Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Manuel Falcão 26 de Fevereiro de 2016 às 11:27

A esquina do Rio

Numa recente e amena conversa sobre a situação política, o meu interlocutor defendia que pessoas como Vítor Gaspar eram superiormente preparadas e afirmava que, também por isso, tinha sido um dos melhores ministros que Portugal teve nos últimos anos.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
Back to basics
Não há homem que tenha uma memória suficientemente boa para poder ser um mentiroso capaz.
Abraham Lincoln

Ministros
Numa recente e amena conversa sobre a situação política, o meu interlocutor defendia que pessoas como Vítor Gaspar eram superiormente preparadas e afirmava que, também por isso, tinha sido um dos melhores ministros que Portugal teve nos últimos anos. A conversa levou-me a pensar nas características que fazem de alguém um bom ministro. Algumas são fáceis de identificar: o conhecimento do sector, a capacidade técnica, o empenho na mudança, a capacidade de liderança de equipas. Mas outras são mais difíceis de detectar: vontade e capacidade de negociação, objectivo de gerar consensos e usá-los para alcançar mudanças estruturais, sensibilidade, conhecimento e poder políticos, e, por fim, mas cada vez mais importante, capacidade de comunicação.
Um excelente técnico que seja teimoso, incapaz de gerar consensos, politicamente insensível, que julgue a sua opinião como uma verdade indiscutível e que tenha fraca capacidade de comunicação, dificilmente será um bom ministro, por muitos conhecimentos e capacidades que tenha nas áreas que tutela. O problema com Vítor Gaspar vinha da sua arrogância, intelectual e comunicacional - esta última agravada por um sentido de humor baseado no cinismo, do qual a história da enorme carga de impostos foi o paradigma. Mas, claro que um consensualista, que deixe tudo na mesma e se preocupe mais com jogos de equilíbrio do que com a gestão da coisa pública, também não serve. Por isso é tão difícil encontrar bons ministros: quem aceita ir para o lugar fá-lo certamente por sentido de dever e patriotismo - mas não excluo que, em alguns casos, o faça por vaidade pessoal e vontade de exercer o poder sem olhar a fins. Feitas as contas, não me parece que Vítor Gaspar tenha sido um bom ministro - a prova está hoje à vista: preocupou-se mais em aumentar a receita do que em diminuir a despesa e não fez mudanças estruturais duradouras.
Este foi o pecado original do anterior Governo e Gaspar tem uma boa quota parte de responsabilidade nisso: as mudanças foram feitas sem o objectivo de as tornar irreversíveis e deixaram a estrada aberta para aquilo a que agora assistimos, e que talvez nos custe ainda mais do que já nos custou.

Semanada
• Em 2015, os hotéis portugueses ultrapassaram pela primeira vez os dez milhões de hóspedes estrangeiros  o aumento de turistas em Lisboa provocou um aumento das rendas, afastou residentes do centro da cidade e levou ao encerramento de estabelecimentos comerciais históricos  o preço das casas em Lisboa aumentou 7,1% no último ano  o Governo vai injectar mais 567 milhões de euros no BPN  o Estado perde 140 mil euros por dia em burlas na Saúde e na Segurança Social  quase 60% dos desempregados não recebem subsídio  em 2015, foram registados 24 crimes de branqueamento de capitais e 2.528 crimes no domínio da cibercriminalidade  os residentes da Zona Euro vão ver cerca de 250 mil milhões de euros dos seus impostos a servir apenas para pagar juros e encargos das dívidas públicas da região  o Tribunal Constitucional divulgou esta semana, ao fim de cinco anos, as multas que decidiu aplicar nas eleições presidenciais de 2011  o Tribunal de Contas detectou ilegalidades de 4,2 milhões de euros nos serviços prisionais  desde que tomou posse, o actual Governo já anulou seis concursos para cargos dirigentes de organismos públicos  título do Público: "O Orçamento de que ninguém gosta vai ser aprovado por alguns"  pela primeira vez em 42 anos, a esquerda votou em conjunto um Orçamento do Estado  as remessas dos emigrantes em 2015 foram as maiores em 15 anos  Lisboa iniciou um ciclo de obras que vai dar cabo da cabeça aos residentes da capital até às eleições autárquicas  quer-me parecer que o pequeno rectângulo vai começar de novo a meter água um dia destes.

Ler
Muitos de nós olhamos para o que se passa, para o processo deste Orçamento do Estado e dos anteriores, para o que sucedeu com a troika e, digo eu, legitimamente, podemos interrogar-nos: qual a razão de fundo para isto cá estar a correr tão mal? A principal virtude de um livro lançado esta semana, "A Economia Portuguesa Na Zona Euro", de Alexandre Patrício Gouveia, é abrir pistas para podermos reflectir sobre isto. O livro é um trabalho importante de recolha e compilação de dados, mas também da sua comparação com outros países, que têm dimensões de PIB mais ou menos semelhantes. Aqui está a dívida - do Estado, das empresas e das pessoas -, a informação sobre os sectores que receberam maior investimento e os efeitos globais que as opções tiveram na economia. O livro é feito do estudo de dados, mas também de convicções, de sugestões e mesmo de propostas - e é esta mistura virtuosa da observação dos factos com a sua interpretação, e com o abrir de pistas, que o torna especialmente atraente e uma leitura estimulante. A questão central da dívida e de como lá se chegou, das pensões, do desemprego, das reformas estruturais ou dos custos da energia, por exemplo, são abordados sempre numa perspectiva de comparar os dados que aqui existem com outros equivalentes, de outros países, procurando os melhores exemplos e louvando as virtudes dos que alcançaram bons resultados. "A Economia Portuguesa na Zona Euro" é um livro de consulta, de leitura fácil, que nos pode ajudar a perceber como chegámos ao ponto onde estamos. (Edição Alêtheia).

Gosto
A realizadora Leonor Teles ganhou o prémio do Festival de Cinema de Berlim para a melhor curta-metragem, com "Balada de um Batráquio". 

Não gosto
No último ano, Lisboa desceu um lugar no "ranking" que avalia a qualidade de vida nas cidades. 

Ver
Para a semana já saberemos quais são os vencedores dos Óscares de Hollywood - de maneira que esta semana tenho duas sugestões, a propósito desta matéria. A primeira é que vão ver, sem falta, "The Hateful Eight", ou "Os Oito Odiados" na versão portuguesa, o novo filme de Quentin Tarantino. As críticas têm sido oscilantes mas, na minha opinião, é dos melhores filmes que vi nos últimos meses: uma escolha de actores verdadeiramente excepcional (de onde me permito destacar Samuel L. Jackson, Jennifer Jason Leigh, Kurt Russell e Tim Roth), um argumento sólido sobre uma das fases mais duras da História dos Estados Unidos, no pós-Guerra Civil, diálogos verdadeiramente excepcionais e uma banda sonora, já aqui referida noutra ocasião, que é um dos grande trunfos do filme - assinada por Ennio Morricone. Acresce que "The Hateful Eight" foi filmado em Super Panavision de 70mm, obviamente em película da boa. Este é um invulgar "western", cuja acção decorre no interior de um posto de paragem das velhas diligências, no Wyoming. Os oito odiados, que dão o nome ao filme, criam entre eles uma tensão dramática enorme, que espelha as velhas rivalidades entre o Norte e o Sul, mas também as tensões entre quem está do lado da Lei e quem lhe foge. Tudo isto com uma participação especial da sombra patriarcal de Abraham Lincoln sobre todo o enredo, como aqueles que forem ver o filme descobrirão. Como sairá a contenda nos Óscares com "Star Wars - The Force Awakens"?

Arco da velha
O economista Vítor Bento manifestou convergência com  o PCP quanto à  nacionalização do Novo Banco. O PS manifestou simpatia pela ideia.   

Folhear e ouvir
Já que estamos em maré de Óscares, não posso deixar de recomendar a edição especial da revista Vanity Fair, dedicada ao evento, com Jane Fonda, Cate Blanchett, Viola Davis e Jennifer Lawrence na capa, fotografadas por Annie Leibovitz. Além do portefólio fotográfico de Leibovitz, esta edição propõe uma viagem pelas memórias de Hollywood, com histórias de bastidores, destaques musicais, como os que Randy Newman foi aprontando ao longo da sua carreira e, já agora, uma visão muito particular de Hollywood por Samuel L. Jackson. Outro artigo delicioso é sobre a carreira de Kathleen Kennedy, a produtora que tem trabalhado toda a vida ao lado de Spielberg, responsável ela própria por "Star Wars - The Force Awakens", e que é considerada uma das mulheres mais poderosas de Hollywood. Ver com muita atenção esta edição é o mais próximo que podemos estar da magia do cinema, na noite deste domingo, pelo módico preço de nove euros e meio. A edição encerra com o habitual "Questionário de Prous", aplicado a Chris Rock, que este ano será o anfitrião da cerimónia dos Óscares. A terminar: se quiser folhear a revista e ao mesmo tempo ter um momento revivalista, agarre-se ao CD, ou ao DVD, que registam a passagem de Charles Aznavour num espectáculo de carreira, realizado no Palais des Sports de Paris, em 2015, onde ele interpreta todos os seus grandes sucessos.

Dixit
"(Em relação à Europa) a política portuguesa caracteriza-se por a esquerda estar a mexer e a direita não."
Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros

Provar
Existe um restaurante de bom peixe e produtos do mar nas Amoreiras, com decoração cuidada, serviço atencioso e propostas interessantes? A resposta é sim, existe. Chama-se Barbatana, nasceu há meio ano, a partir da tradição do Porto de Santa Maria, o histórico restaurante do Guincho. Situado na renovada zona de restauração do centro comercial, tem um balcão e uma área no "food court", com lista própria, onde se pode petiscar ao longo do dia, desde pica-pau do lombo a prego de atum. Além disso, o Barbatana tem uma sala ampla, luminosa e confortável, com uma lista mais tradicional onde, além dos peixes da lota, há, ao longo da semana, sugestões de pratos fixos em cada dia - como os filetes de polvo com arroz de feijão, à segunda-feira, que eram verdadeiramente acima da média. Na área do balcão, existe um menu do dia a 10,80€, que inclui entrada, prato, bebida e café, que é renovado semanalmente e está na página do Barbatana no Facebook. A supervisão é de Miguel Laffan, que aceitou o desafio de trabalhar esta nova marca do Porto de Santa Maria. O branco da casa, que experimentei, é o Quinta da Monteira, de Alcácer do Sal, e portou-se muito bem. Quer no balcão, quer na sala, a experiência é boa e merece elogio. Reservas para a sala do restaurante pelo telefone 913 582 639.

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias