Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

La Caixa na encruzilhada

Paulo Teixeira Pinto jogou por antecipação ao admitir mudar as condições da OPA para satisfazer os grandes accionistas do BPI: La Caixa (16,5%), Itaú (16,5%) e Allianz (8%). Juntos chegam para dinamitar a operação.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...
Teixeira Pinto sabe que La Caixa, que já tentou controlar o BPI, não quer vender: ontem, na sede do banco, torcia-se abertamente o nariz à operação. O Itaú também não está para aí virado, diz-se que por influência de Câmara Pestana junto dos accionistas. A Allianz é uma incógnita. La Caixa está numa encruzilhada. Gosta de mandar, mas sabe que o BCP não a deixaria chegar à gestão, mesmo se vendesse (talvez ao conselho superior, mas aí pode haver conflito de interesses: já lá está o Sabadell, onde La Caixa tem 15% do capital). Por outro lado, se inviabilizar a OPA continuará com uma posição pequena em Portugal. Pode lançar uma OPA sobre o BPI, mas era preciso que o Banco de España deixasse. E para além do custo da OPA, teria de marchetar de balcões o espaço da Catalunha até à Estremadura, para garantir a continuidade geográfica até Portugal. São 500 balcões, a um preço de 300 milhões de euros. Se vender a sua participação, o que daria grande vantagem ao BCP, fica com 6% do capital do novo banco. Venha o diabo e escolha.
Outras Notícias