30 anos em Comunidade Intermunicipal Movimento de mercadorias está a crescer de forma significativa

Movimento de mercadorias está a crescer de forma significativa

Porto de Aveiro é fundamental no desenvolvimento da região Centro. Tráfego está a bater recordes.
Movimento de mercadorias está a crescer de forma significativa

Parceiro institucional importante da Comunidade Intermunicipal da Região de Aveiro (CIRA), o Porto de Aveiro é um centro logístico "de referência para o tecido industrial da região Centro", contribuindo decisivamente para "o aumento da competitividade das empresas da região nos mercados internacionais, ao assegurar-lhes a prestação de serviços portuários e marítimos eficientes, dedicados às suas necessidades logísticas". Quem o afirma é Fátima Lopes Alves, presidente do conselho de administração do Porto de Aveiro.

 

Fátima Lopes Alves recorda que um sinal do reconhecimento do Porto de Aveiro (APA, S.A.) enquanto motor de desenvolvimento da região Centro é o "significativo crescimento do movimento de mercadorias registado em 2017 e 2018 pelo porto, que correspondeu respetivamente a 13% e 9% face a períodos homólogos". A responsável acrescenta que o Porto de Aveiro tem também sido escolhido por investidores privados para a localização, na sua zona portuária, de unidades logísticas e industriais – indústria agroalimentar, química e produtos petrolíferos, produção de energia offshore. O investimento privado realizado nos últimos três anos ascende a 43,7 milhões de euros.

 

É precisamente o supracitado crescimento do tráfego de mercadorias registado nos últimos anos que faz com que o Porto de Aveiro esteja a bater recordes. A trajetória de crescimento registada na última década permite concluir que o porto "tem sido capaz de prestar serviços portuários e logísticos competitivos e, nesse sentido, está a cumprir com a sua missão de apoiar as empresas no seu processo de internacionalização".

 

Desafios para o futuro

 

Sobre a estratégia para o dia de amanhã é afirmar a empresa como um porto moderno e eficiente. Os desafios dos próximos anos passam por "assumir uma visão orientada sob três linhas de orientação fundamentais". Fátima Lopes Alves conta quais são. Melhoria da operacionalidade e eficiência e a sustentabilidade ambiental, alicerçadas em mais tecnologia e mais inovação e o maior diálogo e cooperação com os stakeholders da comunidade portuária e da região de Aveiro. Só assim o Porto de Aveiro poderá ser um verdadeiro catalisador do crescimento e valorização económica da região de Aveiro, contribuindo para o crescimento da economia do mar e consequentemente da economia nacional. Como tal, estão em curso projetos que visam a melhoria das condições de navegabilidade do porto e o reforço das condições de segurança e acompanhamento do crescimento da dimensão dos navios; bem como para a melhoria das condições de operação nos terminais e de conetividade rodoferroviária, tendo em vista o aumento da eficiência do serviço e a melhoria do desempenho ambiental de todas as suas atividades.

 

A conclusão da construção da Zona de Atividades Logísticas e Industriais do porto é também um projeto estratégico – integrado na Estratégia do Governo para o Aumento da Competitividade Portuária – Horizonte 2026 –, a que se soma a implementação do projeto nacional Janela Única Logística, que visa um salto tecnológico em matéria de desmaterialização e digitalização de toda a cadeia logística que serve os portos nacionais.

 

Está também em curso uma reestruturação organizacional e dos processos internos, incluindo a sua desmaterialização, com vista ao aumento da eficiência dos serviços e celeridade no processo de tomada de decisão.

 

O porto e a CIRA

 

Pedido um balanço da parceria institucional com a CIRA, Fátima Lopes Alves explica que "a CIRA tem tido um papel muito importante na defesa da construção do canal ferroviário de ligação de Aveiro a Salamanca". "A realização deste investimento assume grande relevância para o desenvolvimento do Porto de Aveiro, na medida em que é essencial para potenciar o alargamento da sua região de influência às regiões espanholas de Castela e Leão e Madrid". E acrescenta: "Deste modo, serão criadas as condições para o porto se afirmar como porta de entrada e saída de mercadorias no contexto da Península Ibérica."

 

No que diz respeito à importância da CIRA para a região de Aveiro, a responsável recorda que a ligação do porto com a CIRA funciona desde a sua constituição, tendo todos os associados um elemento territorial comum: a ria de Aveiro. "Lutamos para que a região cresça e se desenvolva sustentadamente, com uma visão comum e diferenciadora de todo o território em que se insere. De há muitos anos a esta parte que a APA, S.A. segue uma política de colaboração empenhada com as forças ativas da região em que se insere, incluindo-se aqui a CIRA, como também a Comunidade Portuária de Aveiro (CPA) ou a Associação Industrial de Aveiro (AIDA), entre outras."


13 e 9 % respetivamente foi quanto cresceu o movimento de mercadorias no porto em 2017 e 2018 face a períodos homólogos.

43,7 milhões de euros foram investidos pelo privado no porto nos últimos três anos.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI