Outros sites Cofina
Notícia

Diogo Lacerda Machado é o 28.º Mais Poderoso

É o melhor amigo de António Costa e aceitou representar o primeiro-ministro de borla em três processos particularmente difíceis. A mediação informal de Diogo Lacerda Machado, advogado de profissão, foi polémica e levantaram-se suspeitas de conflito de interesses, já que também é administrador da Geocapital. O assunto ficou aparentemente resolvido com um contrato que lhe garante dois mil euros mensais. Lacerda Machado é sportinguista, fanático por aviação e tem uma memória de elefante.

A carregar o vídeo ...
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...




Porque entra

Amigo de António Costa, foi Diogo Lacerda Machado que apareceu a intermediar negócios, pelo Estado, envolvendo a TAP, BPI ou Novo Banco. Um poder que esteve, por algum tempo, na esfera da amizade. Mas que se viu obrigado a passar para a esfera contratual. Afinal o advogado estava envolvido em processos poderosos, com acesso a informação privilegiada, e sem que tivesse qualquer vínculo com o Estado. Agora tem um contrato, mas o poder é o mesmo. O da confiança com o primeiro-ministro.


Quando foi chamado ao Parlamento, no final de Abril, para explicar o que tinha feito na TAP, Diogo Lacerda Machado não estava confortável. "Ao longo da minha vida conheci alguns momentos de sofrimento e dificuldades, mas nunca me foi tão difícil enfrentar uma circunstância como agora", afirmou. É assim o "melhor amigo" de António Costa: mediar processos difíceis está bem; aparecer nos jornais é que não.

Diogo Lacerda Machado, 55 anos, advogado de profissão e gestor de diversas empresas, saltou para a ribalta mediática nacional depois de ter convencido os novos donos da TAP a abdicar da maioria do capital da companhia, para que o Estado pudesse recuperar metade da empresa, privatizada no estertor do Governo de Passos Coelho.

Parecia uma missão impossível - com uma empresa acabadinha de comprar, por que razão iriam os novos donos devolver parte ao Estado? Mas foi isso mesmo que aconteceu, ao longo de 14 reuniões, segundo contou na referida audição parlamentar para a qual foi convocado pelo PSD para explicar o seu papel nas negociações da TAP, e o porquê de aceitar trabalhar de graça.

Foi precisamente o carácter informal dessa colaboração que o colocou debaixo de fogo. Foi muito criticado por todos os partidos, inclusive pelo Bloco de Esquerda e PCP. Costa contratou-o, a "contragosto", por dois mil euros mensais, para arrumar a polémica. Quando quebrou pela primeira vez o silêncio, ao Expresso, Lacerda lamentou ter uma "certidão de presunção de malandro".

Quem conhece Lacerda Machado, que é um dos administradores da Geocapital (empresa de Stanley Ho para investimentos e que fez uma sociedade com a TAP para a compra da VEM), não se surpreende com o que fez na TAP. Ou com a solução que ajudou a encontrar para tentar minorar as perdas dos detentores de papel comercial do GES, que envolveu o próprio governador do Banco de Portugal. Ou ainda o papel de mediação que assumiu entre os maiores accionistas do BPI, os catalães do CaixaBank e Isabel dos Santos, para tentar encontrar uma solução que reduzisse a exposição do banco a Angola. Foram apenas três dos dossiês mais quentes dos primeiros meses da actual legislatura.

No caso da TAP, disse na mesma comissão, ajudou o facto de "saber quase tudo sobre aviação comercial e civil". Lacerda Machado adora aviões e "controla" o tráfego aéreo a partir de sua casa, localizada junto ao aeroporto de Lisboa. Conta também com a ajuda da aplicação Flightradar. Já não vai para o aeroporto ver aterragens e descolagens, mas fazia isso quando era mais novo.

José Miguel Júdice, que conheceu o advogado nas reuniões do Conselho Superior da Magistratura em 1997, lembra-se de um homem "muito sereno, muito tranquilo, que estudava bem as coisas e tinha opiniões inteligentes e sensatas". Parecia "mais velho do que era", tal era a sua qualidade. Júdice acredita que o perfil de Lacerda é o indicado para um "bom negociador", porque "ouve as pessoas, é sereno e não provoca crispação".
cotacao Eu não preciso de ter um contrato escrito para ser menos, ou mais, sério naquilo que faço.

Ajuda o facto de saber quase tudo sobre aviação comercial e civil.

O que fiz foi movido exclusivamente pelo sentido de serviço público que desde sempre me animou.
Diogo Lacerda Machado Na comissão parlamentar em Abril de 2016 
Também António Nogueira Leite se recorda de Lacerda Machado, já que foram colegas no segundo Governo de António Guterres: aquele como secretário de Estado das Finanças, este da Justiça. "Tenho muito boa opinião dele. É uma pessoa rigorosa, formal no tratamento, mas com quem é fácil trabalhar e de bom julgamento", resume, acrescentando que é ainda "uma pessoa um bocado à antiga na maneira de se relacionar, no formalismo do trato".

José Lello, que foi secretário de Estado das Comunidades no mesmo Governo, lembra a "memória de elefante" de Lacerda Machado. "É uma coisa extraordinária", atesta. E a facilidade de relacionamento. "Granjeava facilmente amizades e era muito popular no Governo."

A relação com António Costa

Diogo Lacerda Machado conheceu António Costa em 1981, numa das aulas do curso de Direito da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. A partir daí tornaram-se inseparáveis, compraram casas próximas e Lacerda Machado foi até padrinho de casamento do agora primeiro-ministro com Fernanda Tadeu.
cotacao Não tenho a ilusão de mudar o mundo, é um combate desigual e inútil. Sou um homem com certidão de presunção de malandro. Diogo Lacerda Machado Em declarações ao Expresso a 19 de Abril de 2016 
Lacerda Machado foi secretário de Estado da Justiça do então ministro António Costa, entre 1999 e 2002. Só não está no actual Governo por "razões pessoais", assumiu o agora primeiro-ministro. Lacerda é um fervoroso sportinguista, conta o genro João Gonçalves Pereira, vereador do CDS na Câmara de Lisboa. "Conhece as equipas todas, vibra mesmo com o Sporting", certifica. Lacerda tem três filhos e três netos. António Costa é um adepto fervoroso do Benfica, mas isso nunca foi difícil de conciliar, porque a discussão e o debate sempre foram uma constante na relação dos dois amigos. Quando viviam em Carnide, assistiam juntos aos dérbis no Estádio da Luz. Ao Negócios, Lacerda Machado só lamenta, entre risos, que Deus o tenha "castigado com um filho benfiquista".

Bilhete de identidade Cargo: Administrador da Geocapital
Naturalidade: Nasceu em Lisboa em 17 de Maio de 1961
Formação: Licenciatura em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa