Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Justiça espanhola liberta português suspeito de mega burla cripto

Um português de 45 anos é suspeito de ser o autor de um dos maiores crimes de burla no mercado cripto, mas um tribunal de Valência decidiu colocá-lo em liberdade, durante a fase de instrução.

DR
Fábio Carvalho da Silva fabiosilva@negocios.pt 03 de Janeiro de 2022 às 22:01
  • Partilhar artigo
  • 8
  • ...

Vítor Manuel Batista Fajardo foi detido pela Guardia Civil (equivalente à Guarda Nacional Republicana portuguesa), este fim de semana, por alegada burla relacionada com o mercado dos criptoativos.

O cidadão português foi detido em Espanha por suspeita de uma megaburla com criptomoedas, numa ação que a Guardia Civil descreve como sendo uma das maiores fraudes de investimento nestes ativos na Europa. Trata-se de um homem de 45 anos a quem foram apreendidos bens de valor superior a 2,5 milhões de euros.

De acordo com o jornal espanhol El País, o cidadão português está indiciado pela prática de sete crimes de fraude e lavagem de dinheiro num alegado esquema "Ponzi" através da criação de uma plataforma de investimento em criptomoedas.


O português divulgou a plataforma alegadamente fraudulenta em diversos fóruns, programas de rádio e eventos desportivos, atraindo investidores em Espanha e Portugal. A operação da Guardia Civil arrancou em agosto do ano passado.

O jornal El País indica que a plataforma oferecia um retorno mínimo de 2,5% semanais aos investidores, num esquema descrito pelas autoridades como se assemelhando a um"Ponzi", levando os clientes a investir ainda mais.

A Guardia Civil apreendeu 13 automóveis de alta cilindrada e congelou várias contas bancárias e páginas web de acesso à plataforma.

Contactadas pelo Negócios, as autoridades espanholas esclareceram que o "arguido já foi presente a juiz, tendo sido posto em liberdade".

Questionada sobre se Victor Fajardo teria sido alvo de prisão domiciliária ou se lhe tinha sido retirado o passaporte, a Guardia Civil explicou apenas que "por questões jurídicas" não poderia responder.

O Negócios tentou ainda contactar o Juzgado de Primeira Instância número 3 de Valência, onde decorre a instrução do processo, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

Quem é Vítor Fajardo?

Vítor Manuel Batista Fajardo é natural da freguesia de Quiaios, concelho da Figueira da Foz.

O cidadão português de 45 anos mudou-se para Espanha em 2019, depois de fundar em Portugal uma empresa na área da alimentação, com os familiares Fernando Manuel Batista Fajardo e Óscar de Oliveira Fajardo, segundo os dados apurados pelo Negócios.

Além da plataforma DXRCOINTRADE, agora alvo de investigação por parte da Justiça espanhola, o indivíduo é desde abril de 2020 o único administrador de uma empresa de comércio de veículos, a Sansioneu, com um capital social de 419 mil euros, de acordo com a informação recolhida pela imprensa espanhola junto dos registos comerciais do país.

Sites cercam português

Desde que, alegadamente, começou a levar a cabo este esquema piramidal, foram criados vários sites e grupos de Whatsapp em Portugal e Espanha, com denúncias sobre estas alegadas burlas.

Um dos grupos chega mesmo a contar com 38 pessoas, muitas delas com investimentos perdidos na ordem das dezenas de milhares de euros.

Porém, o caso só chegou às mãos das autoridades espanholas quando, em agosto do ano passado, uma das vítimas se ter dirigido a um escritório de detetives particulares "Valenciana Distrito 46", depois de investir 150 mil euros na compra de "Bitcoin".

Segundo a imprensa espanhola, a mulher, cuja identidade não foi revelada, chegou mesmo a colaborar no esquema sem ter noção da natureza ilícita do mesmo, "tendo arranjado clientes de topo, desde empresários, passando por celebridades e jornalistas, até um conhecido árbitro de futebol", pode ler-se no jornal "Confilegal".

Ao que se sabe, houve um momento em que esta mulher sentiu a necessidade de perceber se o negócio se tratava de uma fachada, algo que acabou por se confirmar.

Em entrevista à imprensa espanhola, o diretor da agência de detetives privados , Juan de Dios Vargas, explicou que "começámos a investigar e, depois de já termos algumas informações, percebemos logo que tratava de um esquema ilegal". Foi então que, depois de informar a cliente, Dios Vargas entregou as provas à Guardia Civil.

Assim que as unidades de crimes tecnológicos e económicos da polícia deram conta de que havia outros países envolvidos no esquema - Portugal, Luxemburgo e Suíça -, pediram imediatamente a colaboração da Europol.  A operação foi batizada de "Bitdrop".

Este fim de semana, já com as pistas "nas mãos", a Guardia Civil realizou buscas simultâneas na sede da "empresa cripto", num imóvel onde estava escondida parte dos bens, e na residência de Batista Fajardo, onde este acabou por ser detido.

Queixas multiplicam-se em Portugal

O Negócios contactou algumas vítimas de Vítor Fajardo em Portugal, tendo ficado a saber que já foram apresentadas várias queixas junto da Polícia Judiciária e do Ministério Público, tendo caído vários casos "em saco roto" por arquivamento do processo. 

Algumas fontes chegaram mesmo tentar reaver o seu dinheiro, estabelecendo contacto direto com Vítor Fajardo e a sua equipa de advogados, mas nunca voltaram a ver o que lhes era devido. Ao Negócios chegaram também relatos de ameaças recebidas por parte da defesa de Vítor Fajardo. "Disseram-me que me processariam por difamação", revelou uma das fontes.

O Negócios tentou contactar a Polícia Judiciária, no sentido de saber se já foram iniciadas investigações sobre este assunto em Portugal, mas não obteve resposta.

Ver comentários
Saber mais Vítor Farjado Vítor Manuel Batista Forjado Guardia Civil Guarda Nacional Republicana Negócios Espanha Vítor Manuel Batista Fajardo Portugal crime lei e justiça questões sociais economia negócios e finanças investigação media
Outras Notícias