Dividendos Jerónimo Martins aumenta dividendo e entrega todos os lucros aos accionistas

Jerónimo Martins aumenta dividendo e entrega todos os lucros aos accionistas

A retalhista vai distribuir aos accionistas todos os lucros obtidos no ano passado.  
Jerónimo Martins aumenta dividendo e entrega todos os lucros aos accionistas
Ricardo Castelo
Nuno Carregueiro 28 de fevereiro de 2018 às 18:00

A Jerónimo Martins anunciou esta quarta-feira que vai propor o pagamento de um dividendo de 61,3 cêntimos por acção, o que corresponde a uma subida de 1,3% e à devolução aos accionistas de todos os lucros obtidos no ano passado.

 

Em 2017 a retalhista pagou um dividendo de 60,5 cêntimos por acção (referente ao exercício de 2016), mas no ano passado os lucros recuaram 35% para 385 milhões de euros. Excluindo o impacto da venda da Monterroio em 2016, os resultados líquidos teriam aumentado 6,7% em 2017. 

 

Foi precisamente a venda deste activo em 2016 que levou a Jerónimo Martins a mais do que duplicar o dividendo no ano passado, partilhando com os accionistas o ganho obtido na operação.

 

Agora optou por manter a política de entregar todos os lucros aos accionistas, apesar de não ter registado operações extraordinárias. Ao dividendo de 61,3 cêntimos corresponde uma rendibilidade de 3,6%. Os analistas estavam a contar com o pagamento de um dividendo bem inferior. As estimativas recolhidas pela Bloomberg apontavam para 40 cêntimos.

 

Se esta proposta for aprovada, no total, a Jerónimo Martins vai entregar aos accionistas 385,2 milhões de euros, o que corresponde precisamente aos lucros obtidos no ano passado.

Apesar do "payout" de 100%, a Jerónimo Martins reitera em comunicado "a sua política de dividendos, de acordo com a qual, o dividendo a distribuir deve corresponder a um valor entre 40 a 50% dos resultados líquidos consolidados ordinários".

 

Caso tivesse optado por esta política, pagaria um dividendo máximo de 196,8 milhões de euros. "Porém, considerando a solidez do balanço e a posição líquida de caixa no final do ano, bem como a capacidade de forte geração de caixa do Grupo, na sua reunião de 27 de Fevereiro de 2018, o Conselho de Administração decidiu propor à Assembleia Geral de Accionistas, que decorrerá no dia 12 de Abril de 2018, a distribuição de um dividendo de 385,2 milhões de euros", refere o comunicado da retalhista liderada por Soares dos Santos.

 

A Jerónimo Martins acrescenta que "esta proposta de distribuição de dividendos corresponde, pelo segundo ano consecutivo, a um payout excepcional de 100%, aproximadamente o dobro do que resultaria da aplicação da política de dividendos em vigor". E reforça que "considerando a sua posição de caixa, o Grupo mantém inalterado o seu plano de investimento e a flexibilidade para tirar partido de oportunidades de expansão não-orgânicas que possam surgir no curto prazo".




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Comentador 01.03.2018

Caros comentadores sindicalistas, os trabalhadores recebem o seu valor justo de mercado. Se acham que recebem abaixo disso, são livres de procurar outro trabalho no segmento ou, melhor ainda, investirem e criarem a sua própria empresa. Força. Veremos Como corre.

Anónimo 01.03.2018

UM GRANDE EXEMPLO de um Grupo e de uma Família que cria riqueza e emprego!
Óbvio que pelo facto de dar lucro passam logo a ser trapaceiros!
Enfim: Trabalha lá alguém obrigado ????? Há escravatura ??!!??
Calem-se seus COMUNAS!

E PRAQUELES Q GERARAM OS LUCROS...VAI O ORDENADO M 28.02.2018

Aqui esta o melhor exemplo da hipocrisia, MISERIA SOCIAL E INTELECTUAL, de uma companhia q ATE DECLARA os lucros NO ESTRANGEIRO!
Metem ao bolso TUDO AQUILO q negam a quem TRABALHA.
E vinham eles pra tv apontar o dedo a outros
TRAMBIQUEIROS.

José Ribeiro 28.02.2018

Esta é uma companhia que gosta de salientar a sua preocupação sobre a responsabilidade social quando todos sabemos os ordenados que praticam na distribuição e como se aproveitam da crise para pagar miseravelmente, para os accionistas que tanto sofrem, vai todo o esforço dos colaboradores.

ver mais comentários
pub