSI-20, a valorizar 0,37% para os 5.246,37 pontos.  A contribuir para o desempenho positivo estão 11 cotadas no verde e apenas três a contrariar. Quatro seguem inalteradas.

A Europa volta a somar ainda animada pelo aparente apaziguar do conflito entre os Estados Unidos e Irão. Donald Trump avançou esta quarta-feira com sanções económicas sobre o rival do Médio Oriente, ao mesmo tempo que considerou que este está "a recuar". Esta ação, embora não ponha um ponto final no conflito, parece deixar mais longe o cenário de conflito armado entre as duas nações. Paralelamente, Teerão disse ter respondido de forma proporcional ao ataque que matou Soleimani depois de, na madrugada de terça-feira, ter lançado mais de uma dúzia de mísseis contra duas bases norte-americanas no Iraque, sem aniquilar qualquer cidadão americano.

Em Lisboa, a Jerónimo Martins é o peso pesado em destaque no verde, ao subir 1,34% para os 15,13 euros. A retalhista soma há quatro sessões consecutivas e está a cotar perto de máximos de meados de novembro. O BCP também apoia os ganhos da bolsa nacional com uma valorização de 0,49% para os 20,35 cêntimos.

Do outro lado do espetro, a EDP Renováveis e a Galp encabeçam as perdas. A empresa de energias limpas, que já não ganha há seis sessões, desce 0,78% para os 10,12 euros. A petrolífera cede 0,54% para os 15,52 euros, seguindo no mesmo sentido que a matéria-prima. O barril de Brent cai 0,09% para os 65,38 dólares, uma vez que o alívio das tensões entre os Estados Unidos e o Irão retira pressão do lado da oferta. 

A fechar a lista de cotadas em queda está a Pharol, que reduz 0,19% para os 10,26 cêntimos. Os acionistas da Pharol aprovaram na quarta-feira, 8 de janeiro, a redução do limite máximo do número de administradores de 11 para 7. Um ponto que foi aprovado por unanimidade e que tinha sido proposto pela Real Vida Seguros, que detém 4% da antiga PT SGPS. O objetivo desta proposta passa, segundo explicaram, pela redução de custos. E, nesse sentido, as intenções da empresa liderada por Gonçalo Pereira Coutinho passam por propor novos cortes no futuro.




Marketing Automation certified by E-GOI