Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Notícia

Capital Economics prevê descida do risco de Portugal para mínimo de dois anos

Consultora britânica reconhece que as perspectivas para Portugal, na frente económica e orçamental, melhoraram de forma substancial.

Antonio costa mario centeno
Miguel Baltazar
Nuno Carregueiro nc@negocios.pt 23 de Maio de 2017 às 19:43
  • Assine já 1€/1 mês
  • 30
  • ...

A Capital Economics, conhecida consultora britânica, está bem mais optimista para Portugal, assinalando que as melhores perspectivas orçamentais e económicas, bem como a redução do risco político, justificam uma redução adicional no prémio de risco da dívida portuguesa.

 

Numa nota enviada a clientes esta terça-feira, 23 de Maio, a que o Negócios teve acesso, a Capital Economics antecipa que no final do ano o "spread" dos juros da dívida portuguesa face à alemã estará nos 250 pontos base. A concretizar-se, este será o nível mais baixo desde o início de 2016, ou seja, situar-se-á no valor mais baixo em quase dois anos.

 

O valor desta estimativa compara com o actual "spread" de 275 pontos base. Um diferencial que mede o risco da dívida portuguesa pois representa o prémio que os investidores exigem para comprar obrigações nacionais em detrimento das alemãs.

 

Em Março do ano passado o "spread" da dívida portuguesa aproximou-se dos 400 pontos base, um agravamento substancial que a consultora britânica justifica com três factores principais: preocupações com o desempenho orçamental e da economia; redução da capacidade do BCE para comprar dívida portuguesa e aumento do risco político na Zona Euro com eleições na Holanda e em França.

 

A queda recente do risco da dívida portuguesa deve-se ao facto de estas três preocupações terem perdido força, com a Capital Economics a destacar que "o desempenho orçamental e económico de Portugal melhorou de forma substancial".

 

Acrescenta que estas melhorias "deverão permitir que o ‘spread’ das obrigações portuguesas face às alemãs continue a diminuir ainda mais este ano".

 

Mas o optimismo da empresa de "research" fica-se pelo final de 2017. É que "permanecem os riscos de longo prazo", o sector bancário "continua fraco" e o "risco político pode ressurgir algures, sobretudo em Itália".

 

Desta forma, a consultora antecipa que o "spread" vai voltar a aumentar em 2018, para 275 pontos base, sofrendo novo agravamento em 2019, para 300 pontos base. Um nível que se situa bem acima do curto diferencial entre a dívida portuguesa e alemã antes da crise financeira (cerca de 30 pontos base).  

 

Há um ano, Capital Economics temia juros de 8%

 

A opinião actual da Capital Economics é bem diferente da assumida há pouco mais de um ano. No início de Março de 2016, a consultora britânica alertou para as consequências de um eventual corte de rating por parte da agência DBRS e para a exclusão do programa compras do BCE, perspectivando que os juros da dívida portuguesa a 10 anos poderiam chegar aos 8%, o que colocaria o país a caminho do resgate.

 

Numa nota divulgada na véspera de Portugal fazer o primeiro leilão de obrigações do Tesouro do ano, a economista que acompanha a economia europeia, Jennifer McKeown, disse que "as últimas subidas nas taxas das obrigações portuguesas reflectem os receios de que a dívida irá em breve ser classificada como "lixo" pelas quatro maiores agências de "rating", levando o país a ser excluído das compras de activos do BCE".

Ver comentários
Saber mais Capital Economics spread juros obrigações
Mais lidas
Outras Notícias