Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

CaixaBank/BPI baixa preço-alvo da Jerónimo Martins devido a novas restrições com a pandemia

Os analistas do banco de investimento olham com apreensão para o impacto que a pandemia terá nas vendas, no último trimestre do ano, numa altura em que as restrições aumentam em Portugal e na Polónia.

Lusa
Gonçalo Almeida goncaloalmeida@negocios.pt 11 de Novembro de 2020 às 12:07
  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Os analistas do CaixaBank/BPI reviram ligeiramente em baixa o preço-alvo atribuído à Jerónimo Martins, em cerca de 1%, devido ao impacto previsto que a covid-19 continue a ter nas vendas do quarto trimestre do ano, bem como o imposto sobre as receitas na Polónia, onde a empresa tem operações.

Agora, o preço-alvo da empresa portuguesa passa a ser de 16,35 euros por ação, o que lhe confere um retorno potencial de mais de 16% face ao valor do fecho da sessão anterior. Apesar da alteração no preço, os analistas mantiveram a recomendação para a Jerónimo Martins em "neutral".

"A Jerónimo Martins tem reportado um impacto negativo nas vendas devido à covid-19. A pandemia tem uma influência negativa no tráfego das lojas", pode ler-se na nota de análise divulgada nesta quarta-feira, pelo CaixaBank/BPI. Contudo realça que "a geografia mais importante da empresa (Polónia) tem estado a ter um bom desempenho".

Mas com as novas restrições impostas em Portugal e na Polónia, numa tentativa de parar a propagação do coronavírus, poderá ser mais "um risco" para as pretensões da Jerónimo Martins, bem como a queda da inflação na Polónia.

Nesse país, onde a retalhista portuguesa atua com a Biedronka, outro foco está na aplicação do imposto sobre as operadoras a retalho - que já teve "luz verde" da União Europeia, apesar de ainda não haver nenhuma uma decisão final - e que pode representar mais um desafio para as operações da empresa.

Hoje, as ações da Jerónimo Martins vão subindo 0,54% para os 14,065 euros por ação, num dia em que o setor a retalho na Europa ganha 1%. Por cá, a Sonae - dona do Continente - perde 0,3%. No ano como um todo a dona do Pingo Doce acumula uma perda na ordem dos 4%.

Ver comentários
Saber mais CaixaBank/BPI Jerónimo Martins Polónia economia negócios e finanças bens de consumo retalho Informação sobre empresas
Outras Notícias