Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Goldman já prevê que Fed corte três vezes os juros este ano

Depois do corte de juros operado em julho – o primeiro num período de dez anos – o Goldman espera que existam mais dois este ano: um em setembro e outro em outubro.

Grupos internacionais
reuters
Negócios jng@negocios.pt 06 de Agosto de 2019 às 10:24
  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

O banco norte-americano Goldman Sachs reviu as expetativas em relação ao número de vezes que a Fed deverá cortar os juros este ano: subiu para três. Uma já aconteceu. As restantes justificam-se pelo escalar das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China e pela perspetiva de um Brexit sem acordo, aponta a instituição.

Esta casa de investimento não espera que seja assinado um acordo comercial entre as duas maiores economias do mundo antes das eleições americanas de 2020. Paralelamente, acredita que a Fed está cada vez mais reativa ao contexto de tensões comerciais, preocupações de crescimento económico e mudanças no mercado de dívida.

"Agora esperamos um terceiro corte nos juros de 25 pontos base em outubro, para um total de cortes de 75 pontos base" em 2019, lê-se numa nota assinada pelo economista Jan Hatzius e citado pela Bloomberg.

O Goldman aponta para uma probabilidade de 75% de que exista um corte de 25 pontos base em setembro, 15% de hipóteses de que esse corte se situe nos 50 pontos base e apenas 10% de hipóteses de que não exista nenhum corte neste mês.

Em outubro, a probabilidade de que a Fed anuncie uma redução de 25 pontos base nos juros é avaliada pelo Goldman em 50%, contra apenas 10% de probabilidade de que o corte seja de 50 pontos base. A possibilidade de que não existam alterações nos juros é contudo mais elevada para este mês, colocando-se nos 40%.

A reunião de dezembro não deverá trazer qualquer novidade, projeta ainda a casa de investimento. "Pensamos que com a inflação próxima dos 2% a Fed parará os cortes nos juros", escrevem os mesmos economistas.

Ver comentários
Saber mais Goldman Fed Brexit Goldman Sachs Estados Unidos China economia negócios e finanças macroeconomia política orçamento do estado e impostos banco central juros negócios (geral) finanças (geral)
Outras Notícias