Bolsa Wall Street recupera à boleia dos resultados do Goldman e Morgan Stanley

Wall Street recupera à boleia dos resultados do Goldman e Morgan Stanley

Os resultados das empresas vêm animar a negociação em Nova Iorque. Morgan Stanley, Goldman Sachs e UnitedHealth apresentaram números acima do esperado.
Wall Street recupera à boleia dos resultados do Goldman e Morgan Stanley
EPA
Ana Batalha Oliveira 16 de outubro de 2018 às 14:47

A bolsa de Nova Iorque ganhou força no dia em que empresas de referência como os bancos Goldman Sachs e Morgan Stanley, para além da UnitedHealth no sector da saúde, apresentaram resultados positivos, reforçando a confiança na economia americana.

O índice S&P500 avança 0,74% para os 2.771,20 pontos, o tecnológico Nasdaq soma 1% para os 1.113,43 os pontos e o industrial Dow Jones sobe 0,91% para os 25480,86 pontos.

O optimismo vindo do mundo corporativo abafa desta forma os receios que têm travado os investidores, como é o caso do impacto da guerra comercial com a China no país oriental. Tanto os números do trimestre revelados pelo Goldman como pelo Morgan Stanley superaram as expectativas, apoiados pelas receitas obtidas com a negociação de acções. Os títulos do primeiro valorizam 1,79% para os 218.50 dólares e o segundo avança 3,59% para os 45,01 dólares.

Por seu lado, a UnitedHealth sobe 2,35% para os 266,67 dólares depois de ter revisto em alta as estimativas para os resultados anuais.

A época de resultados que se avizinha pode trazer o vigor que os mercados de capitais têm vindo a perder. "Alguns dos factores que causaram a pressão vendedora nas últimas duas semanas como a subida das taxas de juro, preços mais elevados do petróleo e o dólar acalmaram para níveis racionais e o mercado poderá conseguir responder positivamente a isto enquanto avançamos para a época de resultados", comentou um estratego da FBR, consultado pela Reuters.

Goldman e Morgan Stanley acima das expectativas

Os resultados apresentados pelo Morgan Stanley e Goldman superaram as estimativas dos analistas. O primeiro surpreendeu os investidores com uma subida de 19% nos lucros para 1,17 dólares por acção, quando há um ano foram de 0,93 dólares. Já o Goldman viu os lucros engordar 20,5% no trimestre, para 6,28 dólares por acção, que comparam com os 5,02 dólares no trimestre homólogo.

Ambas as instituições melhoraram apoiadas na mesma actividade: a negociação e subscrição de acções, num trimestre ensombrado pela incerteza da guerra comercial com a China.

Para o Morgan Stanley, as receitas com a negociação de activos aumentou 7%, abaixo da subida de 8% registada pelo Goldman.

(Notícia actualizada com mais detalhes acerca dos resultados dos bancos)




pub