Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Elsa Marvanejo da Costa 19 de Fevereiro de 2021 às 09:40

Prejuízo fiscal – Penalização das taxas de tributação autónoma

Assim, as cooperativas e PME que tenham iniciado atividade nos anos de 2018, 2019 e 2020 não aplicam a penalização de 10 pontos percentuais nas taxas de tributação autónoma, no ano de 2020, ainda que apurem prejuízos fiscais.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

O Código do IRC prevê uma penalização de 10 pontos percentuais nas taxas de tributação autónoma quando o sujeito passivo apresente prejuízo fiscal no ano a que respeitem os factos tributários. Excecionalmente, nos anos de 2020 e 2021 esta penalização não será aplicável pelos sujeitos passivos e nas condições que de seguida se indicam.

Desde já, as grandes empresas que apurem prejuízo fiscal em 2020 aplicam a penalização de 10 pontos percentuais nas taxas de tributação autónoma. Pois, apenas poderão beneficiar desta medida (de não aplicação da penalização das taxas de tributação autónoma) as cooperativas e as micro, pequenas e médias empresas, de acordo com os critérios definidos no artigo 2.º do anexo ao Decreto-lei n.º 372/2007, de 6 de novembro.

De acordo com este diploma, a categoria das PME é constituída por empresas que empregam menos de 250 pessoas e cujo volume de negócios anual não excede 50 milhões de euros ou cujo balanço total anual não excede 43 milhões de euros.

Tratando-se de uma empresa que tenha empresas parceiras e associadas, isto é, que não seja considerada autónoma nos termos da legislação que estabelece estes critérios, então a determinação dos resultados da empresa (cálculo dos efetivos e dos montantes financeiros) deverá ser aferida de forma agregada pelas entidades relacionadas, em detrimento de uma análise individual da entidade requerente da certificação. Pelo que este procedimento pode conduzir a uma classificação diferente da esperada.

Nas cooperativas e PME, a penalização de 10 pontos percentuais não se aplica, excecionalmente nos períodos de tributação de 2020 e 2021, quando estes correspondam ao período de tributação de início de atividade ou a um dos dois períodos seguintes.

Assim, as cooperativas e PME que tenham iniciado atividade nos anos de 2018, 2019 e 2020 não aplicam a penalização de 10 pontos percentuais nas taxas de tributação autónoma, no ano de 2020, ainda que apurem prejuízos fiscais.

O agravamento das taxas de tributação autónoma no caso de obtenção de prejuízos fiscais também não se aplica quando as entidades (cooperativas e PME) verifiquem as seguintes condições cumulativas:

– Tenham obtido lucro tributável em um dos três períodos de tributação anteriores. Assim, para o ano em curso (2020), importa verificar se em 2017, 2018 ou 2019, se num destes três anos, apurou lucro tributável;

– E as obrigações declarativas de entrega da Modelo 22 e da IES/ DA, relativas aos dois períodos de tributação anteriores, tenham sido cumpridas nos termos neles previstos.

Assim deve verificar-se se a Modelo 22 de 2018 foi entregue até 30 de junho de 2019 (conforme Despacho n.º 217/2019-XXI, de 21 de maio) e a Modelo 22 de 2019 até 3 de agosto (conforme Despacho n.º 296/2020-XXII, de 31 de julho), assim como se a IES de 2018 foi entregue até dia 17 de julho de 2019 e a IES de 2019 até dia 15 de setembro de 2020 (conforme Despacho n.º 259/2020-XXII, de 16 de julho).

Deste modo, as cooperativas e PME que tenham iniciado atividade no ano de 2017 ou em anos anteriores, que tenham obtido lucro tributável num dos anos de 2017, 2018 ou 2019, tendo entregue a Modelo 22 e a IES dos anos de 2018 e 2019, dentro do prazo, não ficam sujeitas à penalização de 10 pontos percentuais nas taxas de tributação autónoma, no ano de 2020, ainda que apurem prejuízo fiscal.

Referimos que é fundamental o correto preenchimento da Modelo 22, nomeadamente na identificação do tipo de entidade no quadro 03-A, assim como no quadro 13, relativo à tributação autónoma. O quadro 13 da Modelo 22 já se encontra adaptado para acolher as informações necessárias para aplicação desta medida prevista na Lei do Orçamento do Estado para 2021. 



 

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias