Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Wall Street eufórica após dados da inflação nos EUA. Nasdaq sobe mais de 7%

O dia fechou em grande para as bolsas norte-americanas, com o S&P 500 e o Nasdaq Composite a registarem o maior avanço desde 2020.

Em particular nos Estados Unidos da América, as plataformas digitais de negociação em bolsa são muito utilizadas.
Sílvia Abreu silviaabreu@negocios.pt 10 de Novembro de 2022 às 21:47
Os ativos de risco foram os grandes protagonistas desta sessão de quinta-feira, com as bolsas norte-americanas a fecharem a sessão em alta, após a divulgação dos dados da inflação em outubro nos Estados Unidos. O aumento dos preços fixou-se nos 7,7% no mês passado, ficando assim abaixo do esperado, o que foi visto pelo mercado acionista como uma lufada de ar fresco.

O "benchmark" S&P 500 avançou 5,54% para  pontos, com mais de 90% das cotadas que compõem o índice a terminar o dia no verde. Já o tecnológico Nasdaq Composite subiu 7,35% e o industrial Dow Jones somou 3,70% para pontos.

Tanto o Standard and Poor's 500 como o Nasdaq Composite registaram o maior avanço desde de 2020.

Apesar desta escalada, o S&P 500 e o Nasdaq continuam a caminho de um dos piores anos desde 2008.

Os índices norte-americanos beneficiaram da expectativa de que uma inflação mais baixa poderá abrir caminho a um abrandamento do ritmo das subidas das taxas de juro por parte da Reserva Federal norte-americana. Uma possibilidade que acabou por ser suportada por membros da autoridade monetária. 

"Apesar de acreditar que será apropriado abrandar o ritmo das subidas para percebermos melhor como as condições económicas e financeiras estão a evoluir, também acredito que um ritmo mais lento não deverá ser percebido como uma política mais leve", defendeu Lorie Logan, presidente da Fed de Dallas.

"É apropriado pensar em abrandar a dimensão das subidas. A discussão não é sobre parar, mas sim sobre reduzir", disse também a presidente da Fed de São Francisco, Mary Daly.

Os mercados acreditam agora que a próxima subida das taxas de juro será de 50 pontos base e não 75, como tem acontecido nos últimos meses. Em setembro, as previsões eram de que as taxas de juro norte-americanas atingiriam os 4,6% no final do ano e os 4,8% em 2023.

Ao contrário das bolsas norte-americanas, o mercado obrigacionista norte-americano acabou penalizado, com os juros da dívida soberana dos EUA com maturidade a dez anos a caírem 21,6 pontos base para 3,869%. Também o dólar, que tem sido o ativo-refúgio de eleição, tombou na sequência dos dados da inflação.
Ver comentários
Saber mais Wall Street EUA Estados Unidos Nasdaq Composite S&P bolsa
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio