Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Ramada disparou 35% com notícia do regresso ao PSI-20 para máximos de fevereiro

As ações da Ramada atingem um máximo de dez meses, com uma subida superior a 10% no dia de hoje. Desde que foi anunciado o seu regresso ao PSI-20, as ações valorizaram 35%.

Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 14 de Dezembro de 2020 às 13:19
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
As ações da Ramada estiveram a valorizar 12,55% na sessão desta segunda-feira para os 5,20 euros, o que representa um máximo desde o final de fevereiro deste ano. Desde que se soube do regresso ao índice PSI-20, cada título da empresa portuguesa apreciou 35%.

A liquidez continua a ser bastante superior ao normal, com quase 90 mil ações transacionadas. Um número bastante acima da média diária dos últimos seis meses de quase 14 mil ações.

A forte subida de hoje atenua a queda sofrida pelas ações em 2020. Desde o início do ano a Ramada acumula uma desvalorização de 10%, apresentando agora uma capitalização bolsista de 129 milhões de euros.

A promoção da Ramada a um lugar de destaque na bola nacional, que acontece a 21 de dezembro, surgiu devido à revisão trimestral da composição do índice PSI-20, ocupando a vaga deixada livre pela Sonae Capital. Desde março que a empresa estava afastada do PSI-20, depois de ter cedido o seu lugar à Novabase.

 

Com a entrada da empresa, o índice de referência nacional volta a ter 18 empresas, depois de ter ficado com apenas 17 componentes, na sequência da saída da Sonae Capital da bolsa portuguesa.
 

A entrada no PSI-20 é benéfica para as cotadas pois alarga o leque de potenciais investidores, que só investem em empresas com presença em índices de referência, ou mesmo os que replicam as carteiras dos índices. As ações tendem a beneficiar mesmo antes da inclusão no índice pois os investidores começam desde já a ajustar as suas carteiras.  

 

A escolha da Ramada surge depois da Sonae Capital ter saído do PSI-20 no final de outubro, após ter sido excluída do índice, na sequência da oferta pública de aquisição (OPA) lançada pela família Azevedo sobre o capital da empresa, na qual a "holding" passou a controlar mais de 90% dos direitos de voto da Sonae Capital.

A Euronext Lisbon, a gestora da bolsa, realiza três revisões trimestrais do índice, em junho, setembro e dezembro, com a revisão anual a ser realizada em março.

Ver comentários
Saber mais Ramada Sonae Capital economia negócios e finanças mercado e câmbios bolsa Informação sobre empresas macroeconomia mercado financeiro grandes empresas
Outras Notícias