Mercados Fazer pagamentos através de uma "selfie"? Já falta pouco

Fazer pagamentos através de uma "selfie"? Já falta pouco

Tudo, ou quase tudo, é possível se estivermos a falar de pagamentos. Esta é uma área que está a ser palco de inovações constantes, sempre com o objectivo de garantir mais rapidez e comodidade para os consumidores.
Fazer pagamentos através de uma "selfie"? Já falta pouco
Bloomberg
Raquel Godinho 10 de outubro de 2015 às 12:00

E se uma "selfie" servisse para autorizar uma compra através do "smartphone"? Esta é uma das inovações que a MasterCard tem em estudo para os pagamentos digitais e que começa a ser colocada em prática na Holanda. O consumidor realiza uma compra através do telemóvel, mas a transacção é autenticada com uma "selfie" ou com impressão digital. Mas há muitas outras inovações nos pagamentos digitais: o Multibanco no "smartphone", as carteiras digitais e as paredes com antenas.


Os pagamentos digitais têm evoluído a um ritmo alucinante, beneficiando da evolução tecnológica. Para tirar partido do crescimento expressivo de utilizadores da Internet e também de "smartphones", as empresas responsáveis pelos serviços de pagamentos têm vindo a criar formas cada vez mais inovadoras de fazer transacções.


A forma como os consumidores fazem pagamentos depende do local onde estão e do dispositivo que utilizam. Mas o que todos querem é encontrar formas rápidas, simples, convenientes e, acima de tudo, seguras de fazer compras. A evolução só não é mais rápida porque é essencial garantir exactamente isso: a segurança e a privacidade das operações.


Cartões "contactless"

Em Portugal, os cartões "contactless" são uma das mais recentes inovações a este nível. No segundo trimestre, registou um crescimento nos pagamentos "contactless". De acordo com a MasterCard, o número de transacções realizadas com estes cartões disparou 277% face ao mesmo período do ano passado. Já o montante gasto cresceu 33%. Em média, cada operação com "contactless" ascende a 11,29 euros.


Para fazer pagamentos "contactless", os clientes apenas têm de acenar com o cartão junto do terminal de pagamento. São gerados códigos únicos para cada transacção, além da protecção contra a fraude que é disponibilizada pelos emissores de cartões que é semelhante à protecção relativa aos cartões tradicionais de "chip" e "pin".


Mas, como a Visa explica no seu site, os pagamentos "contactless" também podem ser efectuados através de telemóveis. Na base desta experiência de pagamento estão os mesmos princípios da utilização dos cartões: os consumidores colocam o "smartphone" junto a um terminal que aceite este tipo de pagamentos e depois aguardam apenas pela confirmação da transacção.


Multibanco no "smartphone"


A portuguesa SIBS, que gere a rede Multibanco, também desenvolveu no ano passado uma solução para ser utilizada no "smartphone". O MB Way é uma aplicação compatível com o sistema iOS da Apple e Android do Google e que permite aos utilizadores fazer pagamentos e também transferências bancárias de um "smartphone" para outro.


Depois de descarregada a aplicação para o "smartphone", o utilizador regista-se, sendo-lhe atribuído um código secreto para associar ao seu número de telemóvel ou uma palavra-passe para associar ao email, escolhendo depois qual dos cartões quer utilizar. São estes os dados que serão fornecidos aos comerciantes que, deste modo, não terão acesso a dados relacionados com os cartões.


Além das lojas "online", esta aplicação também pode ser usada para fazer pagamentos em lojas físicas.


Carteiras digitais


Em Portugal, a Meo desenvolveu recentemente o "Meo Wallet". Trata-se de uma carteira virtual que os consumidores podem utilizar para fazer pagamentos "online". O cliente deve carregar o saldo do cartão, através de transferência bancária, no multibanco ou com cartão bancário, ou pode associar os dados do seu cartão a esta "carteira", não tendo que o trazer sempre consigo. Depois, basta apontar a câmara para o código QR ou encostar o "smartphone" ao terminal de pagamento e, caso não tenha "smartphone", pode utilizar este serviço por SMS.


Uma solução semelhante está a aplicar a MasterCard, através da MasterPass. Esta é também uma carteira digital, onde os clientes guardam os dados do seu cartão para, no momento da transacção, poderem seleccionar aquele que pretendem utilizar.  Esta solução já está disponível em 24 países, onde não consta Portugal. Deverá chegar ao nosso país no início de 2016.


Além disso, a MasterCard está também a estudar a criação de uma "digital wallet", sendo que, neste caso, os produtos disponíveis nas lojas terão por trás uma antena que vai emitir um sinal para o "smartphone" quando este se aproxima, permitindo comprá-los.


Pagamentos pessoais


Já a Visa tem vindo a lançar em alguns países europeus o serviço "Visa Personal Payments" . Com esta solução, os consumidores podem enviar dinheiro directamente através do "smartphone" para outra pessoa presente em qualquer ponto da Europa, sendo apenas necessário o número de telefone da pessoa que vai receber os fundos, não tendo que partilhar os dados da conta.


"Smartphone" paga contas


Os pagamentos digitais também têm sido uma aposta de grandes tecnológicas como a Google e Apple, através do Android Pay e do Apple Pay, respectivamente. Basta ao utilizador dos respectivos "smartphones" configurar a sua conta e aproximar o aparelho de um terminal de pagamento para concretizar a operação.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI