Ricardo Salgado
Ricardo Salgado 08 de janeiro de 2017 às 23:00

Mário Soares, um grande Português

Mário Soares chocou-se com nova destruição do Grupo Espírito Santo, agora por um PREC de direita, de políticos despreparados e sem a visão de Estado que sempre o caracterizou.

Faleceu um grande português. Um entre os maiores políticos do séc. XX e XXI a quem o País fica muito a dever.

Homem de grande coragem, enfrentou perseguições, prisões, deportações no período do antigo regime. Foi também com enorme coragem que percorreu o período da democratização e do PREC até à consolidação da democracia em Portugal.

O processo da descolonização portuguesa foi forçado pelas grandes potências e não devemos esquecer a teoria do dominó de Eisenhower para compreender o que aconteceu. É bom recordar a frase de Kissinger de que se Portugal evoluísse para o comunismo, seria uma vacina para a Europa. Apesar disso, Soares soube convencer os EUA de que valia a pena apoiar Portugal.

Foi pela mão de Mário Soares que Portugal fez a sua adesão à CEE, também devido às suas excelentes relações com personalidades como Mitterrand, Willy Brandt e Olof Palm.

Teve a lucidez de chamar os empresários espoliados em 1975, entre eles o Grupo Espírito Santo, o que contribuiu para um período de entrada de capitais sem precedentes que conjugava os fundos europeus aliados aos capitais destinados às reprivatizações. Isso permitiu reconstruir a economia do país.

Chocou-se com nova destruição do Grupo Espírito Santo, agora por um PREC de direita, de políticos despreparados e sem a visão de Estado que sempre o caracterizou.

Foi sempre um homem solidário, principalmente nos momentos mais difíceis dos seus amigos. Fui verdadeiramente seu amigo. Sinto-me reconhecido e agradecido pela amizade dedicada por si e por Maria de Jesus Barroso à minha família mais directa, e a mim, especialmente no período subsequente à desgraça que ocorreu a 3 de Agosto de 2014.


Sinto-me triste porque perdi um bom Amigo.

pub

Marketing Automation certified by E-GOI