Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Carlos Costa incentiva portugueses a pôr imóveis a render

Portugal tem uma elevada percentagem de proprietários de imóveis e, como tal, um parque habitacional que vai além das necessidades de habitação primária. Por isso, as famílias devem tirar partido destes imóveis, defende o governador.

Lusa
Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 19 de Dezembro de 2018 às 11:35
  • Assine já 1€/1 mês
  • 31
  • ...

Carlos Costa considera que o património das famílias está "muito concentrado no parque imobiliário" e que deverá ir além das necessidades de habitação primária. Nesse sentido, estes imóveis devem ser colocados a render, tendo uma "utilização mais produtiva" e que vai permitir gerar serviços. Um tema que "merece uma reflexão profunda e ser considerado no âmbito dos incentivos", disse o Governador no Parlamento.

Logo na sua intervenção inicial, Carlos Costa tinha sublinhado que, em Portugal, existe "uma maior percentagem de famílias" proprietária de imóveis financiados com recurso ao crédito. "Portugal é, efectivamente, dos países europeus onde os ‘activos não produtivos’ na posse das famílias – imóveis (excluindo os utilizados para habitação própria, para arrendamento ou para actividades empresariais pelos proprietários) e outros bens de valor – têm um maior peso na sua riqueza total (cerca de 20% face a cerca de 10% na área do euro)", frisou o Governador do Banco de Portugal. Os portugueses demonstram uma preferência pelo património imobiliário face a outros investimentos, frisou.

 

Questionado depois pelos deputados, Carlos Costa frisou que "temos um património das famílias muito concentrado no parque imobiliário" e que "é provável que [este parque] seja sobredimensionado relativamente aquilo que seriam as necessidades de habitação primaria". Ora, uma vez que este "parque habitacional tem uma utilidade que justifica um preço e um preço que justifica um rendimento", o Governador defendeu a "optimização do parque habitacional disponível". Este é, assim, defendeu, um tema que "merece uma reflexão profunda e ser considerado no âmbito dos incentivos".

 

"Temos que prosseguir com esta linha que é que temos um parque imobiliário na posse das famílias que pode ter uma utilização mais produtiva, que gere mais rendimento e que vai permitir gerar serviços", frisou Carlos Costa que lembrou que é esta evolução que "explica por exemplo a revitalização da cidade de Lisboa". Frisando que esta questão está fora da actuação do Banco de Portugal, Carlos Costa ressalvou que é importante ter em conta a "mudança estrutural na economia portuguesa com a passagem do turismo balnear ao turismo urbano". É importante definir um quadro regulamentar, pois os envolvidos devem "saber quais são as obrigações e as expectativas".

 

"Temos oportunidade para tirar partido de um desvio e fazer desse desvio uma vantagem", ou seja, tirar partido dos imóveis que estão nas "mãos dos particulares e geram rendimentos e podem ser postos ao serviço da comunidade, gerando emprego e fluxos", concluiu.


(Notícia actualizada às 11:50 com mais informação)

Ver comentários
Saber mais Carlos Costa Banco de Portugal imóveis
Mais lidas
Outras Notícias